A política de revalidação de diplomas estrangeiros: interfaces entre o executivo, legislativo e judiciário

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v14i3.11573

Palavras-chave:

Revalidação de diplomas, Política educacional, Educação superior.

Resumo

Objetiva-se aqui delinear o movimento dos Poderes executivo, legislativo e judiciário brasileiro no processo de construção da política de revalidação de diplomas de graduação, que se destaca em contexto globalizado. Partiu-se da análise de documentos produzidos no âmbito desses três Poderes. Observou-se que de 2002 a 2016, há aprovação pelo CNE/MEC de normas disciplinadoras, além da inclusão de exames e da criação da Plataforma Carolina Bori. Em 2011, há a ação do Legislativo federal, que interpõe projeto de lei para fins de revalidação automática. Foram encontrados 3.681 processos nos tribunais de justiça, no entanto, não há manifestação em relação ao mérito da revalidação. O Estado age, vigorosamente, em favor da demanda interna crescente por revalidação e das políticas supranacionais que devem preponderar frente aos aspectos internos das instituições universitárias.

Biografia do Autor

Ana Lucia Marran, Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD) Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)

Graduação em Enfermagem pela Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (2002) e mestrado em Educação pela Universidade Federal da Grande Dourados (2012). Atualmente é professora do curso de enfermagem da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS) e Doutoranda em Educação pela UFGD.

Giselle Cristina Martins Real, Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)

Atua na Faculdade de Educação, Docente do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFGD. Doutora em Educação pela USP.

Kelei Zeni, Centro Universitário da Grande Dourados (UNIGRAN)

Docente do curso de direito da UNIGRAN. Mestre em Educação pela UFGD.

Referências

ALVARES, Adriana de Lourdes Trentin. 2015. 170f. Educação superior além-fronteiras: um olhar sobre as estratégias institucionais para atratividade de estudantes brasileiros. Dissertação (Mestrado em Educação) da Faculdade de Educação, Universidade Federal da Grande Dourados, 2015.

BARROSO, Luís Roberto. Ano do STF: Judicialização, ativismo e legitimidade democrática. Revista Consultor Jurídico, 22 de dezembro de 2008. Disponível em: http://www.conjur.com.br/2008-dez-22/judicializacao_ativismo_legitimidade_democratica. Acesso em: 20 fev. 2017.

BARROSO, Luís Roberto. Judicialização, ativismo judicial e legitimidade democrática. [Syn] Thesis, Rio de Janeiro, v.5, n. 1, p.23-32, 2012.

BONAVIDES, Paulo. Do Estado liberal ao Estado Social. 8 ed. São Paulo: Malheiros Editores, 2007.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil (1988). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm. Acesso em 15 abr. 2016.

BRASIL. Lei n º 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Portal da Subchefia de Assuntos Jurídicos da Casa Civil da Presidência da República: Leis Ordinárias. Brasília: Casa Civil da Presidência da República do Brasil, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm Acesso em: 02 out. 2014.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CES nº 1, de 29 de janeiro de 2002. Estabelece normas para a revalidação de diplomas de graduação expedidos por estabelecimentos estrangeiros de ensino superior. Brasília: Diário Oficial da União, Seção 1, p. 11, fev. 2002. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=13192%3Aresoluc ao-ces-2002&catid=323%3Aorgaos-vinculados&Itemid=866. Acesso em: 27 out. 2016.

BRASIL. Decreto nº. 5.518, de 23 de agosto de 2005. Promulga o acordo de admissão de títulos e graus universitários para o exercício de atividades acadêmicas nos Estados Partes do Mercosul. Brasília, DF, 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Decreto/D5518.htm. Acesso em: 27 out. 2016

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CES nº 8, de 04 de outubro de 2007. Altera o Art. 4º e revoga o art. 10 da Resolução CNE/CES nº 1/2002, que estabelece normas para a revalidação de diplomas de graduação expedidos por estabelecimentos estrangeiros de ensino superior. Brasília, DF: Diário Oficial da União, 2007. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/2007/rces008_07.pdf. Acesso em: 27 out. 2016.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CES nº 7, de 25 de setembro de 2009. Altera o §2º do art. 8º da Resolução CNE/CES nº 8, de 4 de outubro de 2007, que estabelece normas para a revalidação de diplomas de graduação expedidos por estabelecimentos estrangeiros de ensino superior. Brasília: Diário Oficial da União, 28 set. 2009, Seção 1, p. 30. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rces007_09.pdf. Acesso em: 12 fev. 2016.

