Representações Sociais Docentes acerca dos conceitos de Deficiência e Tecnologia Assistiva

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v16iesp.4.16067

Palavras-chave:

Teoria das representações sociais, Deficiência, Tecnologia assistiva, Professores

Resumo

Investigou-se, com base na Teoria das Representações Sociais (TRS), os tipos de deficiências declaradas pelos alunos do IFRS campus Caxias do Sul e os tipos de Tecnologia Assistiva (TA) disponibilizadas pela instituição. Esta pesquisa entrevistou oito professores e analisou suas narrativas, enquanto representações sociais, sobre Deficiência e TA. Além disso, 36 fichas de matrícula foram analisadas, revelando 16 tipos de deficiências. Assim, como 43 tipos de TA foram catalogadas na instituição. Então, a partir da TRS e da Análise de Conteúdo, constatou-se que os professores foram consensuais ao atribuir ao conceito de deficiência relação ao Modelo Médico e não ao Pós-Social. Pouca menção à utilização das TA foi constatada, porém os professores conheciam a relação dessas com as deficiências.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tatiele Bolson Moro, Universidade de Caxias do Sul (UCS), Caxias do Sul – RS

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Educação.

Ygor Correa, Universidade de Caxias do Sul (UCS), Caxias do Sul – RS

Professor no curso de Graduação em Pedagogia. Doutorado em Informática na Educação (UFRGS).

Valdinei Marcolla, Instituto Federal Catarinense (IFC), Videira – SC

Professor EBTT. Doutorado em Educação (UFPEL).

Cristiane Backes Welter, Universidade de Caxias do Sul (UCS), Caxias do Sul – RS

Coordenadora e Professora do Curso de Pedagogia. Doutorado em Educação (UNISINOS).

Referências

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70. 2011.

BISOL, C. A.; PEGORINI, N. N.; VALENTINI, C. B. Pensar a deficiência a partir dos modelos médico, social e pós-social. Cadernos de Pesquisa, São Luís, v. 24, n. 1, p.87-100, jan. 2017. Trimestral. Disponível em: https://rb.gy/ythu45. Acesso em: 04 mar. 2020.

BISOL, C. A. et al. Desafios para a inclusão de estudantes com deficiência física: uma revisão de literatura. Conjectura Filosofia e Educação, v. 23, n. 3, p. 601-619, set. 2018. Universidade Caxias do Sul. Disponível em: https://rb.gy/g2cqbs. Acesso em: 29 fev. 2020.

BRASIL. Constituição (2000). Lei n. 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Normas Gerais e Critérios Básicos Para A Promoção da Acessibilidade das Pessoas Portadoras de Deficiência Ou Com Mobilidade Reduzida, e Dá Outras Providências. Brasília, DF, 19 dez. 2000. Disponível em: https://rb.gy/6jcjxe. Acesso em: 04 mar. 2020.

BRASIL. Palácio do Planalto. Decreto n. 5.296, de 2 de dezembro de 2004. Regulamenta as Leis nº 10.048, de 8 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Brasília, 2004. Disponível em: https://rb.gy/x8pwvk. Acesso em: 06 jul. 2019

BRASIL. Cartilha do Censo 2010. Pessoas com Deficiência / Luiza Maria Borges Oliveira; Brasília, DF: SDH-PR/SNPD, 2010, 32 p. Disponível em: https://rb.gy/qwrczp. Acesso em 04 mar. 2020

BRASIL. Constituição (2015). Lei n. 13.146, de 06 de julho de 2015. Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa Com Deficiência (estatuto da Pessoa Com Deficiência). Brasília, DF, 06 jul. 2015. Disponível em: https://rb.gy/vglkkj. Acesso em: 04 mar. 2020.

BRASIL. Constituição (2016). Lei n. 13.409, de 28 de dezembro de 2016. Reserva de Vagas Para Pessoas Com Deficiência nos Cursos Técnico de Nível Médio e Superior das Instituições Federais de Ensino. Brasília, DF, 28 dez. 2016. Disponível em: https://rb.gy/ekpok6. Acesso em: 02 jul. 2019.

BERSCH, R. Introdução a Tecnologia Assistiva. 2017. Disponível em: https://rb.gy/1bwt1h. Acesso em: 15 fev. 2020.

BARWALDT, R.; SANTAROSA, L. M. C.; PASSERINO, L. M. Uma ferramenta de autoria síncrona acessível para cegos: um estudo de caso no curso PROINESP. Renote, Porto Alegre, v. 6, n. 1, p.1-10, dez. 2008. Disponível em: https://rb.gy/mqp4gp. Acesso em: 29 fev. 2020.

CARVALHO, R. E. Educação Inclusiva: com os pingos nos "is". 11. ed. Porto Alegre: Mediação, 2016. 174 p.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CAMPOS, P. H. F. O estudo da ancoragem das Representações Sociais e o campo da Educação. Revista de Educação Pública, Cuiabá, v. 26, n. 63, p.775-797, set. 2017.

CAT, Subsecretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência. Comitê de Ajudas Técnicas. Tecnologia Assistiva. Brasília, DF: CORDE, 2009.

