Entre trajetórias e a construção da consciência histórica na formação dos professores de História (Indaial/SC)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v14i1.11070

Palavras-chave:

Formação de professores, Diversidade étnico-cultural, Consciência histórica docente.

Resumo

Este artigo faz um balanço teórico-metodológico sobre a trajetória da Formação de Professores do Ensino Fundamental (anos finais) da rede municipal de Indaial (SC). O objetivo dessa formação, iniciada em 2014 e concluída em 2017, era reelaborar a Proposta Curricular de História. Os professores ressignificaram os conteúdos e abordagens das práticas de ensino em história reinterpretando suas consciências históricas. Essa análise é dividida em três momentos: primeiro, abordamos as escolhas dos referenciais teóricos e metodológicos; segundo, discutimos a importância das reflexões acerca da pluralidade étnico-cultural na didática da História; por fim, apresentamos as ações efetivadas na formação com esses professores para a reelaboração da proposta.

Biografia do Autor

Cíntia Régia Rodrigues, Universidade Regional de Blumenau – (FURB), Campus I

Possui graduação em Licenciatura Plena em História pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Foi bolsista Alfa/PET (Programa especial de Treinamento), vinculado a Capes. Mestrado em História, no qual recebeu bolsa do CNPq, e Doutorado em História, tendo recebido bolsa da Capes, (2007) pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos/UNISINOS. Atualmente é professora do departamento de História e Geografia da FURB, Fundação Universidade Regional de Blumenau e coordenadora do Laboratório de Didática da História - LADIH. Tem experiência na área de História, com ênfase em História do Brasil e no Ensino de História, atuando principalmente nos seguintes temas: populações indígenas, política indigenista, cultura, grupos étnicos, positivismo, e didática da história e a Lei 11645/08.

Referências

ANDERSON, B. Comunidades imaginadas: reflexões sobre a origem e a difusão do nacionalismo. São Paulo, Companhia das Letras, 2008. 336 p.

BASE Nacional Comum Curricular. Início. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/#/site/inicio. Acesso em: 20 fev. 2016.

BEZERRAS, H. G. Ensino de História: conteúdo e conceitos básicos. In.: KARNAL, L. (Org.) História na sala de aula: conceitos, práticas e propostas. São Paulo, Contexto, 2003. p. 37- 48.

BITTENCOURT, C. Ensino de História: fundamentos e métodos. São Paulo, Cortez, 2004. 408 p.

BRASIL. Lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 20/12/1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm. Acesso em: 20 fev. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: apresentação dos temas transversais: pluralismo cultural. Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental. Brasília, MEC/SEF, 1997.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais. Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental. Brasília, MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Parâmetros curriculares nacionais, primeiro e segundo ciclos do Ensino Fundamental, pluralidade cultural. Brasília, MEC. Versão preliminar para discussão nacional, 1996.

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais, terceiro e quarto ciclos do Ensino Fundamental, pluralidade cultural. Brasília, MEC, 1997. Versão preliminar para discussão nacional.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. São Paulo, Atlas, 1988. 200 p.

BRASIL. Ministério da Educação. Proposta de diretrizes para formação inicial de professores da educação básica, em cursos de nível superior. Brasília, DF, 2000.

BRASIL. Lei 10.639, 09 de janeiro de 2003. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira”, e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 10 jan. 2003. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2003/lei-10639-9-janeiro-2003-493157-norma-pl.html. Acesso em: 27 set. 2017.

BRASIL. Lei 11.645, 10 de março de 2008. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 11/03/2008. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2008/lei-11645-10-marco-2008-572787-norma-pl.html. Acesso em: 27 set. 2017.

CERRI, L. F. Os conceitos de consciência histórica e os desafios da didática da história. Revista de História Regional, v. 6, n. 2, p. 93-112, 2001.

FONSECA, S. G. Didática e Prática de Ensino de História. SP: Papirus, 2007.

HARTOG, F. Regimes de historicidade. Presentismo e experiências do tempo. Belo Horizonte, Autêntica, 2014.

LANDER, E. (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires, Clacso/Unesco,2000. 278 p.

LE GOFF, J. História e memória. Campinas, SP, Editora da UNICAMP, 1994. 553 p.

LIMA, A. C. de S. O exercício da tutela sobre os povos indígenas: considerações para o entendimento das políticas indigenistas no Brasil contemporâneo. Revista de Antropologia, v. 55, p. 781, 2012a.

RÜSEN, J. Razão histórica. Teoria da história: Os fundamentos da ciência histórica. Tradução de Estevão de Rezende Martins. Brasília, Ed. UnB, 2001. 194 p.

RÜSEN, J. Reconstrução do passado. Teoria da história II: os princípios da pesquisa histórica. Trad. Estevão de Rezende Martins. Brasília: UnB, 2007a. 188 p.

RÜSEN, J. História viva. Teoria da história III: forma e funções do conhecimento histórico. Trad. Estevão de Rezende Martins. Brasília: UnB, 2007b. 159 p.

RÜSEN, J. Experiência, interpretação, orientação: as três dimensões da aprendizagem histórica. In: SCHMIDT, M. A.; BARCA, I.; MARTINS, E. de R. (org.). Jörn Rüsen e o ensino de História. Curitiba, UFPR, 2010. p. 79-91.

SAHLINS, M. Ilhas de História. São Paulo: Zahar, 2001. 252 p.

SANTOS, B. de S. Reconhecer para Libertar: Os Caminhos do Cosmopolitismo Multicultural. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2003. 614 p.

SCHMIDT, M. A. Ensinar História. São Paulo, Scipione, 2009. 160 p.

SILVA, T. T. da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte, Autêntica, 1999. 156 p.

SOARES, O. P. Formulação Conceitual e Ensino de História para crianças. In: IX Encontro Nacional dos Pesquisadores do Ensino de História– 2011. Anais Eletrônicos. Florianópolis/SC. Disponível em: http://abeh.org/trabalhos/GT11/tcompletoolavo.pdf. Acesso em: 10 maio 2014.

WARSCHAVER, C. A roda e o registro: uma parceria entre professor, alunos e conhecimento. 2. ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1993. 235 p.

WHITROE, G. J. O tempo na história: concepções de tempo da pré-história aos nossos dias. Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 1993. 231 p.

Publicado

01/01/2019

Como Citar

RODRIGUES, C. R. Entre trajetórias e a construção da consciência histórica na formação dos professores de História (Indaial/SC). Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. 1, p. 309–324, 2019. DOI: 10.21723/riaee.v14i1.11070. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/11070. Acesso em: 28 fev. 2021.

Edição

Seção

Relatos de Experiência