Aprender a escrever: contribuição das habilidades de consciência fonêmica, nomeação seriada rápida e memória de trabalho

Dalva Maria Alves Godoy

Resumo


A escrita é uma atividade cognitiva complexa que envolve múltiplos processos: composicionais, ortográficos e gráficos. Considerando o processo ortográfico como específico dessa aprendizagem, uma vez que serve apenas a essa atividade e possibilita a escrita correta das palavras, este estudo examina a contribuição das habilidades que sustentam o funcionamento desse processo. Foram avaliados 176 estudantes do 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental em tarefas de consciência fonêmica (segmentação e subtração), RAN - nomeação seriada rápida (de letras e dígitos), memória de trabalho (ordem direta e inversa) e ditado de palavras, tendo sido utilizada a tarefa de conhecimento de grafemas como controle. Os resultados indicaram que ao início da aprendizagem, no 1º e 2º ano, grande parte da variabilidade nos desempenhos em escrita de palavras pode ser explicada pelo conjunto de habilidades investigadas. Entretanto, a contribuição da consciência fonêmica foi significativa no 1º e 2º ano, enquanto a RAN ganhou importância no 4º ano. Os resultados são discutidos em comparação com outros estudos e analisados em relação à relevância para o processo de alfabetização.

Palavras-chave


Consciência fonêmica. RAN. Memória de trabalho. Escrita. Alfabetização.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v11.n.esp4.9209



Direitos autorais 2016 Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação

 

Rev. Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1982-5587

DOI Prefix: 10.21723/riaee

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.