Reserva de vagas em universidades públicas estaduais: implicações para a docência universitária

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v15iesp2.13828

Palavras-chave:

Reserva de vagas, Prática docente, Ensino superior, Desigualdade social, Inclusão acadêmica.

Resumo

Objetivando analisar a articulação entre a reserva de vagas de duas instituições públicas de ensino superior e a docência universitária para práticas pedagógicas que visem combater a desigualdade racial, social e cultural, esse artigo tem como premissa a equidade de oportunidades. Para tanto, busca articular as ideias teóricas de Mantoan (2013), Rodrigues e Garzón (2012), Pimenta e Anastasiou (2005), Booth e Ainscow (2002), Sawaia (2014) na constituição dos saberes dos professores para o ensino com inclusão; bem como na emergente necessidade de superação de paradigmas de reprodução, tanto das práticas docentes quanto dos processos de formação desses professores. As questões de pesquisa giram em torno de: Como as diferentes concepções de inclusão dialogam no processo de formação de professores e de ensino-aprendizagem destes professores em relação ao combate da desigualdade racial, social e cultural? Que evidências o campo da docência universitária de duas instituições de ensino superior diz sobre as experiências das reservas de vagas, que caminham para redução das desigualdades entre estudantes beneficiados por políticas de ações afirmativas? Tem como método a análise de conteúdo de fontes documentais que normatizam as cotas na Universidade, sendo lócus da pesquisa: Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA), Sobral, CE e Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro, RJ. Evidencia que a institucionalização da política de ação afirmativa (cotas sociais) na UVA e UERJ tem ampliado o acesso de graduandos oriundos de escolas públicas, inclusive, em cursos de perfil historicamente elitizado.

Biografia do Autor

Ana Cristina Silva Soares, Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA), Sobral – CE

Docente Adjunto I. Curso Pedagogia.

Valéria de Oliveira, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro – RJ

Docente Assistente. Faculdade de Educação e Instituto Fernando Rodrigues da Silveira - CAP-UERJ.

Referências

AINSCOW, M. Tornar a educação inclusiva: como essa tarefa deve ser conceituada? In:

FAVERO, O. (org.). Tornar a educação inclusiva. Brasília: UNESCO, 2009.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2009.

BOOTH, T.; AINSCOW, M. Index para a inclusão: desenvolvendo a aprendizagem e a participação na escola. Produzido pelo Laboratório de Pesquisa, Estudos e Apoio à Participação e à Diversidade em Educação – LaPEADE, FE-UFRJ. Tradução de Mônica Pereira dos Santos. 3. ed. 3a Edição, substancialmente revisada e ampliada. Rio de Janeiro: Unesco/CSIE, 2000. Disponível em: http://www.lapeade.com.br/publicacoes/documentos/index2012-final%20FOTOS%20BRASIL.pdf . Acesso em: 7 jun. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria n. 948/2007. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, 2008.

_______. Lei de n. 9394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. 1996. Disponível em: <http://www2.camara.gov.br>. Acesso em: 21 jan. 2010.

_______. Lei n. 13.146, de 6 de jul. de 2015. Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. 2015. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13146.htm>. Acesso em: 24 Abr. 2017.

BUENO, J. G. S. Crianças com necessidades educativas especiais, política educacional e a formação de professores: generalistas ou especialistas? Revista Brasileira de Educação Especial, n.º5, p. 7- 23, set. 1999.

CEARÁ. Lei n. 16.197, 17de janeiro de 2017. Dispõe sobre a instituição do Sistema de Cotas nas Instituições de Ensino Superior do Estado do Ceará. Diário Oficial do Estado. Série 3, Fortaleza, ano 9, n.013, p.1, 18 jan. 2017.

CHAUÍ, M. Escritos sobre a universidade. São Paulo: UNESP, 2001.

FRANCO, M. A. S. Prática pedagógica e docência: um olhar a partir da epistemologia do conceito. Rev. Bras. Estudos Pedagógicos, v. 97, n. 247, p.534-551, set-dez. 2016.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Censo Educacional, 2015. Disponível em: <http://www.inep.gov.br/ basica/censo/default.asp>. Acesso em: 16 jul. 2019.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Resumo técnico: Censo da Educação Superior 2015. 2. ed. – Brasília:

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2018.

LIBÂNEO, J. C. Educação, Pedagogia e Didática: o campo investigativo da pedagogia e didática no Brasil. In: PIMENTA, S. G. (org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e Portugal. São Paulo. Cortez Editora, 2000.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas.

São Paulo: EPU, 1986.

KARAGIANNIS, A.; STAINBACK, W.; STAINBACK, S. Fundamentos do Ensino Inclusivo. In: STAINBACK, S.; STAINBACK, W. Inclusão: um guia para educadores. Porto Alegre: Artmed, 1999. p. 35-47.

MANTOAN, M. T. E. O desafio das diferenças nas escolas. 5. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

MITTLER, P. Educação inclusiva: contextos sociais. Porto Alegre: Artmed, 2003.

MOURA, M. R. S; TAMBORIL, M. I. B. “Não é assim de graça!”: Lei de Cotas e o desafio da diferença. Psicol. Esc. Educ., Maringá, v. 22, n. 3, p. 593-601, dez. 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-85572018000300593&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 20 out. 2019.

OMOTE, S. et al. Mudança de atitudes sociais em relação à inclusão. Revista Paidéia, n° 15, volume 32, p. 387-398, 2005. Disponível em: http://sites.ffclrp.usp.br/paideia/artigos/32/07.htm. Acesso em 03 Jun. 2019.

PACHECO, J. et al. Caminhos para a inclusão: um guia para o aprimoramento da equipe escolar. Porto Alegre: Artmed, 2007.

PARRA, D. J. L.; INFANTE, G. R. Consideraciones en la Intervención Psicopedagógica en el alumnado universitario con discapacidad. Revista La Escuela Universitária de Magistério de Toledo. Toledo, Espanha, nº 16, ano 31, jan-dez, 2006.

PIMENTA, S. G.; ANASTASIOU, L. G. Docência no Ensino Superior. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

RODRIGUEZ, J. G.; GARZÓN, J. C. Cooperação escola-universidade e construção do currículo. In: GARCIA, R. L.; MOREIRA, A. F. B. (org.) Currículo na contemporaneidade: incertezas e desafios. São Paulo, Cortez, 2012.

RIO DE JANEIRO. Lei n. 5074, de 17 de julho de 2007. Disponível em: https://gov-rj.jusbrasil.com.br/legislacao/87904/lei-5074-07. Acesso em: 03 Ago. 2019.

RIO DE JANEIRO. Lei n. 5346, de 11 de dezembro de 2008. Lei sobre o novo sistema de cotas para ingresso nas universidades estaduais. Disponível em: https://gov-rj.jusbrasil.com.br/legislacao/87636/lei-5346-08. Acesso em: 03 Ago. 2019.

SAWAIA, B. et al. As artimanhas da exclusão: análise psicossocial e ética da desigualdade social. 14. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

Publicado

26/06/2020

Como Citar

SOARES, A. C. S.; OLIVEIRA, V. de. Reserva de vagas em universidades públicas estaduais: implicações para a docência universitária. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 15, n. esp2, p. 1553–1568, 2020. DOI: 10.21723/riaee.v15iesp2.13828. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/13828. Acesso em: 4 mar. 2021.