Significação do desenvolvimento docente para o ensino superior na saúde

Representações sociais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v17i3.14899

Palavras-chave:

Educação superior, Medidas, métodos e teorias, Docentes de medicina, Docentes de enfermagem

Resumo

Este artigo tem por objetivo apreender os elementos presentes nas representações sociais de docentes sobre o processo de desenvolvimento docente (DD) no ensino superior da área de saúde. Entende-se DD como um conjunto de ferramentas institucionais que viabilizam ao docente uma multiplicidade de ações para suporte a sua prática pedagógica. Pesquisa de representação social com abordagem qualitativa, realizou-se em três instituições de ensino superior no sul do Brasil, tendo como participantes docentes dos cursos de graduação em Enfermagem (10) e Medicina (11), totalizando 21. A produção de dados deu-se por entrevista semiestruturada presencial e online (Pandemia COVID-19). A técnica de análise seguiu os passos metodológicos de Moscovici, por meio de dois processos de formação das Representações Sociais: objetivação e ancoragem. Conclui-se que o processo de DD se mostra legítimo no que tange ao crescimento pessoal e profissional daqueles que se comprometem com o processo, proporcionando o desenvolvimento do pensamento crítico-reflexivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carolina Tizzot de Munhoz Furtado, Faculdades Pequeno Príncipe (FPP), Curitiba – PR – Brasil

Mestre em Ensino nas Ciências da Saúde da FPP.

Leide da Conceição Sanches, Faculdades Pequeno Príncipe (FPP), Curitiba – PR – Brasil

Docente do Programa de Ensino nas Ciências da Saúde. Doutorado em Sociologia (UFPR).

Ivete Palmira Zagonel, Faculdades Pequeno Príncipe (FPP), Curitiba – PR – Brasil

Docente e Diretora Acadêmica no período de 2003 a 2021. Doutorado em Enfermagem (UFSC).

Referências

ALMEIDA, M. T. C. et al. Desenvolvimento docente: Avaliação de uma experiência em um curso de medicina. Revista eletrônica de Educação, São Carlos, v. 13, n. 1, p. 306-318, jan./abr. 2019. Disponível em: https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/2635. Acesso em: 16 set. 2020.

ANDRADE, D. B. S. F.; TEIBEL, E. N. H.; ASSUNÇÃO, A. M. L. Análise sociogenética do núcleo central das representações sociais: Investigações sobre o cuidado hospitalar de crianças. Revista de Educação Pública, v. 29, p. 1-15, jan./dez. 2020. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/educacaopublica/issue/view/572. Acesso em: 15 jan. 2021.

BATISTA, S. H. S. A disciplina formação didático-pedagógica em saúde na pós-graduação stricto sensu da Unifesp/EPM: Uma proposta em foto. In: BATISTA, N. A.; BATISTA, S. H. S. (org.). Docência em saúde: Temas e experiências. São Paulo: Senac, 2004.

BENASSULY, J. S. A formação do professor reflexivo e inventivo. In: LINHARES, C.; LEAL, M. C. Formação de professores uma crítica à razão e às políticas hegemônicas. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

CACHAPUZ, A. F. A universidade, a valorização do ensino e a formação dos seus docentes. In: SHIGUNOV NETO, A.; MACIEL, L. S. B. (org.) Reflexões sobre a formação de professores. Campinas: Papirus, 2002.

CADÓRIO, L.; SIMÃO, A. Mudanças nas concepções e práticas dos professores. Lisboa: Edições Vieira da Silva, 2018.

CENTRA, J. A. Types of faculty development programs. The Journal of Higher Education, v. 49, n. 2, p. 151-162, mar./abr. 1978. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/1979280?origin=crossref. Acesso em: 19 maio 2021.

DAY, C. Desenvolvimento profissional de professores: Os desafios da aprendizagem permanente. Porto: Porto Editora, 2001.

ENS, R. T. et al. Valorização do professor: Prioridade política, tensão ou incerteza? Cadernos de pesquisa, São Paulo, v. 49, n. 172, p. 260-283, abr./jun. 2019. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-15742019000200260&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 23 nov. 2020.

GARCIA, C. M. Formação de professores: Para uma mudança educativa. Porto: Porto Editora, 1999.

GARCIA, M. M. A.; HYPÓLITO, A. M.; VIEIRA, J. S. As identidades docentes como fabricação da docência. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 1, p. 45-56, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-97022005000100004&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 19 set. 2020.

GHEDIN, E. L. Professor-reflexivo: Da alienação da técnica à autonomia da crítica. In: PIMENTA, S. G.; GHEDIN, E. L. (org.). Professor reflexivo no Brasil: Gênese e crítica de um conceito. 1. ed. São Paulo: Cortez, 2002.Disponível em: http://www.vdl.ufc.br/solar/aula_link/llpt/A_a_H/didatica_I/aula_04/imagens/03/professor_reflexivo.pdf. Acesso em: 7 dez. 2020.

