Formação de professoras normalistas rurais nos longínquos rincões do território federal do Guaporé, ao norte do Brasil, em Porto Velho/RO (1947 -1951)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v15i2.12596

Palavras-chave:

História da educação feminina, Formação de professoras rurais, Curso normal regional Carmela Dutra.

Resumo

Neste artigo analisamos a formação de professoras rurais no Curso Normal Regional Carmela Dutra - CNRCD, entre os anos de 1947 a 1951, a partir de documentos oficiais, tais como Regimento Interno do CNRCD, requerimentos, relatórios e imprensa oficial. Focamos nossa discussão em torno do magistério rural ofertado a mulheres na região Norte brasileira, em Porto Velho, município situado no Vale do Guaporé, atualmente capital de Rondônia. O texto está dividido em duas partes: primeiro, voltamos nosso olhar para as particularidades dessa formação para atuação no magistério rural, a partir do cruzamento entre referenciais teóricos estudados e informações sistematizadas da investigação realizada. Na segunda parte, abordamos aspectos da formação oferecida no CNRCD, em Porto Velho/RO, Território Federal do Guaporé.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cleicinéia Oliveira de Souza, Universidade Federal de Mato Grosso

Doutoranda em Educação pelo Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Mestra em Educação pelo Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), 2017. Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal de Rondônia (UNIR) 2014. Integrante do Grupo de Estudos e Pesquisa em História da Educação, Instituições e Relações de Gênero (GPHEG), da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), tem experiência como professora no Projeto para crianças e Adolescentes " Gente Feliz" na cidade de Ji- Paraná - Rondônia. Experiência como professora na disciplina Acolhimento no PRONATEC no Instituto Federal de Rondônia, campus Cacoal. Experiência como professora na Educação de Jovens e Adultos no projeto " Educação Cooperativistas" na cidade de Ji-Paraná, Rondônia. Atualmente tenho dedicado ao campo da História da Educação, do Ensino e da Escola no meio Rural, especificadamente em leituras sobre os seguintes temas: História das Instituições Escolares, História da Educação Feminina e Gênero.

Nilce Vieira Campos Ferreira, Universidade Federal de Mato Grosso

Professora no Programa de Pós-graduação em Educação da UFMT/Cuiabá (Mestrado e Doutorado) e no curso de Graduação em Pedagogia na Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT/Campus Cuiabá. Integro os Comitês Científicos: Revista Palobra (Universidade de Cartagena, Colômbia), Revista Pedagogia (UFMT), Revista de Educação Pública (UFMT), Revista Entre Parênteses (UNIFAL/MG), Revista Educa (UNIR). Graduação em Letras e Pedagogia. Mestrado em Educação. Doutorado e Pós-doutorado em Educação pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU/MG), com estágio no Programa Intercalar de Doutoramento em Educação na Universidade de Lisboa pelo Programa de Doutorado Sanduíche no Exterior (PDSE-CAPES).Coordenadora de Políticas de Ações Afirmativas e Assistência Estudantil, na Pró-reitoria de Assistência Estudantil na UFMT, desde março de 2018. Áreas de Pesquisa: História da Educação Feminina e da formação docente; História das Instituições Escolares e da Escolarização Rural; História da Educação Profissional e da Educação de Jovens e Adultos. Coordeno a Rede de Pesquisa, Ensino e Extensão em Educação nas regiões Centro-Oeste e Norte do Brasil e na América Latina ? RECONAL-Edu, o Centro Memória Viva do Instituto de Educação CMVIE/MT e o Grupo de Pesquisa e Estudos em História da Educação, Instituições e Gênero - GPHEG. Desenvolvo pesquisas com financiamento do CNPq.

Referências

ALMEIDA, Jane Soares de. Mulher e Educação: a paixão pelo possível. São Paulo: UNESP, 1998.

BLOCH, Marc. Apologia da História ou o ofício do historiador. Prefácio Jacques Le Goff. Apresentação à edição brasileira Lilia Moritz Schwarcz. Tradução André Telles. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.

BRAGA, Murilo. Processo n. 2736/49. Autorização para funcionamento de estabelecimento de Ensino Normal em Território. Ministério da Educação e Saúde. Arquivo Histórico do INEP, 1951. p. 2.

BRAGA, Murilo. Processo nº 92. Ministério da Educação e Saúde. 15 de março de 1948. Arquivo Histórico do INEP, 1948.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Os Professores leigos. Em Aberto, Brasília, ano 5, n. 32, out./dez. 1986. Disponível em: http://rbepold.inep.gov.br/index.php/emaberto/article/viewFile/1612/1584. Acesso em: jan 2020.

BRASIL. Decreto-Lei n. 8.530. Lei Orgânica do Ensino Normal. Rio de Janeiro, 2 de janeiro de 1946, 125 de Independência e 58º da República. Diário Oficial da União, p. 116, 4 jan. 1946. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1940-1949/decreto-lei-8530-2-janeiro-1946-458443-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 13 abr. 2019.

CONCEIÇÃO, Diamantina Costa Conceição. Qual o melhor progresso para a dinamização e o desenvolvimento cultural e econômico dos municípios brasileiros. Revista Campanha Nacional de Educação Rural. Ministério da Educação. Arquivo Inep, p. 5-25, 1954.

