Ações lúdico-educativas para o enfrentamento da doença dengue em cinco escolas públicas da grande Belo Horizonte: uma análise a partir da categoria sexo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v14i4.9938

Palavras-chave:

Dengue, Saúde coletiva, Relações de gênero, Ludicidade e educação.

Resumo

O artigo discute resultados de uma pesquisa realizada entre 2010 e 2015 sobre conhecimentos acerca da doença dengue entre discentes de três escolas públicas em Sete Lagoas e duas em Belo Horizonte através da análise comparativa por sexo. Os sujeitos do estudo foram alunos dos ensinos Fundamental e Médio e os dados foram coletados por intermédio de um mesmo questionário aplicado antes e depois de um procedimento lúdico, o Jogo da Dengue. A iniciativa foi desenvolvida pela Equipe Educação do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Dengue, INCT-UFMG. Foram investigados os conhecimentos dos estudantes sobre a doença a partir de quatro eixos temáticos: 1- ações domésticas e ações comunitárias; 2- ações político-sociais e ações governamentais; 3- aspectos biomédicos; 4- aspectos geográficos e climáticos. Em geral os índices de conhecimentos femininos foram superiores aos masculinos em três dos quatro eixos, especialmente no ensino fundamental. No Ensino Médio os percentuais de acertos dos meninos subiram, porém, ainda ficaram inferiores aos femininos, exceto no quesito aspectos geográficos e climáticos.

Biografia do Autor

Marcel de Almeida Freitas, Centro Federal Tecnológico de Minas Gerais (CEFET-MG), Belo Horizonte – MG

Sociólogo, Mestre em Psicologia, Doutorando em Educação

Tiago Gonçalves de Azevedo, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte – MG

Bacharel em Comunicação Social, Especialista em Docência do Ensino Superior, bolsista do Programa ICNT-Dengue

Adla Betsaida Martins Teixeira, Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Educação, Departamento de Métodos e Técnicas de Ensino.

Doutora em Educação University of London, Profa Associada FaE/UFMG

Referências

ABRAMOVAY, M.; CASTRO, M. G. Relações raciais na escola: reprodução das desigualdades em nome da igualdade. Brasília: editora UNESCO, 2006.

AQUINO, E. M. L. Gênero e saúde: perfil e tendências da produção científica no Brasil. In: Caderno Saúde Pública. 1 ed. Rio de Janeiro, p. 125, 2006.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Parâmetros Curriculares Nacionais. Apresentação de Temas Transversais. Brasília: Secretaria de Educação Fundamental, 1998.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Programa Nacional de Controle da Dengue (PNCD). Brasília: Fundação Nacional de Saúde. Ministério da Educação, 2002.

BRASIL. IBGE. Sínteses de Indicadores Sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. Caderno Estudos & Pesquisas: informação demográfica e socioeconômica, 32, Brasília, 2013. Disponível em: http:/biblioteca.ibge.gov.br/visualização/livros/liv66777.pdf. Acesso em: 19 nov. 2014.

FERNÀNDEZ, A. Aprendizagem também é uma questão de gênero. Nova Escola. 2012. Disponível em: http://acervo.novaescola.org.br/formacao/aprendizagem-tambem-questao-genero-432236.shtml. Acesso em: 04 maio 2016.

HARDY, E.; JIMÉNEZ, A. L. Masculinidad y género. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2000.

KORIN, D. Novas perspectivas de gênero em saúde. Adolescência Latinoamericana, v. 2, n. 2, 2001.

MARIANO, Z. F.; SCOPEL, I.; SILVA, J. S. A Dengue no Brasil e as Políticas de Combate ao Aedes aegypti: da tentativa de erradicação às políticas de controle. Hygeia – Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde. v. 3, n. 6, p. 163-175, jun. 2008.

RIBEIRO, P. R. C.; QUADRADO, R. P. Corpos, gênero e sexualidades: questões possíveis para o currículo escolar. 3 ed. revisada. Rio Grande: FURG, 2013.

SCHALL, V. T.; ASSIS, S. S.; PIMENTA, D. N. Educação em saúde como estratégia no controle integrado da dengue: reflexões e perspectivas. In: VALLE, Denise (org.). Dengue: teorias e práticas. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2015.

SCHRAIBER, L. B.; GOMES, R.; Couto, M. T. Homens e saúde na pauta da saúde coletiva. Ciência & Saúde Coletiva, v. 10, n. 1, p. 7-17, 2005.

SILVEIRA, A.; ATAÍDE, A. R. P.; FREIRE, M. L. F. Atividades lúdicas no ensino de ciências: uma adaptação metodológica através do teatro para comunicar a ciência a todos. Educar, n. 34, p. 251- 262, 2009.

TEIXEIRA, A. B. M.; FREITAS, M. A. Informação de conhecimentos sobre Dengue entre discentes do ensino fundamental de escolas públicas da cidade de Sete Lagoas (Brasil). Outros Plurais - Mulheres e Homens na educação. ed. 1. Curitiba: CRV, 2013

VEIGA NETO, A. Didática e as experiências de sala de aula: uma visão pós-estruturalista. Educação & Realidade, v. 21, n. 2, p. 161-175, jul/dez. 1996.

Publicado

02/09/2019

Como Citar

FREITAS, M. de A.; DE AZEVEDO, T. G.; MARTINS TEIXEIRA, A. B. Ações lúdico-educativas para o enfrentamento da doença dengue em cinco escolas públicas da grande Belo Horizonte: uma análise a partir da categoria sexo. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. 4, p. 2222–2243, 2019. DOI: 10.21723/riaee.v14i4.9938. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/9938. Acesso em: 25 fev. 2021.

Edição

Seção

Artigos