Projeto EJA Interventiva: contribuições para as práticas e políticas curriculares inclusivas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v15iesp3.14451

Palavras-chave:

Educação de jovens e adultos, Educação especial, EJA interventiva

Resumo

A EJA Interventiva é uma interface da Educação de Jovens e Adultos e Educação Especial desenvolvida no Distrito Federal para atendimento de estudantes com deficiência intelectual e autismo em defasagem idade/ano. Este artigo apresenta uma pesquisa de abordagem qualitativa na modalidade de Estudo de Caso, que objetiva analisar na perspectiva da inclusão esse projeto que se tornou Diretriz Curricular. Os resultados revelaram que a EJA Interventiva se apresenta como um projeto inclusivo bem-sucedido ao possibilitar o acesso e a permanência na educação, a continuidade da escolarização e a inserção social de estudantes com deficiência intelectual e autismo, atendendo às finalidades reparadora, equalizadora e qualificadora colocadas para a Educação de Jovens e Adultos. Evidencia-se que projetos educacionais inclusivos articulados e desenvolvidos com a comunidade escolar podem orientar atos normativos. Aponta-se que para o avanço da experiência em andamento e da educação inclusiva pesa a possibilidade substitutiva do currículo tradicional com espaços e tempos padronizados, sinalizando para a importância de se pensar propostas curriculares construídas sob novas bases, abertas à diversidade.

Biografia do Autor

Vânia de Sousa Barbosa, Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal – Brasília – DF

Coordenadora da EJA Interventiva no Centro de Ensino Fundamental 01 de Planaltina – DF.

Elize Keller-Franco, Centro Universitário Adventista de São Paulo (UNASP), Engenheiro Coelho – SP

Professora permanente no Mestrado Profissional em Educação.

Referências

ANDRÉ, M. E. D. A. Estudo de Caso em Pesquisa e Avaliação Educacional. Brasília: Liber Livro Editora, Série Pesquisa, vol. 13, 2005.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Tradução de Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70, 2016.

BARBOSA, V. S. EJA INTERVENTIVA: de Projeto Inclusivo à Indução de Políticas Curriculares. Orientador: KELLER-FRANCO, Elize. Dissertação (Mestrado)- Engenheiro Coelho: Centro Universitário Adventista de São Paulo, Mestrado Profissional em Educação, UNASP-EC, 267 f., 2018.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394/96. Brasília, 2005. Disponível em: https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/70320/65.pdf. Acesso em: 12 ag. 2020.

BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, 2008. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf. Acesso em: 12 jun. 2020.

BRASÍLIA. Ministério da Educação e Cultura. Trabalhando com a Educação de Jovens e Adultos: alunas e alunos da EJA. Caderno 1. Brasília: MEC, 2006.

BRASÍLIA. Governo do Distrito Federal. Orientação Pedagógica da Educação Especial. Brasília, 2010.

BRASÍLIA. Governo do Distrito Federal. Projeto Piloto de Educação de Jovens e Adultos Interventivo – 2º Segmento. Brasília, 2011.

BRASÍLIA. Governo do Distrito Federal. Currículo em Movimento da Educação Básica - Educação de Jovens e Adultos. Brasília, 2014a.

BRASÍLIA. Governo do distrito Federal. Diretrizes Operacionais da Educação de Jovens e Adultos 2014/2017. Brasília, 2014b.

BRASÍLIA. Projeto Político-Pedagógico do CEF 01 de Planaltina – Versão 2016. Brasília, 2016.

BRASÍLIA. Projeto Político-Pedagógico do CEF 01 de Planaltina – Versão 2017. Brasília, 2017.

CAMPOS, J. A. P. P.; DUARTE, M. O aluno com deficiência na EJA: reflexões sobre o atendimento educacional especializado a partir do relato de uma professora da educação especial. Revista de Educação Especial, Santa Maria, v. 24, n. 40, p. 217-284, maio/ago, 2011. Disponível em: http://www.ufsm.br/revistaeducacaoespecial. Acesso em: 12 jun. 2020.

CARVALHO, R. E. A escola inclusiva como a que remove barreiras para a aprendizagem e para a participação de todos. In: GOMES, M. (Org.) Construindo as Trilhas para a Inclusão. 2ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

FANTACINI, R. A. F.; CAMPOS, J. A. P. P. Conclusão da escolaridade de alunos com deficiência intelectual matriculados na Educação de Jovens e Adultos. Revista de Educação PUC-Campinas. Campinas, v. 2, n. 22, p. 317-330, maio/ago. 2017. DOI: http://doi.org/10.24220/2318-0870v22n2a3610. Disponível em: http://seer.sis.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/reveducacao/article/view/3610. Acesso em: 12 jun. 2020.

FRIAS, E. M. A.; MENEZES, M. C. B. Inclusão Escolar do Aluno com Necessidades Educacionais Especiais: contribuições ao professor do Ensino Regular. PDE-SEED/PR, 2009. Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/1462-8.pdf. Acesso em: 15 ago. 2020.

LAFFIN, M. H. L. F. Reciprocidade e acolhimento na educação de jovens e adultos: ações intencionais na relação com o saber. Educar em Revista, Curitiba, Editora UFPR, v. 23, n. 29, p. 101-119, 2007. DOI: http://doi.org/10.1590/S0104-40602007000100008. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/er/n29/08.pdf. Acesso em: 12 jun. 2020.

PACHECO, J. Berços da desigualdade. In: GOMES, M. (Org.) Construindo as Trilhas para a Inclusão. 2ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

PARANÁ. Inclusão e Diversidade: Reflexões para a Construção do Projeto Político-Pedagógico. Governo do Estado do Paraná, Secretaria de Estado da Educação, Superintendência de Educação, Departamento de Educação Especial, 2010. Disponível em: www.gestaoescolar.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/sem_pedagogica/fev_2010/iclusao_diversidade.pdf. Acesso em: 12 jun. 2020.

STAINBACK, S.; STAINBACK, W. Inclusão: Um Guia para Educadores; tradução de Magda França Lopes. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

SEBASTIAN-HEREDERO, E.; ANACHE, A. A. A percepção docente sobre conceitos, políticas e práticas inclusivas. Estudo de caso no Brasil. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 15, n. esp. 1, p. 1018-1037, maio 2020. e-ISSN: 1982-5587. DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v15iesp.1.13514 Acesso em: 12 ag. 2020.

TRAVERSINI, C. S. Autoestima e alfabetização: o que há nessa relação? Cadernos de Pesquisa, v. 39, n. 137, maio/ago. 2009. Disponível em: http://www.scielo. br/pdf/cp/v39n137/v39n137a12.pdf. Acesso em: 12 ag. 2020.

Downloads

Publicado

30/10/2020

Como Citar

Barbosa, V. de S., & Keller-Franco, E. (2020). Projeto EJA Interventiva: contribuições para as práticas e políticas curriculares inclusivas. Revista Ibero-Americana De Estudos Em Educação, 15(esp3), 2446–2470. https://doi.org/10.21723/riaee.v15iesp3.14451