IMBERNÓN, F. Na formação é necessário abandonar o individualismo docente a fim de chegar ao trabalho colaborativo. In: IMBERNÓN, F. Formação continuada de professores. Porto Alegre: Artmed, 2010.

JODELET, D. Representações sociais: Um domínio em expansão. In: JODELET, D. (ed.). As representações sociais. Rio de Janeiro: UERJ, 2001.

MAGALHÃES, M. C. C.; FIDALGO, S. S. The role of methodological choices in investigations conducted in school contexts: Critical research on collaboration in continuing teacher education. In: RIIKA, A.; POYHONEN, S. Language in Action: Vygotsky and Leontevian legacy today. Cambridge: Cambridge Scholars Publishing, 2007.

MOSCOVICI, S. Representação Social da Psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

MOSCOVICI, S. Representações sociais: Investigações em psicologia social. 4. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

MOSCOVICI, S. Representações sociais: Investigações em psicologia social. 5. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

MOSCOVICI, S. A psicanálise, sua imagem e seu público. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

NOGUEIRA, K.; DI GRILLO, M. Theory of Social Representations: History, processes and approaches. Research, Society and Development, v. 9, n. 9, e146996756, 2020. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/6756. Acesso em: 12 maio 2021.

O´SULLIVAN, P. S.; IRBY, D. M. Reframing research on faculty development. Academic Medicine, v. 86, n. 4, p. 421-28, 2011. Disponível em: https://journals.lww.com/academicmedicine/Fulltext/2011/04000/Reframing_Research_on_Faculty_Development.9.aspx. Acesso em: 28 jun. 2020.

PINA-SARMIENTO, R. Desarrollo de la formación permanente del professorado en la província de Guadalajara: Un estudio de caso. Ensen Teach, v. 32, n. 1, p. 141-159, 2014. Disponível em: https://www.torrossa.com/en/resources/an/3005203. Acesso em: 11 abr. 2021.

RAMALHO, B. L.; NUÑEZ, I. B.; GAUTHIER, C. Formar o professor, profissionalizar o ensino: Perspectivas e desafios. Porto Alegre: Sulina, 2004.

SCHWARZ, L.; SEITENFUS, K. A.; BOUSFIELD, A. B. S. As representações sociais e os direitos humanos nos riscos socioambientais. Revista Psicologia & Saberes, v. 9, n. 19, 2020. Disponível em: https://revistas.cesmac.edu.br/index.php/psicologia/article/view/1181. Acesso em: 03 jul. 2021.

SOUZA, C. P.; TAVARES, M. R.; VILLAS BÔAS, L. P. Apresentação do estudo: Representações sociais sobre o trabalho docente. In: SOUSA, C. P.; PARDAL, L. A.; VILLAS BÔAS, L. P. S. (org.). Representações sociais sobre o trabalho docente. Aveiro: Universidade de Aveiro, 2009.

STEINERT, Y. et al. Faculty development as an instrument of change: A case study on teaching professionalism. Academic Medicine, v. 82, n. 11, p. 1057-1064, 2007. Disponível em: https://journals.lww.com/academicmedicine/Fulltext/2007/11000/Faculty_Development_as_an_Instrument_of_Change__A.9.aspx. Acesso em: 23 maio 2021.

STEINERT, Y. et al. A systematic review of faculty development initiatives designed to enhance teaching effectiveness: A 10-year update: BEME Guide No. 40. Medical Teacher, v. 38, n. 8, p. 769-786, jul. 2016. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/0142159X.2016.1181851. Acesso em: 16 out. 2020.

STEINERT, Y. Faculty development: From rubies to oak. Medical Teacher, v. 42, n. 4, p. 429-435, 2019. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/0142159X.2019.1688769. Acesso em: 21 abr. 2021.

TUNES, E.; TACCA, M. C. V. R.; BARTHOLO-JÚNIOR, R. S. O professor e o ato de ensinar. Cadernos de Pesquisa, v. 35, n. 126, p. 689-698, 2005. Disponível em: https://www.scielo.br/j/cp/a/5VcSDPXY78pqQYKTVYTD7Fv/abstract/?lang=pt. Acesso em: 10 jan. 2021.

VEIGA, I. P. O Projeto político-pedagógico da escola: Uma construção coletiva. In: VEIGA, I. P. (org.). Projeto Político-Pedagógico da Escola – Uma construção possível. Campinas: Papirus, 2008.

Publicado

01/07/2022

Como Citar

FURTADO, C. T. de M.; SANCHES, L. da C.; ZAGONEL, I. P. Significação do desenvolvimento docente para o ensino superior na saúde: Representações sociais. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 17, n. 3, p. 1596–1609, 2022. DOI: 10.21723/riaee.v17i3.14899. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/14899. Acesso em: 4 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)