Letramento de surdos universitários no Brasil: o bilinguismo em questão

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v16i2.13118

Palavras-chave:

Surdos. Universitários. Letramento. Capital cultural. Permanência.

Resumo

O acesso à Educação Superior (ES) no Brasil expandiu-se considerando as modificações ocorridas com as políticas inclusivas, bem como às voltadas especificamente para os surdos. Assim, há de se considerar que os surdos, que atualmente, frequentam o ES trazem o legado das práticas pedagógicas que foram submetidos na Educação Básica, bem como o capital cultural “transmitido”. Nesse sentido, o objetivo deste estudo é compreender as condições de letramento do surdo universitário, relacionando-as a sua inserção na cultura escrita e as implicações para a permanência na universidade. É uma pesquisa qualitativa, tratando-se de um estudo de caso de dois estudantes surdos de uma universidade pública do sul do país. A leitura e a escrita dos gêneros acadêmicos são realizadas geralmente na universidade, pois a produção desses gêneros é inerente à instituição universitária. Sob uma perspectiva bakhtiniana, discute-se a apropriação de gêneros secundários na esfera do conhecimento em que são constituídos: na universidade. Conclui-se que o fato dos sujeitos não dominarem de forma proficiente a Língua Portuguesa na modalidade escrita (L2) não interferiu a permanência e o sucesso acadêmico dos surdos envolvidos nessa pesquisa quando imersos a um contexto educativo universitário em que a Libras é priorizada. Essa falta de domínio não impediu o ingresso na ES, em nível de graduação e, posteriormente, na pós-graduação e de apresentarem desempenho acadêmico compatível com a complexidade exigida em tais níveis de educação, muito embora as práticas de letramento dos sujeitos e a transmissão de capital cultural tenham se revelado um diferencial nesse processo para o domínio da L2.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline Olin Goulart Darde, Universidade Federal de Santa Catarina

icenciada em Educação Especial pela UFSM; bacharel em Fonoaudiologia pela UFSC; mestra e doutoranda em Linguística pelo Programa de Pós-graduação em Linguística da UFSC. Docente de Educação Especial do Colégio de Aplicação da UFSC. CED/UFSC. 

Ana Paula de Oliveira Santana, Universidade Federal de Santa Catarina

Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis – SC – Brasil. Professora Associada no Curso de Fonoaudiologia e no Programa de Pós-graduação em Linguística. Doutorado em Linguística (UNICAMP).

Referências

BAKHTIN, M. M. Estética da criação verbal. Trad. Paulo Bezerra. 6. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2015 [1979].

BOTELHO, P. Surdos Oralizados e identidades surdas. In: SKLIAR, C. (Org.). Atualidade da educação bilíngue para surdos: interfaces entre pedagogia e Linguística. Porto Alegre: Editora Mediação, 2016. cap. 11, p. 151-168.

BOURDIEU, P. (Org). A miséria do mundo. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001.

BOURDIEU, P. Escritos de educação. Petrópolis: Vozes, 1998.

BOURDIEU, P. Homo academicus. Trad. Ione Ribeiro Valle; Nilton Valle. Rev. Téc. Maria Tereza de Queiroz Piacentini. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2011.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. 5. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

BOURDIEU, P.; PASSERON, J. Os herdeiros: os estudantes e a cultura. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2014[1964].

BRASIL. Lei n. 13.146, de 06 de julho de 2015. Institui A Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa Com Deficiência: (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Brasília, DF, 07 jul. 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/Lei/L13146.htm. Acesso em: 25 nov. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Decreto n. 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei n. 10.436, de 24 de abril de 2002, Que Dispõe Sobre A Língua Brasileira de Sinais - Libras, e O Art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Brasília, DF: MEC, 23 dez. 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm. Acesso em: 14 out. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei n. 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe Sobre A Língua Brasileira de Sinais - Libras e Dá Outras Providências. Brasília, DF: MEC, 25 abr. 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm. Acesso em: 07 dez. 2017.

