Avaliação da Educação Superior

Reforma do pensamento no curso de Arquitetura e Urbanismo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v19i00.17925

Palavras-chave:

Complexidade, Avaliação, SINAES, Arquitetura e Urbanismo

Resumo

Com o objetivo de alcançar a qualidade no ensino superior, o governo brasileiro implantou o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), que qualifica cursos de graduação de maneira conservadora. Paralelamente, muitas universidades se caracterizam pela adoção da visão da complexidade como base para a transformação educacional. Nesse contexto, o objetivo deste artigo é analisar os impactos da avaliação promovida pelo SINAES em cursos de graduação cujas experiências educacionais estão vinculadas a movimentos pedagógicos transformadores. A pesquisa, que utilizou métodos de análise documental e histórica e teve sua base conceitual no paradigma da complexidade de Edgar Morin, revelou que o SINAES não considera abordagens inovadoras alinhadas com as necessidades atuais e que experiências como a do curso de Arquitetura obtiveram resultados positivos. Conclui-se, portanto, a importância de repensar os sistemas de avaliação, incorporando a teoria da complexidade, para uma visão mais abrangente da educação superior.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Angela Leitão, Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Decana da Escola de Belas Artes PUCPR, Professora Adjunta do Curso de Arquitetura e Urbanismo/PUCPR.

Juliana Fernandes Junges Cararo, Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Professora Assistente Departamento: Escola de Belas Artes, Curso de Arquitetura e Urbanismo/PUCPR.

Marilda Aparecida Behrens, Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Professora do Departamento de Educação e Docente do PPGE/PUCPR.

Referências

BRASIL. Lei n. 10.861, de 14 de abril de 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior – SINAES e dá outras providências. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, p. 3, 15 abr. 2004.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da educação superior. Brasília, DF: Inep, 2020.

CAPRA, F. A teia da vida: uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. São Paulo: Cultrix, 1996.

GIL, A. C. Como fazer pesquisa qualitativa. São Paulo: Atlas, 2021.

MORAES, M. C. Paradigma educacional ecossistêmico: por uma nova ecologia da aprendizagem humana. Rio de Janeiro: Wak, 2021.

MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. 5. ed. Porto Alegre: Sulina, 2015.

MORIN, E.; DÍAZ, C. J. D. Reinventar a educação: abrir caminhos para a metamorfose da humanidade. São Paulo: Palas Athena, 2016.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ (PUCPR). Plano de Desenvolvimento do Curso de Arquitetura e Urbanismo. Curso de Arquitetura e Urbanismo. Curitiba, 2016.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ (PUCPR). Plano de Desenvolvimento da Graduação. Curitiba, 2015.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ (PUCPR). Projeto Pedagógico de Curso. Curso de Arquitetura e Urbanismo. Curitiba, 2018.

SCALLON, G. Avaliação da aprendizagem numa abordagem por competências. Curitiba: PUCPRess, 2015.

SPRICIGO, C. B. Mosaico de cinco cores: princípios organizadores para os processos de ensino e aprendizagem na educação superior. Curitiba: PUCPRess, 2016.

VOSGERAU, D. S. R.; OLIVEIRA, J. R.; SPRICIGO, C. B.; MARTINS, V. O modelo de competências: uma ferramenta para o planejamento da aprendizagem ativa. Curitiba: PUCPR, 2017. Disponível em: https://www.pucpr.br/wp-content/uploads/2017/10/texto-competencias-aprendizagem-ativa.pdf. Acesso em: 19 jun. 2021.

Publicado

26/02/2024

Como Citar

LEITÃO, A.; CARARO, J. F. J.; BEHRENS, M. A. Avaliação da Educação Superior: Reforma do pensamento no curso de Arquitetura e Urbanismo. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 19, n. 00, p. e024022, 2024. DOI: 10.21723/riaee.v19i00.17925. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/17925. Acesso em: 22 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos teóricos