O brincar possível em tempos de isolamento

O desenvolvimento das funções psíquicas superiores da memória e da imaginação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v17iesp.2.16055

Palavras-chave:

Funções psíquicas superiores, Memória, Imaginação, Brincadeira de faz de conta

Resumo

Este estudo busca investigar o desenvolvimento das funções psíquicas superiores da memória e da imaginação no momento da brincadeira de faz de conta. A pesquisa está fundamentada na Psicologia Histórico-Cultural que contempla o desenvolvimento das funções psíquicas superiores, considerando que o processo de desenvolvimento cultural da criança é o alicerce para a constituição das funções psíquicas. Partindo desse referencial teórico, a pesquisa, de cunho qualitativo, foi realizada com os seguintes recursos metodológicos: investigação participativa e a observação. Com este estudo, foi possível ampliar a discussão teórica sobre como se constituiu a brincadeira de faz de conta mesmo em um momento de isolamento e distanciamento social no cotidiano da Educação Infantil, contribuindo para o desenvolvimento da memória e da imaginação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline Patricia Campos Tolentino de Lima, Universidade de São Paulo (USP), Ribeirão Preto – SP – Brasil

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Educação.

Joana de Jesus de Andrade , Universidade de São Paulo (USP), Ribeirão Preto – SP – Brasil

Docente do Departamento de Química e Educação. Doutorado em Educação (UNICAMP).

Referências

ARCE, A. DUARTE, N. Brincadeira de papéis sociais na Educação Infantil: As contribuições de Vygotsky, Leontiev e Elkonin. São Paulo: Xamã, 2006.

BATISTA, J. SILVA, M. C. PASQUALINI, J. C. Desenvolvimento do psiquismo na idade pré-escolar: Formação da imaginação e requalificação dos processos emocionais. In: FIRBIDA, F.; FACCI, M. G. D.; BARROCO, S. M. S. O desenvolvimento das funções psicológicas superiores na psicologia histórico-cultural: Contribuições à psicologia e à educação. Uberlândia: Navegando Publicações, 2021.

CASTRO, L. R. Da invisibilidade à ação: Crianças e jovens na construção da cultura. In: CASTRO, L. R. Crianças e jovens na construção da cultura. Rio de Janeiro: Nau Editora/FAPERJ, 2001.

COLUSSI, L. G. Contribuições dos jogos de papéis para o desenvolvimento das funções psicológicas superiores. 2016. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavél, PR, 2016. Disponível em: http://tede.unioeste.br/handle/tede/3325?mode=full. Acesso em: 12 jan. 2021.

CORSARO, W. A. Collective Action and Agency in Young Children's Peer Cultures. In: QVORTRUP, J. (ed.) Studies in modern childhood: Society, agency, culture. New York: Palgrave Macmillan, 2005.

DELARI, J. A. Vygotsky e a prática do pisco‐logo: Em percurso da psicologia geral à aplicada. Umuarama: Mimeo, 2009. Disponível em: http://www.estmir.net/delari_2009_lsv-prt-psi.pdf. Acesso em: 23 dez. 2021.

DELARI, J. A. Quais são as funções psíquicas superiores? Anotações para estudos posteriores. Umuarama: Mimeo, 2011. Disponível em: https://docplayer.com.br/75197462-Quais-sao-as-funcoes-psiquicas-superiores-anotacoes-para-estudos-posteriores-achilles-delari-junior.html. Acesso em: 28 dez. 2021.

DEMARTINI, Z. B. F. Infância, pesquisa e relatos orais. In: FARIA, A. L. G.; DEMARTINI, Z. B. F.; PRADO, P. D. (org.). Por uma cultura da infância: Metodologias de pesquisas com crianças. 6. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2009.

DUARTE. N. A anatomia do homem é a chave da anatomia do macaco: A dialética em Vygotsky e em Marx e a questão do saber objetivo na educação escolar. Educação & Sociedade, v. 21, n. 71, p. 79-115, jul. 2000. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/GkhgksVWNhmjD6DnxtxdwsM/?lang=pt#. Acesso em: 10 dez. 2021.

ELKONIN, D. B. Psicologia do jogo. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

FERNANDES, N.; MARCHI, R. C. A participação das crianças nas pesquisas: Nuances a partir da etnografia e na investigação participativa. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 25, e250024, 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbedu/a/hr7QghNYKx3sY9QV6M7wktf/abstract/?lang=pt. Acesso em: 28 dez. 2021.

