No rastro da educação em Zygmunt Bauman

Da modernidade sólida à modernidade líquida

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v19i00.19123

Palavras-chave:

Educação, Modernidade Sólida, Modernidade Líquida, Alternância

Resumo

O trabalho a seguir objetiva encontrar as relações entre o pensamento de Bauman e a educação. Para tanto se debruça sobre livros, artigos, entrevistas e traça um caminho possível para auxiliar pesquisadores interessados em promover diálogos entre o autor e outros especialistas do tema ou mesmo ampliar a discussão e a reflexão sobre o que tratou quando se debruçou sobre o assunto. Cotejando sua análise desde a modernidade sólida até a modernidade líquida e com base no que se encontra a respeito da educação nela, sugerimos e apresentamos uma versão do que se pode chamar de educação em Bauman. Ao encontrar esses rastros e levantar as possibilidades de utilizar seu trabalho para ampliar os debates nessa área, sentimo-nos encorajados a construir uma possibilidade de conexão com outros autores. Desse desafio resultou proposta, ainda inicial, de conexão entre Bauman (2007), Freire (2011), Gimonet (2007).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Nicodemos Martins Manfio, Centro Universitário UNISOCIESC

Graduado em Ciências Sociais pela Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI), Mestre em Sociologia Política Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Doutor em Ciências Sociais - Antropologia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), Pós-doutorado em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Pesquisador do Laboratório de Pesquisas Sociológicas Pierre Bourdieu (LAPSB, PPGE/UFSC), Líder e pesquisador do Núcleo de Estudos de Sociologia Contemporânea: Zygmunt Bauman (NESC, UNISOCIESC), Professor dos Departamentos de Gestão e Educação.

Referências

ALMEIDA, F. Q.; GOMES, I. M.; BRACHT, V. Bauman& a Educação. (Coleção pensadores & Educação). Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009.

ALMEIDA, F. Q.; BRACHT, V. Emancipação e diferença na educação: uma leitura com Bauman. (Coleção educação contemporânea). Campinas, SP: Autores Associados, 2006.

ALVES, G. Toyotismo como ideologia orgânica da produção capitalista. Revista ORG & DEMO, v. 1, n. 1, p. 3-15, 2000.

ALVES, R. Filosofia da ciência: introdução ao jogo e suas regras. 11. ed. São Paulo: Loyola, 2005.

BAUMAN, Z. Ética Pós-Moderna. Tradução: João Resende Costa. São Paulo: Paulus, 1997.

BAUMAN, Z. Modernidade e Holocausto. Tradução: Marcus Penchel. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

BAUMAN, Z. Modernidade e Ambivalência. Tradução: Marcus Penchel. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1999.

BAUMAN, Z. Modernidade Líquida. Tradução: Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

BAUMAN, Z. Vidas Desperdiçadas. Tradução: Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2005.

BAUMAN, Z. Vida Líquida. Tradução: Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007a.

BAUMAN, Z. Los Retos de la Educación em la Modernidad Líquida. Gedisa editorial, 2007b.

BAUMAN, Z. A sociedade individualizada: vidas contadas e histórias vividas. Tradução: José Gradel. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.

BAUMAN, Z. A Arte da Vida. Tradução: Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2009.

BAUMAN, Z.; MAY, T. Capitalismo Parasitário: e outros temas contemporâneos. Tradução: Eliana Aguiar. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2010a.

BAUMAN, Z. Legisladores e intérpretes: sobre modernidade, pós-modernidade e intelectuais. Tradução: Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2010b.

BAUMAN, Z. A ética é possível num mundo de consumidores? Tradução: Alexandre Werneck, Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2011a.

BAUMAN, Z. 44 cartas do mundo líquido moderno. Tradução: Vera Pereira. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2011b.

BAUMAN, Z. Isto não é um diário. Tradução: Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2012.

BAUMAN, Z. Sobre educação e juventude: conversas com Riccardo Mazzeo. Tradução: Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2013.

BAUMAN, Z.; DONSKIS, L. Cegueira moral: a perda de sensibilidade na modernidade líquida. Tradução: Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.

BEST, S. Education in the interregnum: an evaluation of Zygmunt Bauman's liquid-turn writing on education. British Journal of Sociology of Education. 2015.

BORGES, P. Metade das vagas no Ensino Superior não foi ocupada em 2009. 2011. IG.

BROUGÈRE, G.; ULMANN, A. L. (org.). Aprender pela vida cotidiana. Tradução: Antonio de Padua Danesi. Campinas, SP: Autores Associados, 2012.

CASSOL, C. V.; MANFIO, J. N. M.; SILVA, S. P. (org.). Dicionário Crítico-Hermenêutico Zygmunt Bauman. Frederico Westphalen: URI Westph, 2021.

DRUCKER, P. F. Administração, tarefas, responsabilidades, práticas. Tradução: Carlos Malferrari. São Paulo: Pioneira, 1973.

FAZENDA, I. Interdisciplinaridade: qual o sentido? São Paulo: Paulus, 2003.

FAZENDA, I. O que é interdisciplinaridade. São Paulo: Cortez, 2008.

FÁVERO, A. A.; TONIETO, C.; CONSALTÉR, E. (org.). Leituras sobre Zygmunt Bauman e a educação. Curitiba: CRV, 2019.

FERNANDES, J. et al. Identificação de fatores que influenciam na evasão em um curso Superior de Ensino a Distância. Perspectivas Online, [S. l.], v. 4. n. 16. p. 80-91, 2010.

