Universidades: surgimento, nacionalização e indicadores de internacionalização

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v16i1.13354

Palavras-chave:

Internacionalização, Educação superior, Experiências interinstitucionais.

Resumo

O presente artigo inicia apresentando a trajetória das Universidades desde o surgimento no período medieval, com a criação de uma comunidade de scolares; passando pelo fenômeno da nacionalização, com a consequente perda do seu caráter inicial influenciado pelas escolas de ofício e posteriormente pela ordem eclesiástica e imperial; abordando nesse bojo o processo de estatização a partir da revolução francesa. A universidade brasileira, fortemente influenciada até a década de 1970 pelo modelo europeu, foi impactada pelas premissas das reformas educacionais e objetivos delineados para uma estrutura integradora entre ensino e pesquisa, que ocorreu de forma mais efetiva a partir da década de 1980, são apresentados juntamente com as iniciativas de internacionalização da universidade. Por último, são elencadas as estratégias para o desenvolvimento de um projeto de internacionalização das universidades brasileiras no século XXI sob a premissa de que para conceber a cooperação internacional, como parte integrante das missões institucionais, cabe às universidades a criação de mecanismos e estruturas apropriadas para promover a internacionalização como um dos pressupostos indicativos desse direcionamento.

Biografia do Autor

Iracema Campos Cusati, Universidade de Pernambuco (UPE)

Doutora em educação pela Universidade de São Paulo (USP)

Luciano José Vianna, Universidade de Pernambuco (UPE)

Doutor em História Medieval pela Universitat Autònoma de Barcelona (UAB)

Doutor em História Medieval pela Universitat Autònoma de Barcelona (UAB)

Paulo César Marques de Andrade Santos, Doutor em educação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA)

Universidade de Pernambuco (UPE)

Rita di Cássia de Oliveira Angelo, Universidade de Pernambuco (UPE)

Doutora em Neurociências pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

Antonio Carrillo Avelar, Universidad Federal de Goiás

Pós-doutor em Educação pela Universidade de São Paulo – Brasil. Doutor em Ciências Antropológicas pela Universidade Autônoma Metropolitana (México). Professor e investigador do Programa de Posgrado de la Universidad Pedagógica Nacional y profesor del Programa de Posgrado en Pedagogía de la UNAM y profesor invitado del Programa de Pos-graduación Interdisciplinar en Derechos Humanos, de la Universidad Federal de Goiás, Brasil.

Referências

AVELAR, Antonio Carrillo; ROA, Andrea Olmos; CUSATI, Iracema Campos. Articulações entre educação intercultural e práticas de internacionalização entre México e Brasil. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. 3, p. 1182-1204, jul./set., 2019. e-ISSN: 1982-5587. DOI: 10.21723/riaee.v1.4i3.12486

BASCHET, Jérôme. A civilização feudal. Do ano mil à colonização da América. Rio de Janeiro: Globo, 2006.

BRUNNER. J. Joaquín, Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v.22, n. 82, p. 11-30, jan./mar. 2014.

CASTAÑEDA, J. A. S. Alrededor de la idea de formación. En C Salinas (coord.), La investigación educativa en México. México. V Congreso Nacional Educativa. COMIE-UPN, 2001.

DIDRIKSSON, Axel. La universidad de la innovación. México. CESU/UNAM, 2015.

DUBRETON, J. Lucas-. La France de Napoléon. Paris: Librairie Jules Tallandier, 1981.

FALLON, D. The German University: a heroic ideal in conflict with the modern world. Boulder, Colorado: Colorado Associated University Press, 1983.

GENET, Jean-Philippe. Estado. In: Dicionário Temático do Ocidente Medieval. V. 1. São Paulo: Edusc, 2002, p. 397-409.

HUMBOLDT, Wilhelm von. Sobre a organização interna e externa das instituições científicas superiores em Berlim. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1997.

LE GOFF, Jacques. Os intelectuais na Idade Média. Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 2003.

NUNES, Rui Afonso da Costa. História da Educação na Idade Média. Campinas: Kirion, 2018.

PARASKEVA, João. Nova teoria curricular. Portugal: Edições Pedago, Lda, 2011.

SANTOS, P.C.M.A. Politiques publiques de mobilité académique internationale: une étude exploratoire du quotidien d´étudiants brésiliens dansla ville de Lyon – France. 2014. 336 fls. Tese (Doutorado em Educação).

STALLIVIERI, Luciane. Guia de Orientações para Alunos e Professores Participantes de Programas de Intercâmbios Internacionais. Caxias do Sul: Gráfica da UCS, 2001.

VERGER, Jacques. Cultura, ensino e sociedade no ocidente nos séculos XII e XIII. Bauru: EDUSC, 2001.

VERGER, Jacques. Homens e saber na Idade Média. Bauru: Edusc, 1999.

VERGER, Jacques. Universidade. In: Dicionário Temático do Ocidente Medieval. V. 2. São Paulo: Edusc, 2002, p. 573-587.

VERWOERD, Hendrik Frensch. Bantoe-onderwys: Beleidsbepaling vir die onmiddelike toekoms. Verklaring. Deur dr H.F. Verwoerd, Minister van Naturellesake, in die Senaat van die Parlement van die Unie van Suid-Afrika, 7 Junie 1954. Pretoria: Staatsdrukker.

Publicado

02/01/2021

Como Citar

Cusati, I. C., Vianna, L. J., Santos, P. C. M. de A., Angelo, R. di C. de O., & Avelar, A. C. (2021). Universidades: surgimento, nacionalização e indicadores de internacionalização. Revista Ibero-Americana De Estudos Em Educação, 16(1). https://doi.org/10.21723/riaee.v16i1.13354