O discurso sobre a dislexia no DSM-5 e suas implicações no processo de medicalização da educação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v15iesp5.14564

Palavras-chave:

Dislexia, DSM-5, Medicalização, Diagnóstico

Resumo

A medicalização da infância e da adolescência se articula com a medicalização da educação com relação às “doenças do não aprender”. Nesse contexto, o diagnóstico da Dislexia é legitimado pelo DSM, Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, utilizado pelos profissionais da saúde. O objetivo deste artigo é analisar o modo como as classificações diagnósticas do DSM-5 faz efeito na medicalização do processo de apropriação da leitura. Os dados foram analisados a partir da Análise Dialógica do Discurso. Os resultados revelaram que o discurso médico, materializado no texto do DSM, implica diretamente na medicalização da educação. O DSM-5 apresenta uma versão da Dislexia que desconsidera a história e o contexto sociocultural no qual os estudantes ou adultos em circunstâncias não escolares, manifestam ou têm produzido sintomas na leitura. A ideologia na qual o documento se baseia se insere numa perspectiva biologizante, na qual os problemas específicos à aprendizagem do ler decorrem de desordens neurobiológicas e, portanto, podem ser medidos facilmente, por meio de medidas padronizadas. As consequências desse modo de olhar têm desdobramentos significativos que marcam a trajetória escolar e contribuem com a configuração de uma história que passa a ser marcada pela incapacidade de aprender.

Biografia do Autor

Elisabeth da Silva Eliassen, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis – SC

Doutoranda No Programa de Pós-graduação em Linguística.

Ana Paula de Oliveira Santana, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis – SC

Professora Associada no Curso de Fonoaudiologia e no Programa de Pós-graduação em Linguística. Doutorado em Linguística (UNICAMP).

Referências

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Diagnostic and statistical manual of mental disorders. 5. ed. Arlington, VA: American Psychiatric Association, 2013. (DSM-5)

ARAÚJO, A. C; NETO, F. N. A nova classificação americana para os transtornos mentais – o DSM-5. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, São Paulo, v. 16, n. 1, p. 67-82, 2014. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-55452014000100007. Acesso em: 29 fev. 2020.

AZEVEDO, L. J. C. Medicalização das infâncias: entre os cuidados e os medicamentos. Psicologia USP, São Paulo, v. 29, n. 3, p. 451-458, 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0103-65642018000300015&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 29 fev. 2020.

BAKHTIN, M. M. Questões de literatura e estética: a teoria do romance. 7. ed. São Paulo: Hucitec, 2014.

CAPONI, S. A propósito das classificações psiquiátricas: o DSM e suas classificações. Grandes temas do conhecimento - Psicologia, n. 23, p. 44-50, 2015. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/283120272_O_DSM_e_suas_dificuldades. Acesso em: 29 fev. 2020.

CAPONI, S. O DSM-V como dispositivo de segurança. Physis: Revista de Saúde Coletiva, v. 24, p. 741-763, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-73312014000300741&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 29 fev. 2020.

CHRISTOFARI, A. C; FREITAS, C. R; BAPTISTA, C. Medicalização dos modos de ser e de aprender. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 40, n. 4, p. 1079-1102, 2015. DOI: https://doi.org/10.1590/2175-623642057

DUNKER, C. Subjetivações e gestão dos riscos na atualidade: reflexões a partir do DSM-5. Revista Epos, v. 5, n. 1, p. 181-190, 2014. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2178-700X2014000100010 Acesso em: 29 fev. 2020;

DUNKER, C.; NETO, F. A crítica psicanalítica do DSM-IV - breve história do casamento psicopatológico entre psicanálise e psiquiatria. Rev. Latinoam. Psicopat. Fund., São Paulo, v. 14, n. 4, p. 611-626, 2011. DOI: https://doi.org/10.1590/S1415-47142011000400003

ELIASSEN, E. S. A discursivização do diagnóstico da Dislexia: da teoria à prática. Dissertação (Mestrado em Linguística). Florianópolis: Centro de comunicação e Expressão, Universidade Federal de Santa Catarina, 2018;

FOUCAULT, M. História da sexualidade I: A vontade de saber. Rio de Janeiro, RJ: Graal, 1977.

GIROTO, C. R. M.; ARAUJO, L. A; VITTA, F. C. F. Discursivização sobre “doenças do não aprender” no contexto educacional inclusivo: o que dizem os professores de Educação Infantil? Revista IberoAmericana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. esp. 1, p. 807-825, abr., 2019. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/12208. Acesso em: 29 fev.2020.

MARTINHAGO, F. TDAH nas redes sociais: caminhos para a medicalização da infância. Psicología, Conocimiento y Sociedad, v. 8, n. 2, p. 95-117, 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.26864/pcs.v8.n2.6

MARTINHAGO, F; CAPONI, S. Controvérsias sobre o uso do DSM para diagnósticos de transtornos mentais. Physis, v. 29, n. 2, p. 1-19, 2019. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/physis/v29n2/0103-7331-physis-29-02-e290213.pdf. Acesso em: 29 fev. 2020.

MOUSINHO, R; NAVAS, A. L. Mudanças apontadas no DSM-5 em relação aos transtornos específicos de aprendizagem em leitura e escrita. Rev Deb Psiq, v. 6, n. 3, p. 38-45, 2016.

MOYSÉS, M. A. A; Collares, C. A. L. Controle e medicalização da infância. Revista Desidades, n.1, ano 1. NIPIAC. UFRJ. p. 11-21, 2013. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/desidades/article/viewFile/2456/2090. Acesso em: 29 fev. 2020.

Downloads

Publicado

01/12/2020

Como Citar

Eliassen, E. da S., & Santana, A. P. de O. (2020). O discurso sobre a dislexia no DSM-5 e suas implicações no processo de medicalização da educação. Revista Ibero-Americana De Estudos Em Educação, 15(esp5), 2883–2898. https://doi.org/10.21723/riaee.v15iesp5.14564