Ensino superior: entre docências e violências

Mônica Pereira dos Santos, Sandra Cordeiro de Melo, Mylene Cristina Santiago

Resumo


Com base em dados da Comissão de Direitos Humanos e Combate às Violências e da Diretoria de Acessibilidade da Universidade Federal do Rio de Janeiro e nos dados da Diretoria de Ações Afirmativas e Diretoria de Imagem Institucional da Universidade Federal de Juiz de Fora, este artigo tem por objetivo analisar e discutir as violências nas relações entre professores e alunos na perspectiva omnilética (SANTOS, 2013). Partimos de uma revisão de literatura sobre o tema geral da violência em sala de aula no ensino superior e, na sequência, por meio da metodologia de estudo de caso (YIN, 2010), analisamos duas ocorrências nos anos de 2015 e 2017 na UFRJ e na UFJF, respectivamente. Os resultados apontam para a urgência da promoção de propostas balizadoras de culturas, práticas e políticas institucionais de combate às violências nas instituições investigadas.

Palavras-chave


Ensino superior; Inclusão em educação; Violências; Perspectiva omnilética.

Texto completo:

PDF/A PDF/A (English)

Referências


BANDEIRA, Lourdes Maria. Trotes, assédios e violência sexual nos campi universitários no Brasil. Revista Gênero, v. 17, n. 2, 2017.

BOOTH, Tony; AINSCOW, Mel. Index para a Inclusão: desenvolvendo a aprendizagem e a participação nas escolas. Bristol: CSIE, 2011.

BRASIL/MEC/INEP. Ações Discriminatórias no Âmbito Escolar. Projeto de estudo sobre ações discriminatórias no âmbito escolar, organizadas de acordo com áreas temáticas, a saber, étnico racial, gênero, orientação sexual, geracional, territorial, de necessidades especiais e socioeconômica. Brasília. 2009. Disponível em: Acesso: 23 Jul. 2019.

BRASIL/Presidência da República. Lei nº 13.185, de 6 de novembro de 2015. Institui o Programa de Combate à Intimidação Sistemática (Bullying). Brasília: 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13185.htm. Acesso: 23Jul. 2019.

CALDEIRA, S. N. et al. Estudantes do ensino superior, praxe académica e satisfação com a vida. Configurações. Revista de sociologia, n. 16, p. 97-112, 2015.

FERNÁNDEZ, J. Manuel. La noción de violencia simbólica en la obra de Pierre Bourdieu: una aproximación crítica. Cuadernos de Trabajo Social. Vol. 18, p. 7-31, 2005. Disponível em: http://biblioteca.ues.edu.sv/revistas/10800248.1.pdf Acesso em 23 de jul. 2019.

FONSECA, K. B. C. et al. Incidência do Bullying nos Cursos de Administração e Ciências Contábeis. Psicologia Escolar e Educacional, v. 21, n. 1, p. 79-92, 2017.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

GADELHA, M. do S. V. et al. Bullying nas Instituições de Ensino Superior: Revisão Sistemática/Bullying in Higher Education Institutions: Systematic Review. Revista Multidisciplinar e de Psicologia, v. 13, n. 44, p. 357-373, 2019.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002, 4a Ed.

GOMES, G. Microagressões no ensino superior nas vias da educação matemática. Revista Latinoamericana de Etnomatemática: Perspectivas Socioculturales de la Educación Matemática, v. 9, n. 3, p. 44-76, 2016.

MATEUS, G. A. P.; PINGOELLO, I. Ocorrência de bullying no ensino superior. Revista Uningá Review, [S.l.], v. 22, n. 3, jan. 2018. ISSN 2178-2571. Disponível em: . Acesso em: 21 jul. 2019.

MORIN, E. Introdução ao Pensamento Complexo. Porto Alegre: Sulina, 2011.

MOSCARDINI, G. Professor é acusado de agredir aluno. https://bandrio.band.uol.com.br/noticias/100000753210/durante-uma-reuniao-professor-agride-aluno-.html.html.html.html. Acesso 30 de set. 2019

MOURA, D.R., et al. Prevalência e características de escolares vítimas de bullying. J. Pediatr. (Rio J.), Porto Alegre. 2011; 87(1). Disponível em: . Acesso em: 23 Jul. 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572011000100004.

SANTOS, M. P. Dialogando sobre inclusão em educação: contando casos (e descasos). Curitiba: CRV, 2013.

SILVA, R. B. A Prática do Bullying nas Instituições de Nível Superior: um estudo no Distrito Federal. Projeção, Direito e Sociedade, v. 9, n. 1, p. 150-158, 2018.

SOUZA, C. D. Diagnóstico do enfrentamento ao assédio moral em uma instituição federal de ensino superior. 2018. Dissertação de Mestrado. Brasil.

UFJF. Conheça como funciona a Ouvidoria Geral da UFJF. Disponível em: https://www2.ufjf.br/noticias/2017/08/16/conheca-como-funciona-a-ouvidoria-geral-da-ufjf/ Acesso 30 de set. 2019.

UFJF. UFJF nega recurso e demite professor acusado de assédio e agressão. Disponível em: http://g1.globo.com/mg/zona-da-mata/noticia/2017/02/ufjf-nega-recurso-e-demite-professor-acusado-de-assedio-e-agressao.html Acesso 30 de set. 2019.

UNESCO. A Guide to Human Rights: institutions standards, procedures. 2003.

YIN, R. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2010, 4a Ed.




DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v15iesp2.13799



Direitos autorais 2020 Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação

 

Rev. Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1982-5587

DOI Prefix: 10.21723/riaee

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.