Promoção do letramento versus medicalização no Ensino Superior: contribuições de uma abordagem fonoaudiológica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v15iesp5.14569

Palavras-chave:

Ensino Superior, Fonoaudiologia, Letramento, Dislexia, Medicalização

Resumo

Dentre as mudanças que vem ocorrendo no Ensino Superior brasileiro em função da expansão do ingresso de pessoas nesse nível de formação, interessa destacar a heterogeneidade dos acadêmicos quanto às diversas e desiguais condições de letramento. Parte-se do pressuposto de que tais condições são determinantes para a efetiva acessibilidade e para uma formação acadêmico-profissional de qualidade. O objetivo desta pesquisa foi analisar as contribuições de uma abordagem clínica fonoaudiológica baseada na perspectiva sócio-histórica, junto a um acadêmico diagnosticado como disléxico, enfocando aspectos discursivos, textuais e normativos da linguagem escrita. Trata-se de um estudo de caso, de cunho qualitativo, longitudinal e retrospectivo. Essa mudança permitiu ao sujeito reconhecer-se como autor, ocupar um lugar de leitor e escritor capaz e entender a sua relação com a linguagem escrita como um processo contínuo, social e historicamente constituído.

Biografia do Autor

Sammia Klann Vieira, Universidade Tuiuti do Paraná (UTP), Curitiba – PR

Mestrado em Distúrbios da Comunicação. Apoio Financeiro da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior- Brasil (CAPES) – código de financiamento 001.

Rita de Cássia Tonocchi, Universidade Tuiuti do Paraná (UTP), Curitiba – PR

Professora do Curso de Graduação em Fonoaudiologia e no Programa de Pós-graduação em Distúrbios da Comunicação. Doutorado em Estudos Linguísticos (UFPR).

Ana Paula Berberian, Universidade Tuiuti do Paraná (UTP), Curitiba – PR

Professora no curso de Graduação em Fonoaudiologia e no Programa de Pós-graduação em Distúrbios da Comunicação. Doutorado em História (PUC/SP). Apoio Financeiro CNPQ/Produtividade em Pesquisa. Processo N° 306523/2017-5.

Referências

BAKTHIN M. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1990.

FARACO, C. A. Linguagem escrita e alfabetização. São Paulo: Ed. Contexto, 2012.

FERNANDES, D. F. C.; SANTOS, M. A. P.; BURIN, A. C. H. A questão do letramento na Universidade: algumas reflexões e desafios. Revista de Ciências Gerenciais, v. XII, n. 15, p. 75-84, 2008.

GENTIL, M. A. O. Contribuição à crítica do trabalho da Fonoaudiologia Educacional à luz da concepção histórico-cultural da linguagem: diante do crescente processo de medicalização e patologização da educação, que fazer? Orientador: Cláudio de Lira Santos Júnior. 2016. 260 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2016.

GERALDI, J. W. Portos de passagem. 5. ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2013.

GIROTO, C. R. M.; ARAUJO, L. A. A.; VITTA, F. C. F. Discursivização sobre “doenças do não aprender” no contexto educacional inclusivo: o que dizem os professores de educação infantil? Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. esp. 1, p. 807-825, abr. 2019. DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v14iesp.1.12208

GOMES, A. (Org.). Letramento científico: sumário executivo de resultados. São Paulo: Instituto Paulo Montenegro, Ação Educativa, 2015.

INSTITUTO ABRAMUNDO. ILC - Indicador de Letramento Científico: Sumário executivo de resultados 2014. São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 2014. 43 p.

KOCH, I. G. V. Ainter-ação pela linguagem. 8. ed. São Paulo: Contexto, 2003.

KOCH, I.; TRAVAGLIA, L. C. A coerência textual. São Paulo: Contexto, 2006.

LUSTOSA, S. S.; GUARINELLO, A. C; BERBERIAN, A. P.; MASSI, G. A. A. SILVA, D. V. Análise das práticas de letramento de ingressantes e concluintes de uma instituição de ensino superior: estudo de caso. Revista CEFAC, São Paulo, v. 18, p. 1008-1019, 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/1982-021620161843716

MANCEBO, D.; VALE, A. A. Políticas de expansão da educação superior no Brasil 1995-2010. Revista Brasileira de Educação, v. 20, n. 60, jan./mar. 2015.

MARINHO-ARAÚJO, C. M. Psicologia escolar na Educação Superior: novos cenários de intervenção e pesquisa. In: MARINHO-ARAÚJO, C. M. Psicologia Escolar novos cenários e contextos de pesquisa, prática e formação. 2. ed. Campinas: Alínea, 2015. p. 147-162.

MARQUESIN, D.F.B.; BENEVIDES, C.R. Leitura e Escrita no Ensino Superior. Revista Brasileira de educação, Rio de Janeiro, v. 14, n. 1, p. 9-28, 2011.

MORETTO, M. Tentativas de apropriação da linguagem acadêmica por estudantes universitários: A produção escrita na universidade. Comunicações, Piracicaba, v. 24, n. 1, p. 171-186, 2017.

MOYSES, M.A. A.; COLLARES, C. A. L. Controle e Medicalização da Infância. DESidades, v. 1, p. 1-5, 2013.

OLIVEIRA, E. C.; HARAYAMA, R. M.; VIÉGAS, L. S. Drogas e medicalização na escola: reflexões sobre um debate necessário. Revista Teias, Rio de Janeiro, v.17, n. 45, p. 99-118, 2016.

PAN, M.; LITENSKI, A. C. L. Letramento e identidade profissional: reflexões sobre leitura, escrita e subjetividade na universidade. Revista Psicologia Escolar e Educacional, São Paulo, v. 22, n. 3, p. 527-534, 2018.

PAN, M.A.G.S; ZUGMAN, M.J. Psicologia e políticas inclusivas na Educação Superior: contribuições de uma leitura bakhtiniana. Estudos e Pesquisas em Psicologia, Rio de Janeiro, v. 15, n. 1, p. 135-154, 2015

ROJO, R.; MELO, R. Letramentos contemporâneos e a arquitetônica Bakhtiniana. DELTA, São Paulo, v. 33, p. 1271-1289, 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-445057781725543649

SANTANA, A. P. O. DONIDA, L. O. MONTEIRO, A. L. C. P. SILVA, S. M. Acessibilidade e permanência: um estudo do programa institucional de apoio aos estudantes da Universidade Federal de Santa Catarina. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v.10, n. esp., p. 673-689, 2016. DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v10i5.7919

SIGNOR, R. C. F. Terapia fonoaudiológica em grupo voltada à linguagem escrita: uma perspectiva dialógica. RBLA, Belo Horizonte, v. 12, n. 3, p. 585-605, 2012.

SIGNOR, R. C. F; VIEIRA, S. K.; BERBERIAN, A. P.; SANTANA, A. P. Distúrbio de processamento auditivo x dificuldade de leitura e escrita: há uma relação? Revista Brasileira de Linguística Aplicada, Belo Horizonte, v. 18, n. 3, p. 581-607, 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1984-6398201813079

Downloads

Publicado

01/12/2020

Como Citar

Vieira, S. K., Tonocchi, R. de C., & Berberian, A. P. (2020). Promoção do letramento versus medicalização no Ensino Superior: contribuições de uma abordagem fonoaudiológica. Revista Ibero-Americana De Estudos Em Educação, 15(esp5), 2967–2984. https://doi.org/10.21723/riaee.v15iesp5.14569