FERREIRA, Nilce Vieira Campos. Economia Doméstica: ensino profissionalizante feminino no Triângulo Mineiro (Uberaba/MG- 1953-1997). Ed. Paco Editorial: Jundiaí, 2014.

FERREIRA, Nilce Vieira Campos; SOUZA, Cleicinéia Oliveira de; PRADO; Fernanda Batista. História da educação no centro-oeste e norte brasileiros - entre o ofício e a missão: formação de professoras normalistas e missioneiras rurais. Curitiba: Appris, 2019.

GARFINKEL, Eva. Processo nº 1625/47. Ministério da Educação e Saúde. 7 de janeiro de 1948.

HISTÓRIA DE RONDÔNIA: Frederico Trotta, o 3º governador, ficou menos de um ano no cargo e apoiou a educação. Disponível em: http://www.rondonia.ro.gov.br/historia-de-rondonia-frederico-trotta-o-3o-governador-ficou-menos-de-um-ano-no-cargo-e-apoiou-a-educacao/. Acesso em: 14 abr. 2019.

LEITE, Gervásio. “Aspecto matogrossense do ensino rural”. In: ABE, Oitavo Congresso Brasileiro de Educação. Goiânia, jun. 1942. Rio de Janeiro, IBGE, 1944. p. 135-42.

LOURENÇO FILHO, Manoel Bergström. A formação de professores: da escola normal à escola de educação. Ruy Lourenço Filho (Org.). Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, 2001.

MENEZES. Esron Penha de. História Antiga. Alto Madeira, Rondônia, p. 5, 1982. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=843911&PagFis=8796&Pesq=curso%20normal%20regional. Acesso em: 14. fev. 2019.

MENNUCCI, Sud. A Crise Brasileira de Educação. 2. ed. São Paulo, SP: Piratininga, 2006.

MENNUCCI, Sud. O Professor Primário da Zonas Rurais: formação, aperfeiçoamento, remuneração e assistência. In: Anais[...] Oitavo Congresso Brasileiro de Educação, 1944. Goiânia, jun. 1942. Serviço Gráfico do IBGE, Rio de Janeiro. 1944. p. 289-300.

NOSELLA, Paolo; BUFFA, Ester. Schola mater. A antiga escola Normal de São Carlos 1911-1933. São Carlos: Ed. Universidade Federal de São Carlos/FAPESP, 1996.

PAIVA, Vanilda Pereira. Educação popular e educação de adultos. São Paulo: Edições Loyola, 1983.

PRADO, Fernanda Batista do. Entre o Oratório e a Profissão: formação de professoras na Escola Normal Rural Nossa Senhora Auxiliadora em Porto Velho/RO (1930-1946). Orientadora: Nilce Vieira Campos Ferreira. 2017. 157f. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2017. Disponível em: http://ri.ufmt.br/handle/1/1998. Acesso em: jan. 2020.

RAGO, Maragreth. As mulheres na historiografia brasileira. In: LOPES, Zélia Silva. Cultura Histórica em debate. Cultura Histórica em Debate. São Paulo: UNESP, 1995. p. 81-91.

RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Tradução: Alain François et. al. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2007.

TERRITÓRIO FEDERAL DO GUAPORÉ. Regimento Interno do Curso Normal Regional Carmela Dutra. Divisão de Educação. Arquivo Histórico do INEP, 1948.

TROTTA, Frederico. Auxílio para o Curso Normal Regional. Território Federal do Guaporé. Arquivo Histórico do INEP, n. 12-39, pasta 4, 1947.

TROTTA, Laudimia. C.N.R Carmela Dutra: descrição do prédio onde funciona provisoriamente o C.N.R e de suas instalações didáticas. Divisão de Educação do Território Federal do Guaporé. 1949. p. 1-2.

TROTTA, Laudimia. O Guaporé. Território Federal do Guaporé, Arquivo Histórico do INEP, ano I, n. 29, p. 1, 24 fev. 1948.

TROTTA, Laudimia. Ofício nº 128/DE. Diretoria da Divisão de Educação do Território Federal do Guaporé. Arquivo Histórico do INEP.

VARGAS, Getúlio. O destino brasileiro do Amazonas. Discurso pronunciado no “Ideal Club” de Manaus, agradecendo o banquete oferecido pelo interventor e pelas classes conservadoras do Estado. Manaus, AM, 9 out. 1940. Disponível em: http://www.biblioteca.presidencia.gov.br/presidencia/expresidentes/getuliovargas/discursos/1940/31.pdf. Acesso em: 28 abr. 2019.

VILLELA, Heloisa de Oliveira Santos. O mestre-Escola e a Professora. In: LOPES, Eliane Marta Teixeira; FARIA FILHO, Luciano Mendes; VEIGA, Cynthia Greive (org.). 500 anos de Educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. p. 95-133.

Publicado

20/02/2020

Como Citar

DE SOUZA, C. O.; FERREIRA, N. V. C. Formação de professoras normalistas rurais nos longínquos rincões do território federal do Guaporé, ao norte do Brasil, em Porto Velho/RO (1947 -1951). Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 15, n. 2, p. 492–507, 2020. DOI: 10.21723/riaee.v15i2.12596. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/12596. Acesso em: 21 abr. 2021.

Edição

Seção

Artigos