FERRIS, E. The disorder of U.S. Schooling: Zygmunt Bauman and Education for an ambivalente world. Londres: Taylor & Francis LTD, 2023.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 3. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, P. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 50. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011.

GIMONET, J. C. Praticar e compreender a Pedagogia da Alternância dos CEFFAs. Tradução: Thierry de Burghgrave. Petrópolis, RJ: Ed. Vozes, 2007.

GREEN, L.; GARY, K. Pedagogy for a liquidy time. Studies in Philosophy and Education, 2016, p. 47-62.

GUILHERME, M. Is there a role for critical pedagogy in language/culture studies? An interview with Henry A. Giroux. Language and Intercultural Communication, [S. l.], v. 6, n. 2, p. 163-175, 2006.

LA BOÉTIE, É. Discurso da servidão voluntária. Tradução: Laymert G. Santos. São Paulo: Brasiliense, 1982.

MANFIO, A. J.; MANFIO, J. N. M. Pedagogia Freiriana e da alternância na formação da consciência ecopedagógica. In: MACEDO, E. (coord.). Fazer Educação, fazer política: linguagem, resistência e ação. Porto: Legis Editora, 2014.

MANFIO, J. N. M. Encontro com Zygmunt Bauman: prof. João Manfio. 1 vídeo (19 min), 26 jan. 2013. Disponível em: https://youtu.be/8c23xhnrLLU?si=SLaTDVHe2cTxVzPc. Acesso em: 15 abr. 2016.

MANFIO, J. N. M. Entrevista com Zygmunt Bauman (Temas: Cultura e Educação). YouTube, 1 vídeo (40 min), 16 nov. 2016. Disponível em: https://youtu.be/Ed51SO4zmqw?si=QwUsYQepeGdjDbG2. Acesso em: 15 abr. 2016.

MARTINS, C. B. N. Evasão de alunos nos cursos de graduação em uma Instituição de Ensino Superior. 2007. 116 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Fundação Dr. Pedro Leopoldo, 2007

MARX, K.; ENGELS, F. Textos. São Paulo: Edições Sociais, 1977. v. 3.

MORIN, E. Ensinar a viver: manifesto para mudar a educação. Tradução: Edgard de Assis Carvalho e Mariza Perassi. Porto Alegre: Sulina, 2015.

MOROSINI, M. C. et al. A evasão na Educação Superior no Brasil: uma análise da produção de conhecimento nos periódicos Qualis entre 2000-2011. Porto Alegre, RS: Faculdade de Educação – FACED. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul- PUCRS, 2011. 10 p.

PORCHEDDU, A. Zygmunt Bauman: entrevista sobre a educação. Desafios pedagógicos e modernidade líquida. Cad. Pesqui., São Paulo, v. 39, n. 137, p. 661-684, ago. 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-15742009000200016&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 06 ago. 2016.

PINEAU, G. Temporalidades na Formação. Tradução: Lucia Pereira de Souza. São Paulo: TRIOM, 2003.

PRESTES, E. M. T.; FIALHO, M. G.; PFEIFFER, D. A evasão no Ensino Superior globalizado e suas repercussões na gestão universitária. 2014. Disponível em: https://www.google.com.br/#q=A+EVAS%C3%83O+NO+ENSINO+SUPERIOR+GLOBALIZADO+E+SUAS+REPERCUSS%C3%95ES+NA+GEST%C3%83O+UNIVERSIT%C3%81RIA. Acesso em: 15 abr. 2016.

REY, B. As competências transversais em questão. Porto Alegre: Artmed, 2002.

RIBEIRO, D. Teoria do Brasil. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1972.

SANTOS FILHO, C.; MORAES, S. (org.). Escola e universidade na pós-modernidade. Campinas, SP: Mercado de Letras; São Paulo: Fapesp, 2000.

SARID, A. Self-critical appropriation: an assessment of Bauman’s view of education in liquid modernity. Educational Philosophy and Theory, v. 49, n. 5, p. 462-472, 2017.

SILVA FILHO, J. P. As Reprovações em disciplinas nos cursos de graduação da Universidade Federal do Ceará (UFC) no Período de 2000 a 2008 e suas implicações na evasão discente. 2009. 70 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2009.

SILVA, S. P. et al. Docência e Educação em Tempos Líquido-Modernos. Ijuí, RS: Ed. Unijuí, 2022.

STRECK, D. R.; REDIN, E.; ZITKOSKI, J. (org.). Dicionário Paulo Freire. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010.

TFOUNI, F. E. V.; SILVA, N. A modernidade líquida: o sujeito e a interface com o fantasma. Rev. Mal-Estar Subj, [S. l.], v. 8, n. 1, p. 171-194, 2008. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1518-61482008000100009&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 15 abr. 2016.

VEIGA-NETO, A. Currículo e exclusão social. In: CANEN, A.; MOREIRA, A. F. B. (org.). Ênfases e omissões no currículo. Campinas, SP: Papirus, 2001. p. 229-240.

YUS, R. Temas transversais: em busca de uma nova escola. Porto Alegre: Artmed, 1998.

Publicado

12/03/2024

Como Citar

MANFIO, J. N. M. No rastro da educação em Zygmunt Bauman: Da modernidade sólida à modernidade líquida. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 19, n. 00, p. e024030, 2024. DOI: 10.21723/riaee.v19i00.19123. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/19123. Acesso em: 22 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos teóricos