As fantasias virtuais das meninas e as vulnerabilidades na adolescência

Cláudia D. Prioste, Mônica G. T. do Amaral

Resumo


O presente artigo busca analisar as principais fantasias virtuais de um grupo de meninas, com idade entre 13 e 16 anos, estudantes do último ano do Ensino Fundamental de uma escola pública e de uma escola particular da cidade de São Paulo. Trata-se de uma pesquisa empírica, de cunho qualitativo, fundamentada na Psicanálise a na Teoria Crítica. Para coleta de dados utilizou-se aplicação de um questionário e entrevistas individuais e em grupo; bem como a análise dos perfis das adolescentes nas redes sociais. Constatou-se que a maior parte das meninas dispendem muitas horas diárias no ciberespaço, atraídas pela possibilidade de exercitarem suas fantasias virtuais, cujas temáticas principais eram: a amada-escolhida; a mãe-bebê e a celebridade. Concluiu-se que as adolescentes da escola pública se encontravam mais vulneráveis em relação às fantasias, sobretudo no que tange à sexualidade e maternidade precoce. Considera-se, assim, a importância de propostas educacionais que desenvolvam nos adolescentes a capacidade crítica em relação ao ambiente virtual, sobretudo no que se refere às fantasias produzidas pela indústria audiovisual e difundidas nas redes sociais.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v10i6.8343



Direitos autorais 2016 Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação

 

Rev. Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1982-5587

DOI Prefix: 10.21723/riaee

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.