Reformas curriculares no Brasil

Limites e possibilidades de um curso de extensão realizado durante a pandemia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v17i2.15447

Palavras-chave:

PALAVRAS-CHAVE: Reformas empresariais. Currículo. Formação docente. Anfope.

Resumo

Este artigo objetiva socializar a experiência pedagógica desenvolvida por meio do curso de extensão “Cenário atual das reformas curriculares no Brasil: a agenda empresarial e as repercussões para a educação”, no período de 5 a 26 de agosto de 2020, na Universidade Federal de Alagoas (UFAL). O objetivo geral do curso foi contribuir para o entendimento das reformas curriculares no Brasil, discutindo seus fundamentos e suas repercussões para a formação à luz da Pedagogia Histórico-Crítica. O curso contou com a participação de professores, estudantes e técnicos da Educação Básica e do Ensino Superior de diversas instituições. Foi realizado por meio de encontros on-line na Plataforma Google Meet, totalizando vinte horas de estudos e discussões. A sistematização das respostas dos cursistas ao questionário disponibilizado pelo Google Forms auxiliou-nos na avaliação das possibilidades e limites do trabalho desenvolvido e permitiu concluir que, apesar das dificuldades enfrentadas no cenário da pandemia causada pelo SARS-COV-2, o objetivo central do curso foi atingido.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kátia Maria Silva de Melo, Universidade Federal de Alagoas (UFAL), Maceió – AL – Brasil

Professora Associada no Centro de Educação. Doutorado em Letras e Linguística (UFAL).

Carolina Nozella Gama, Universidade Federal de Alagoas (UFAL), Maceió – AL – Brasil

Professora Adjunta no Centro de Educação da UFAL e no Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática (PPGECIM -UFAL).

Referências

ANFOPE. Documento final do IX Encontro Nacional. Campinas, SP: 1998. Disponível em: http://www.anfope.org.br/wp-content/uploads/2018/05/9%C2%BA-Encontro-Documento-Final-1998.pdf. Acesso em: 10 out. 2021.

BRASIL. Resolução CNE/CP n. 2, de 1 de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasília, DF: MEC, CNE, 2015. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/agosto-2017-pdf/70431-res-cne-cp-002-03072015-pdf/file. Acesso em: 10 jan. 2021.

BRASIL. Parecer CNE/CP n. 15/2017. Base Nacional Comum. Brasília, DF: MEC, CNE, 2017. Disponível em: https://normativasconselhos.mec.gov.br/normativa/view/CNE_PAR_CNECPN152017.pdf?query=BNCC. Acesso em: 10 ago. 2021.

BRASIL. Resolução CNE/CP n. 02, de 20 de dezembro de 2019. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Brasília, DF: MEC, CNE, 2019. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2019-pdf/135951-rcp002-19/file. Acesso em: 10 dez. 2020.

DUARTE, N. Vigotski e o “aprender a aprender”: crítica às proposições neoliberais e pós-modernas da teoria vigotskiana. 4. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2006.

DUARTE, N. Os conteúdos escolares e a ressurreição dos mortos: contribuições à teoria histórico-crítica do currículo. Campinas, SP: Autores Associados, 2016.

FREITAS, L. C. Os empresários e a política educacional: como o proclamado direito à educação de qualidade é negado na prática pelos reformadores empresariais. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, Salvador, v. 6, n. 1, p. 48-59, jun. 2014. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/revistagerminal/article/view/12594. Acesso em: 14 jun. 2021.

FREITAS, L. C. Três teses sobre as reformas educacionais: perdendo a ingenuidade. Cad. Cedes, Campinas, v. 36, n. 99, p. 137-153, maio/ago. 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ccedes/a/RmPTyx4p7KXfcQdSMkPGWFy/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 10 fev. 2021.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

LAVOURA, T. N.; ALVES, M. S.; SANTOS JUNIOR, C. L. Política de formação de professores e a destruição das forças produtivas: BNC-formação em debate. Rev. Práxis Educacional, v. 16, n. 37, p. 553-577, 2020. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6405/4720. Acesso em: 2 mar. 2021.

MARSIGLIA, A. C. G. et al. A base nacional comum curricular: um novo episódio de esvaziamento da escola no Brasil. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, Salvador, v. 9, n. 1, p. 107-121, abr. 2017. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/revistagerminal/article/view/21835/14343. Acesso em: 10 jul. 2021.

MARTINS, A. S. A direita para o social: a educação da sociabilidade no Brasil contemporâneo. Juiz de Fora: Editora da UFJF, 2009.

MARX, K. Prefácio da Contribuição à crítica da economia política. In: MARX, K. Contribuição à crítica da economia política. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1983.

MELO, K. M. S. Formação e profissionalização docente: o discurso das competências. Maceió: EDUFAL, 2007.

PINA, L. D. “Responsabilidade social” e educação escolar: o projeto de educação básica da “direita para o social” e suas repercussões na política educacional do Brasil contemporâneo. 2016. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2016.

SAVIANI, D. Educação Escolar, Currículo e Sociedade. Movimento: revista de educação, Rio de Janeiro, ano 3, n. 4, p. 54-84, 2016. Disponível em: https://periodicos.uff.br/revistamovimento/article/view/32575/18710. Acesso em: 12 mar. 2021.

SAVIANI, D. Florestan Fernandes e a educação. Estudos Avançados, v. 10, n. 26, p. 71-87, 1996. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ea/a/CwvqDcdywntVY7dZDwmGpGf/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 10 mar. 2021.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 11. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2011.

Publicado

01/04/2022

Como Citar

MELO, K. M. S. de; GAMA, C. N. . Reformas curriculares no Brasil: Limites e possibilidades de um curso de extensão realizado durante a pandemia. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 17, n. 2, p. 1594–1613, 2022. DOI: 10.21723/riaee.v17i2.15447. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/15447. Acesso em: 19 ago. 2022.

Edição

Seção

Relatos de Experiência