CORRÊA, Y.; GOMES, R. P.; RIBEIRO, V. G. Aplicativos de Tradução Português-Libras na Educação Bilíngue de Surdos: tradução por meio de sinais ou datilologia? Renote, v. 16, n. 1, p.1-10, 21 ago. 2018. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Disponível em: https://rb.gy/ctfy15. Acesso em: 15 fev. 2020.

CORRÊA, Y. et al. Tecnologia Assistiva: a inserção de aplicativos de tradução na promoção de uma melhor comunicação entre surdos e ouvintes. Informática na Educação: Teoria & Prática, Porto Alegre, v. 1, n. 12, p.1-10, jul. 2014.

COOK, A. M.; HUSSEY, S. M. Assistive Technologies: Principles and Practices. St. Louis, Missouri. Mosby: Year Book, Inc., 1995.

DINIZ, D.; BARBOSA, L.; SANTOS, W. R. Deficiência, direitos humanos e justiça. Sur. Revista Internacional de Direitos Humanos, v. 6, n. 11, p. 64-77, dez. 2009. Disponível em: https://rb.gy/cmshoz. Acesso em: 05 maio 2019.

FERRADA, R. B. H.; SANTAROSA, L. M. C. Tecnologia assistiva como apoio à inclusão digital de pessoas com deficiência física. Porto Alegre, dez. 2009. p. 1-8. Disponível em: https://rb.gy/pgnovp. Acesso em: 29 fev. 2020.

FERREIRA, M. A. V. Discapacidad, globalidad y educación: ¿una nueva “política del cuerpo”? Revista Latinoamericana de Estudios Sobre Cuerpos, Emociones y Sociedad, Córdoba, v. 6, n. 3, p. 6-19, ago. 2011. Disponível em: https://rb.gy/4k7d2j. Acesso em: 05 maio 2019

IFRS. Projeto Pedagógico Institucional do IFRS. Bento Gonçalves, 2012. 67 p. Disponível em: https://rb.gy/2ktof9. Acesso em: 03 mar. 2020.

IFRS. Projeto Pedagógico Institucional do IFRS. Bento Gonçalves, 2012. 67 p. Disponível em: https://rb.gy/2ktof9. Acesso em: 03 mar. 2020.

JODELET, D. Representações Sociais: um domínio em expansão. In: JODELET, D. As representações sociais. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2001. p. 17-44.

JODELET, D. Representações sociais: um domínio em expansão. In: JODELET, D. (org.). As Representações sociais. Rio de Janeiro: Eduerj, 2002. p. 17-44.

JOVCHELOVITCH, S. Os Contextos do saber: representações, comunidade e cultura. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

MARTÍN, M. T.; CASTILLO, F. G. Cuerpos, capacidades, exigencias funcionales... y otros lechos de Procusto. Política y Sociedad, Madrid, v. 47, n. 1, p. 67-83, mar. 2010. Disponível em: https://rb.gy/4aigrv. Acesso em: 06 maio 2019.

MAZZOTTI, A. J. A. A abordagem estrutural das representações sociais. Psicologia da Educação, São Paulo, n. 14/15, p. 17-37, 2002.

MOSCOVICI, S. A Representações Sociais da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

SAMPIERI, R. H.; COLLADO, C. F.; LUCIO, M. P. B. Metodologia de pesquisa. 5. ed. Porto Alegre, RS: Penso, 2013. 624 p.

SONZA, A. P.; SALTON, B. P.; STRAPAZZON, J. A. (org.). O Uso Pedagógico dos Recursos de Tecnologia Assistiva. Bento Gonçalves, RS: Companhia Rio-grandense de Artes Gráficas, 2015. 224 p.

SONZA, A. P. et al. (org.). Acessibilidade e tecnologia assistiva: pensando a inclusão sociodigital de pessoas com necessidades especiais. Bento Gonçalves, RS, 2013. 370 p.

SONZA, A. P.; SANTAROSA L. M. C. Ambientes digitais virtuais: acessibilidade aos deficientes visuais. In: CICLO DE PALESTRAS SOBRE NOVAS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO, 1., 2003, Porto Alegre. Anais [...]. Porto Alegre, RS: CINTED-UFRGS, 2003. p. 1-11.

SOUSA, C. P. Estudos de representações sociais em educação. Psicologia da Educação, São Paulo, n. 14/15, p. 285-323, dez. 2002.

VALA, J. Representações sociais e psicologia social do conhecimento quotidiano. In: VALA, J.; MONTEIRO, M. B. (org.). Psicologia social. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2004. p. 457-501.

VIGOTSKI, L. S. A Formação Social da Mente. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1991. 168 p.

WARSCHAUER, M. Tecnologia e inclusão social: a exclusão digital em debate. São Paulo: Senac, 2006. 319 p.

Publicado

30/12/2021

Como Citar

MORO, T. B.; CORREA, Y.; MARCOLLA, V.; WELTER, C. B. Representações Sociais Docentes acerca dos conceitos de Deficiência e Tecnologia Assistiva. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 16, n. esp.4, p. 3049–3071, 2021. DOI: 10.21723/riaee.v16iesp.4.16067. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/16067. Acesso em: 27 fev. 2024.