BRASIL. Portaria Interministerial nº 865, de setembro de 2009. Aprova o Projeto Piloto de revalidação de diplomas de médico expedido por universidades estrangeiras. MEC/MS. Brasília: Diário Oficial da União. 2009. Disponível em: http://www.in.gov.br/autenticidade.html. Acesso em: 10 jan. 2017.

BRASIL. Portaria Interministerial nº 278, de 17 de março de 2011. Institui o Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos expedidos por universidades estrangeiras (Revalida). Brasília, DF: Diário Oficial da União. 18 de março de 2011. Seção 1, p. 12, nº 53, ISSN 1677-7042. Disponível em: http://www.in.gov.br/autenticidade.html. Acesso em: 10 abr. 2017.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CES nº 3, de 22 de junho de 2016. Dispõe sobre normas referentes à revalidação de diplomas de cursos de graduação e ao reconhecimento de diplomas de pós-graduação stricto sensu (mestrado e doutorado), expedidos por estabelecimentos estrangeiros de ensino superior. Brasília: Diário Oficial da União, 23 de junho de 2016, Seção 1, págs. 9-10. Disponível em: http://www.in.gov.br/autenticidade.html. Acesso em: 20 dez. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria Normativa nº 22, de 13 de dezembro de 2016. Dispõe sobre normas e procedimentos gerais de tramitação de processos de solicitação de revalidação de diplomas de graduação estrangeiros e ao reconhecimento de diplomas de pós-graduação stricto sensu (mestrado e doutorado), expedidos por estabelecimentos estrangeiros de ensino superior. Brasília: Diário Oficial da União, 14 de dezembro de 2016, Seção 1, págs. 9-11. Disponível em: http://www.in. gov.br/autenticidade.html. Acesso em: 20 dez. 2016.

CONCEIÇÃO, Jullie Cristhie da. O processo de revalidação de diplomas de cursos de graduação no Brasil: um olhar sobre o projeto piloto de medicina. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v. 7, n. 3, 2012.

CURY, Carlos Roberto Jamil; FERREIRA, Luiz Antônio Miguel. A judicialização da educação. Revista CEJ, Brasília, ano 13, n. 45, p. 32-45, abr./jun. 2009.

DALE, Roger. Globalização e educação: demonstrando a existência de uma “cultura educacional mundial comum” ou localizando uma “agenda globalmente estruturada para a educação”? Educação & Sociedade, Campinas, v. 25, n. 87, p. 423-460, maio/ago. 2004

KNIGHT, Jane. Higher education crossing border: a guide to implications of the General Agreement on Trade in Services (GATS) for cross border education. Paris: UNESCO, 2006. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0014/001473/147363E.pdf. Acesso em: 10 jan. 2017.

KRAWCZYK, Nora; SANDOVAL Salvador Antonio Mireles. O Processo de Regionalização das Universidades do Mercosul: um estudo exploratório de regulação supranacional e nacional. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 37, n. 2, p. 647-668, 2012.

MERCOSUL. Decisão n° 17/08. 35º Conselho do Mercado Comum. San Miguel de Tucumán, 17 de junho de 2008. Disponível em: http://www.capes.gov.br/images/stories/download. Acesso em: 17 jul. 2015.

PALUMBO, Dennis James. Public policy in America: government in action. 2a. ed. Florida – EUA: Harcourt Brace & Company, 1994.

ROBERTSON, Susan L. O processo de Bolonha da Europa torna-se global: modelo, mercado, mobilidade, força intelectual ou estratégia para construção do Estado?. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 14, n. 42, p. 407-422, dez. 2009.

SOUZA, Ângelo Ricardo de. A teoria da agenda globalmente estruturada para a educação e sua apropriação pela pesquisa em políticas educacionais. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação - RBPAE, Goiânia, v. 32, n.2, p. 463 – 485, maio/ago. 1916.

VERHINE, Robert Evan; FREITAS, Antônio Alberto da Silva Monteiro de. A avaliação da educação superior: modalidades e tendências no cenário internacional. Revista Ensino Superior, Campinas, p. 16 – 39. Out. 2012. Disponível em: https://www.revistaensinosuperior.gr.unicamp.br/edicoes/ed07_outubro2012/ARTIGO_PRINCIPAL.pdf. Acesso em: 21 jan. 2017.

VILLANUEVA, Luis Fernando Aguilar. Problemas públicos e agenda de gobierno. México: Miguel Ángel Perrúa, 2013.

Publicado

18/10/2019

Como Citar

Marran, A. L., Real, G. C. M., & Zeni, K. (2019). A política de revalidação de diplomas estrangeiros: interfaces entre o executivo, legislativo e judiciário. Revista Ibero-Americana De Estudos Em Educação, 14(3), 942–955. https://doi.org/10.21723/riaee.v14i3.11573

Edição

Seção

Artigos