Filé e mocotó: pedagogias dos corpos e homossexualidades no Scruff

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v14i3.11907

Palavras-chave:

Educação e sexualidade, Tecnologia educacional, Scruff, Pedagogias culturais, Pedagogia dos corpos e homossexualidades.

Resumo

O objetivo do artigo é analisar pedagogias dos corpos e das homossexualidades produzidas por gays usuários do Scruff, ambiência digital especializada em socialização homoafetiva. O Argumento central é que esse software é um artefato cultural contemporâneo que produz pedagogias para os corpos e as homossexualidades. A metodologia utilizada foi qualitativa, de caráter descritivo e analítico. Os sujeitos foram escolhidos através da observação não participante e os dados construídos por entrevistas semiestruturadas foram analisados a partir da análise de conteúdo. Os resultados apontam que a mercantilização dos corpos constrói pedagogias culturais que privilegiam a visibilidade de homossexualidades viris na quais o músculo corporal ganha status de filé. Na contramão, os corpos que transgredem aos ideais dessas pedagogias culturais são percebidos como mocotó. O estudo conclui que as pedagogias dos corpos e homossexualidades promovidas no Scruff incitam a compreensão das homossexualidades como produtos de relações assimétricas de poder.

Biografia do Autor

Danillo Mota Lima, Universidade Federal da Bahia

Mestre e doutorando em educação na Universidade Federal da Bahia. É membro do grupo de pesquisa Educação,Comunicação e Tecnologia

Edvaldo Souza Couto, Universidade Federal da Bahia (UFBA)

Professor Titular da Faculdade de Educação - FACED-UFBA

Referências

ANDRADE, Paula.; COSTA, Marisa. Nos rastros do conceito de pedagogias culturais: Invenção, disseminação e uso. Educ. rev. vol.33 Belo Horizonte, Jun 22, 2017. Disponível em: www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-46982017000100118&script=sci_arttex. Acesso em 15 out 2018.

BARDIN, Lawrence. Análise de conteúdo. Lisboa, 2011.

COUTO, Edvaldo. Vida privada na esfera pública: narrativas de corpos e sexualidades nas redes sociais digitais. Revista entreideias: educação, cultura e sociedade, Salvador, v. 4, n. 1, 2015. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/entreideias/issue/view/995. Acesso em: 04 jun 2017.

GALET, Carmen; SEFFNER, Fernando. Dois Olhares sobre masculinidades no ambiente escolar. Rev. Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 11, n. 2, abr-jun de 2016 Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/8322/5826. Acesso em 04 abr 2017.

GIROUX, Henry. Education in unsettling times: public intellectual and promise of cultural studies. In_Power/knowledge/pedagogy: The meaning of democratic education in unselttling times. Taylor e Francys Group Online, 2018. Disponível em: //www.taylorfrancis.com/books/e/9780429966613/chapters/10.4324%2F9780429498060-2. Acesso em 17 out 2018.

LÉVY, Pierre. Cyberculture. Paris, Éditions Odile Jacob, 1997.

LIMA, Danillo; COUTO, Edvaldo. Pedagogias de masculinidades e estéticas monstras no Scruff. In: RIBEIRO, Paula; MAGALHÃES, Joanalira; SEFFNER, Fernando; VILAÇA, Teresa Corpo, Gênero e Sexualidade: resistências e ocup(ações) nos espaços de educação. Rio Grande, Editora da FURG, 2018.

LOURO, Guacira Lopes. Flor de Açafrão: takes, cuts, close-ups. Rio de Janeiro: Editora Autêntica, 2017.

MILLER, Brandon. Textually Presenting Masculinity and the Body on Mobile Dating Apps for Men Who Have Sex With Men. The Journal of Men’s Studies, Vol 26, n.3, 2018. Disponível em sagepub.com/doi/abs/10.1177/1060826518773417?casa_token=Q6TbYRf03MQAA%3AuIp7kafJC0STYcmRgDJXEduUzY3W3EAZFLzqCyFUx39K1astHaOac169WA5OgiDx7a5b3W60BEPH_hs&. Acesso em 17 out 2018.

MINAYO, Maria C.; DELANDES, Suely F.; GOMES, Romeu. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2012.

Publicado

18/10/2019

Como Citar

LIMA, D. M.; COUTO, E. S. Filé e mocotó: pedagogias dos corpos e homossexualidades no Scruff. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. 3, p. 1100–1110, 2019. DOI: 10.21723/riaee.v14i3.11907. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/11907. Acesso em: 4 mar. 2021.

Edição

Seção

Artigos