A produção da família no Brasil contemporâneo: uma análise de leis e decisões jurídicas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v14iesp.2.12581

Palavras-chave:

Família, Sistema jurídico, Dispositivo, Discursos.

Resumo

A família pode ser concebida como um dispositivo que articula determinados discursos que são postos em disputa em torno da sua definição. Assim, seu entendimento está relacionado aos discursos que sobre ela são produzidos. Valemo-nos de enunciações produzidas por algumas leis e decisões jurídicas que possibilitam a ampliação do conceito de família e o reconhecimento da conjugalidade homossexual, fatos que provocaram grupos religiosos e políticos em defesa da família nuclear. Temos como objetivo examinar algumas formas de atuação do sistema jurídico para a produção do entendimento de família no Brasil contemporâneo. Para isso, apresentamos uma abordagem histórica sobre a família moderna, a partir de um olhar foucaultiano e estabelecemos uma relação com a noção de dispositivo. Em seguida, analisamos algumas leis e decisões jurídicas que versam sobre uma forma ampla de conceber a família, em suas diferentes possibilidades de arranjos. Compreendemos que essa ampliação do conceito provoca a atualização do dispositivo da família. Essa atualização se dá na medida em que produz novas formas de vivenciar a família, através de outras relações de saber-poder-subjetividade que interpelam os sujeitos.

Biografia do Autor

Luciana Kornatzki, Universidade Federal do Rio Grande (FURG), Rio Grande – RS

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências: química da vida e da saúde (associação ampla FURG-UFRGS-UFSM).

Paula Regina Costa Ribeiro, Universidade Federal do Rio Grande (FURG), Rio Grande – RS

Professora Titular - Instituto de Educação.

Referências

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. Lei ordinária nº 10.836 de 9 de janeiro de 2004. Cria o Programa Bolsa Família e dá outras providências. Presidência da República, 2004. Disponível em: https://goo.gl/Th9i3Z. Acesso em: 15 nov. 2011.

BRASIL. Lei ordinária nº 11.340 de 7 de agosto de 2006. Coíbe a violência doméstica e familiar contra a mulher. Presidência da República, 2006. Disponível em: https://goo.gl/CXm4AC. Acesso em: 10 maio 2017.

BRASIL. Projeto de Lei nº 612, de 29 de setembro de 2011 (do Senado Federal). Altera os arts. 1.723 e 1.726 do Código Civil, para permitir o reconhecimento legal da união estável entre pessoas do mesmo sexo. Disponível em: https://goo.gl/v1xhnA. Acesso em: 15 abr. 2017.

BRASIL. Projeto de Lei nº 6.583, de 16 de outubro de 2013 (da Câmara dos Deputados). Dispõe sobre o Estatuto da Família e dá outras providências. Disponível em: https://goo.gl/mQ8fK9. Acesso em: 20 abr. 2017.

COSTA, A. B.; NARDI, H. C. O casamento “homoafetivo” e a política da sexualidade: implicações do afeto como justificativa das uniões de pessoas do mesmo sexo. Estudos Feministas, Florianópolis, n. 23, v. 1, p. 137-150, 2015. Disponível em: https://goo.gl/dY1Ssv. Acesso em: 14 mar. 2017.

DELEUZE, G. O mistério de Ariana. Lisboa: Veja, 2005.

DIAS, M. B. União homossexual: o preconceito e a justiça. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2000.

DIAS, M. B. Manual de Direito das Famílias. 14. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2015.

GARCIA FANLO, L. ¿Qué es un dispositivo?: Foucault, Deleuze, Agamben. A Parte Rei. Revista de Filosofia. n. 74, p. 1-8, mar., 2011. Disponível em: https://goo.gl/yDa5Nr. Acesso em: 05 maio 2016.

FOUCAULT, M. Os anormais: curso no Collegè de France (1974-1975). São Paulo: Martins Fontes, 2001.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. Tradução de Luiz Felipe Baeta Neves. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004.

FOUCAULT, M. O poder psiquiátrico: curso dado no Collège de France (1973-1974). São Paulo: Martins Fontes, 2006.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso: aula inaugural do Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. São Paulo: Edições Loyola, 2014a.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 42. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014b.

FOUCAULT, M. História da sexualidade 1: a vontade de saber. São Paulo: Paz e Terra, 2015a.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. São Paulo: Paz e Terra, 2015b.

FISCHER, R. M. B. Foucault. In: OLIVEIRA, L. A. (Org.). Estudos do discurso: perspectivas teóricas. São Paulo: Parábola Editorial, p. 123-151, 2013.

JUNQUEIRA, R. D. “Ideologia de gênero”: a gênese de uma categoria política reacionária – ou a promoção dos Direitos Humanos se tornou uma “ameaça à família natural”? In: RIBEIRO, P. R. de C. Debates contemporâneos sobre Educação para a Sexualidade. Editora da FURG, Rio Grande, p. 25-49, 2017.

MACHADO, R. Introdução: Por uma genealogia do poder. In: FOUCAULT, M. Microfísica do poder. São Paulo: Paz e Terra, 2015.

MELLO, L. Novas famílias: conjugalidade homossexual no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: Garamont, 2005.

Publicado

01/06/2019

Como Citar

KORNATZKI, L.; RIBEIRO, P. R. C. A produção da família no Brasil contemporâneo: uma análise de leis e decisões jurídicas. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. esp.2, p. 1304–1320, 2019. DOI: 10.21723/riaee.v14iesp.2.12581. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/12581. Acesso em: 25 fev. 2021.