DAROQUE, S.; PADILHA, A. M. Alunos surdos no ensino superior: uma discussão necessária. Piracicaba: Comunicações, 2012.

ESDRAS, D.; GALASSO, B. Panorama da Educação de surdos no Brasil ensino superior. Rio de Janeiro: Instituto Nacional de Educação de Surdos, 2017.

FISCHER, A. A construção de letramentos na esfera acadêmica. 2007. 341 f. Tese (Doutorado) – Centro de Comunicação e Expressão, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2007. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/89764. Acesso em: 23 out. 2019.

GOLDFELD, M. A criança surda: linguagem e cognição numa perspectiva sociointeracionista. 2. ed. São Paulo: Plexus, 2002.

GUARINELLO, A. C. et al. Surdez e letramento: pesquisa com surdos universitários de Curitiba e Florianópolis. Marília: Bras. Ed. Esp., 2009.

INAF. INSTITUTO PAULO MONTENEGRO (Org.). Indicador de alfabetismo funcional: Estudo especial sobre alfabetismo e mundo do trabalho. São Paulo, 2016.

LAHIRE, B. Sucesso escolar nos meios populares. São Paulo: Editora Ática, 1997.

LODI, A. C. B. Plurilingüismo e surdez: uma leitura bakhtiniana da história da educação dos surdos. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 409-424, 2005.

MATTOS, A. A hipótese universal e a aquisição da 2ª língua. Rev. Est. Ling., Belo Horizonte, 2000.

PEREIRA, M. C. Leitura, escrita e surdez. CENP/CAPE. São Paulo: FDE, 2009.

PERLIN, G. Alternativas metodológicas para o aluno surdo. Santa Maria: UFSM, 2006.

QUADROS, R. Ideias para ensinar português para surdos. Brasília: MEC, SEESP, 2006.

ROJO, R. Letramento e capacidade de leitura para a cidadania. São Paulo: SEE/CENEP, 2004.

SANTANA, A. P. A Edição de Livros em Língua de Sinais no Brasil e na França: implicações para o acesso do surdo à cultura escrita. Revista Portuguesa de História do Livro, v. 37-38, p. 311-344, 2016.

SANTANA, A. P. Surdez e linguagem: aspectos e implicações neurolinguisticas. São Paulo: Plexus, 2013.

SANTANA, A. P.; CARNEIRO, M. S. C. O Processo de Avaliação da Aprendizagem do Surdo no Contexto da Escola Regular. In: GIROTO, C. R. M.; MARTINS, S. E. S. O.; BERBRIAN, A. P. (Org.). Surdez e educação inclusiva. São Paulo: Cultura Acadêmica; Marília: Oficina Universitária, 2012. Disponível em: https://www.marilia.unesp.br/Home/Publicacoes/af-v7_obraindividual_giroto_martins_berberian_2012-pcg.pdf. Acesso em: 23 out. 2019.

SANTANA, A. P.; STOLSKY, M. Atuação fonoaudiológica na educação. In: MARCHESAN, I. Q.; SILVA, H. J.; TOMÉ, M. C. (Org.). Tratado das especialidades em fonoaudiologia. 1. ed. São Paulo: Pylar, 2014. p. 488-496.

SETTON, M. Um novo capital cultural: predisposições e disposições à cultura informal nos segmentos com baixa escolaridade. Educ. Soc., Campinas, v. 26, n. 90, p. 77-105, 2005. ISSN 1678-4626. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-73302005000100004

Downloads

Publicado

01/02/2021

Como Citar

DARDE, A. O. G.; SANTANA, A. P. de O. Letramento de surdos universitários no Brasil: o bilinguismo em questão. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 16, n. 2, p. 761–782, 2021. DOI: 10.21723/riaee.v16i2.13118. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/13118. Acesso em: 12 abr. 2021.