A alfabetização Matemática e as práticas de numeramento na Comunidade Quilombola de São Félix: a pedagogia crítica e o currículo em ação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v15iesp3.14442

Palavras-chave:

Alfabetização matemática, Currículo, Numeramento, Educação quilombola, Pedagogia crítica

Resumo

Os saberes-fazeres matemáticos difundidos pelos moradores de comunidades quilombolas são contemplados nas práticas didático-pedagógicas, cotidianamente executadas em sala de aula? Como as diretrizes curriculares, que orientam os conteúdos escolares na Educação Básica, contemplam esses saberes? Essas questões, dentre outras, compõem uma pesquisa realizada de 2016 a 2018 em uma comunidade quilombola em Minas Gerais, apresentando, como objetivo principal, as práticas de Numeramento propostas aos estudantes em processo de alfabetização. Sob a luz de Paulo Freire e Ubiratan D’Ambrosio, a pesquisa adentra discussões marcadas pelas políticas públicas educacionais e a garantia de direitos que assegurem, aos estudantes pesquisados, a inclusão da diversidade nas práticas escolares, bem como uma educação de qualidade que prime pela manutenção e difusão da história e cultura local. Utilizando um aporte metodológico de caráter qualitativo, a pesquisa utiliza o círculo de cultura freireano como espaço de vivência dialógica, além de buscar reforço em instrumentos etnográficos, assegurando a fidedignidade das informações e dados coletados. Os resultados indicam a necessidade de práticas pedagógicas de resistência, com vista à revolução conceitual e práxis que, de fato, considerem a relação sujeito e objeto da aprendizagem.

Biografia do Autor

Denília Andrade Teixeira dos Santos, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG), Belo Horizonte – MG

Doutoranda em Educação.

Teodoro Adriano Costa Zanardi, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG), Belo Horizonte – MG

Professor Adjunto - Programa de Pós-graduação em Educação.

Referências

ANDRADE, M. C. G. As inter-relações entre iniciação matemática e alfabetização. In: LOPES, Celi Aparecida Espasandin. Escritas e leituras na educação matemática. Belo Horizonte: Autêntica, p. 143- 162, 2009.

BARRETO, L. C. D.; SHIMAZAKI, E. M. A formação de professores alfabetizadores para a educação inclusiva: um destaque ao pacto nacional pela alfabetização na idade certa. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. 1, p. 157-168, jan./mar., 2019. E-ISSN: 1982-5587. DOI: 10.21723/riaee.v14i1.11067

BRASIL. Constituição Federal do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Lei nº 9394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília. 1996. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares nacionais: matemática. Brasília: MEC/SEF,1997.

BRASIL. Decreto 7352 de 04 de novembro de 2010. Dispõe sobre a política de educação do campo e o Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária – PRONERA. Brasília. 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/marco-2012-pdf/10199-8-decreto-7352-de4-denovembro-de-2010/file.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Quilombola na Educação Básica. Resolução nº 8, de 20 de novembro de 2012.

BRASIL, Ministério da Educação, Secretaria da Educação Básica. Elementos conceituais e metodológicos para definição dos direitos de aprendizagem e desenvolvimento do ciclo de alfabetização (1º, 2º e 3º anos) do Ensino Fundamental. Brasília, 2012.

DEHEINZELIN, M. A fome com a vontade de comer: uma proposta curricular de educação infantil. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

D’AMBROSIO, U. Etnomatemática: elo entre as tradições e a modernidade. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009.

D’AMBROSIO, U. Educação Matemática: da teoria à prática. Campinas, SP: Papirus, 1996.

DANYLUK, O. S. Alfabetização Matemática: o cotidiano da vida. Passo Fundo, Gráfica e Editora UFP, 2015- 5ª ed.

DIAS, C. H. O.; ROSSETTI, R.; ROMEIRO, M. C. Educação de jovens e adultos na comunidade Quilombola do Cafundó. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 13, n. 4, p. 1568-1579, out./dez., 2018. E-ISSN: 1982-5587. DOI: 10.21723/riaee.unesp.v13.n4.out/dez.2018.8845

FONSECA, M. C. F. R. Numeramento. In: FRADE, I. C. A. S.; VAL, M. G. C.; BREGUNCI, M. G. C. (orgs). Glossário Ceale: termos de alfabetização, leitura e escrita para educadores. Belo Horizonte: UFMG/ Faculdade de educação, p. 235-236, 2014.

FREIRE, P. Professora sim, tia não: cartas a quem ousa ensinar. São Paulo: Olho D’agua, 1993.

FREIRE, P. Entrevista concedida a Ubiratan D’Ambrosio. 1996.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia. São Paulo, Paz e Terra, 1996.

MOCROSKY, L. F. et al. O professor que ensina matemática nos Anos Iniciais: uma abertura ao contínuo acontecer histórico. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. 1, p. 222-236, jan./mar., 2019. E-ISSN: 1982-5587. DOI: 10.21723/riaee.v14i1.10894

SKOVSMOSE, O.; ALRO, H. Diálogo e aprendizagem em Educação Matemática. Belo Horizonte, Autêntica, 2006.

Downloads

Publicado

30/10/2020

Como Citar

Santos, D. A. T. dos, & Zanardi, T. A. C. (2020). A alfabetização Matemática e as práticas de numeramento na Comunidade Quilombola de São Félix: a pedagogia crítica e o currículo em ação. Revista Ibero-Americana De Estudos Em Educação, 15(esp3), 2350–2368. https://doi.org/10.21723/riaee.v15iesp3.14442