FERREIRA, M. Brincar às arrumações, arrumando ou... entre a ordem institucional adulta e a ordem instituinte infantil, as crianças como atores sociais no jardim de infância. Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v. 13, n. 1, p.115-132, 2005. Disponível em: https://repositorio-aberto.up.pt/handle/10216/63178. Acesso em: 23 dez. 2021.

HAI, A. A.; FARI, M. O. (Re) significando o brincar na educação infantil a partir da teoria histórico-cultural. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 15, n. 1, p. 95-109, jan./mar. 2020.Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/12251/8799. Acesso em: 15 abr. 2021.

LEONTIEV, A. N. Os princípios psicológicos da brincadeira pré-escolar. In: VIGOTSKI, L. S.; LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. N. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. 6. ed. São Paulo: Ícone editora, 2010.

LINHARES, R.; FACCI, M. G. D. O desenvolvimento das funções psíquicas superiores: Rompendo com a dicotomia entre o natural e o histórico-cultural. In: FIRBIDA, F.; FACCI, M. G. D.; BARROCO, S. M. S. O desenvolvimento das funções psicológicas superiores na psicologia histórico-cultural: Contribuições à psicologia e à educação. Uberlândia, MG: Navegando Publicações, 2021.

LURIA, A. R. Desenvolvimento cognitivo. São Paulo: Ícone, 2017. Original escrito em 1976.

PINO, A. As marcas do humano: Às origens da constituição cultural da criança na perspectiva de Lev S. Vygotsky. São Paulo: Cortez, 2005.

PRESTES, Z. A brincadeira de faz de conta e a infância. Revista Trama Interdisciplinar, Niterói, v. 7, n. 2, p. 28-39, maio/ago. 2016. Disponível em: https://smeduquedecaxias.rj.gov.br/smeportal/wp-content/uploads/2020/07/A-BRINCADEIRA-DE-FAZ-DE-CONTA-E-A-INF%C3%82NCIA.pdf. Acesso em: 12 jan. 2021.

QVORTRUP, J. Nove teses sobre a “infância como um fenômeno social”. Pro-Posições, Campinas, v. 22, n. 1, p. 199-211, jan./abr. 2011. Disponível em https://www.scielo.br/pdf/pp/v22n1/15.pdf. Acesso em: 12 jan. 2021.

SMOLKA, A. L. B.; NOGUEIRA, A. L. H. Emoção, memória e imaginação: A constituição do desenvolvimento humano na história e na cultura. Campinas, SP: Mercado de letras, 2011.

SOUZA, J. A. M. Recuperando a dialética no materialismo histórico de Vigotski. Psicologia & Sociedade, v. 28, n. 1, p. 35-44, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/psoc/a/STpGCfMMd7YwcnBD3M3JKdd/abstract/?lang=pt. Acesso em: 16 mar. 2020.

VYGOTSKI, L. S. Problemas del desarrollo de la psique. Obras Escogidas. Madrid: Visor Distribuciones, 1995 [1983].

VYGOTSKI, L. S. Problemas de la psicología infantil. Obras Escogidas. Madrid: Visor Distribuciones, 1996 [1932].

VIGOTSKI, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fonte, 2007.

VIGOTSKI, L. S. A brincadeira e o seu papel no desenvolvimento psíquico da criança. Revista Virtual de Gestão de Iniciativas Sociais, Rio de Janeiro, p. 23-36, jun. 2008. Disponível em: https://atividart.files.wordpress.com/2016/05/a-brincadeira-e-seu-papel-no-desenvolvimento-psiquico-da-crianc3a7a.pdf. Acesso em: 29 dez. 2021.

VIGOTSKI, L. S. Imaginação e criação na infância. São Paulo: Ática, 2009.

VIGOTSKI, L. S. Psicologia pedagógica. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010.

Publicado

30/06/2022

Como Citar

LIMA, A. P. C. T. de; ANDRADE , J. de J. de. O brincar possível em tempos de isolamento: O desenvolvimento das funções psíquicas superiores da memória e da imaginação. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 17, n. esp.2, p. 1221–1238, 2022. DOI: 10.21723/riaee.v17iesp.2.16055. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/16055. Acesso em: 2 out. 2022.