Atendimento psicológico e demandas discentes a partir de serviços em faculdades privadas do norte do país

Núbia Roberta Ayres, Cleber Lizardo de Assis

Resumo


Se por um lado, os discentes que frequentam o ensino superior no país, apresentam diversas demandas, especialmente psicossociais, as faculdades procuram oferecer serviços de atendimento psicológico como parte do dispositivo institucional. Este artigo tem por objetivo discutir as possibilidades de atuação do psicólogo junto a estudantes da Educação Superior a partir de uma tipologia de casos nesses serviços. Metodologicamente, se utiliza de uma pesquisa bibliográfica dificuldade de aprendizagem dos acadêmicos do nível superior, as queixas do fracasso no âmbito do processo de escolarização e os fatores associados, além de conceitos de psicoterapia breve instrumentalizada a este tipo de atendimento. Adota-se ainda como vinhetas, elementos coletados de documentos de atendimentos psicológicos em 02 instituições de ensino superior. Pode-se perceber que se faz necessário na diminuição das tensões e problemas presentes na Educação Superior por meio dos acadêmicos à inserção de uma perspectiva psicológica, aliada a práticas pedagógicas, uma vez que foi observado que a dificuldade de aprendizagem dos acadêmicos estudados estava diretamente relacionadas a fatores intrínsecos, ou seja, emocionais.


Palavras-chave


Serviço de atendimento psicológico. Ensino superior. Psicoterapia breve. Dificuldade de aprendizagem.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, F. de.; SILVA, M. B. Psicopedagogia para adultos - psicoandragogia: uma proposta de atendimento psicopedagógico para adolescentes e adultos jovens. RUBS, Curitiba, v.1, n.4, sup.1, p.46-48, out./dez. 2005

BORINE, R. C. C.; Considerações gerais sobre dificuldade de aprendizagem: conceitos e fatores de risco. Escola Superior Aberta do Brasil- ESAB; Curso de pós-graduação Lato Sensu em psicopedagogia clínica e institucional. Vila Velha (ES), 2013.

BORTOLANZA, M. L. Insucesso acadêmico na universidade abordagens psicopedagógicas. Erechim/RS: Edifapes, 2002.

BOSSA, N. A. Dificuldades de aprendizagem: O que são? Como tratá-las? Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.

BRAIER, E. A. Psicoterapia breve de orientação psicanalítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

BRASIL. LEI no 9.394, de 20 de dezembro de 1996. D.O.U., de 23 de dezembro de 1996.

CAPELLINI, S. A.; CONRADO, T. L. B. C. Desempenho de escolares com e sem dificuldades de aprendizagem de ensino particular em habilidade fonológica, nomeação rápida,leitura e escrita. Rev CEFAC, v.11, Supl2, p. 183-193, 2009.

CARELLI, M, J, G. ACÁCIA, A, A, S. Condições temporais e pessoais de estudos em universitários. Universidade São Francisco, 1999.

CARVALHO, D. B. de.; SANTANA, J. M.; SANTANA, V. M. de. Humanização e controle social: o psicólogo como ouvidor hospitalar. Psicologia Ciência e Profissão, vol. 29 (1), 172-183, 2009

CASTRO, E. K. de.; BORNHOLDT, E. Psicologia da saúde x Psicologia hospitalar: definições e possibilidades de inserção profissional. Revista Psicologia: Ciência e Profissão. V. 24. N. 3. Brasília: setembro, 2004.

CHALETA, M. E. R. Abordagens ao estudo e estratégias de aprendizagem no ensino superior. Évora: Universidade de Évora - Tese de Doutorado, 2002.

CIASCA, S. M. Diagnóstico dos distúrbios de aprendizagem em crianças: análise de uma prática interdisciplinar. Dissertação (Mestrado em Psicologia) -Universidade de São Paulo, 1999.

CURY, H. N. Estilos de aprendizagem de alunos de engenharia. Anais XXVIII Congresso Brasileiro de Ensino de Engenharia. Ouro Preto, 2000.

FERRAZ, M.; PEREIRA, A. A dinâmica da personalidade e o homesikness (saudades de casa) dos jovens estudantes universitários. Revista Psicologia Saúde e Doenças, p. 149 a 164. 2002.

FIORINI, H. J. Teoria e técnica de psicoterapias. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FONSECA, V. Introdução às dificuldades de aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 2009.

GENGHINI, E. B. O Ensino Superior no Brasil: Fatores que interferem no rendimento escolar e a visão dos alunos sobre suas dificuldades de aprendizagem. Revista da Educação: Universidade de Guarulhos, p. 18- 30. 2006.

HEGENBERG, M. Psicoterapia breve: clínica psicanalítica. 3 ed. Casa do Psicólogo 2010.

HILGARD, E. F. Teorias da aprendizagem. EPU, São Paulo, 1973.

JOSÉ, E. A.; COELHO, M. T. Problemas de aprendizagem. São Paulo, Ática. 1989.

KNOBEL, M. Psicoterapia breve. Vol 14. Coleção Temas Básicos de Psicologia. 2 ed. São Paulo: EPU, 1986.

MALAN, D.; SELVA, P. C. D. Psicoterapia dinâmica intensiva breve: um método inovador. Porto Alegre, RS: ArtMed, 2008.

PAPALIA, D; OLDS, S. W. Desenvolvimento humano. 7. ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

RIBEIRO, V. M. (Org.). Letramento no Brasil. São Paulo: Global, 2003.

SIMON, Ryad. Psicoterapia breve operacionalizada: teoria e técnica. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2011.

TAVARES, J. et al. Docência e Aprendizagem no Ensino Superior. In: Investigar em educação. Revista da Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação, n.º 3, Junho. Lisboa: SPCE, 2008 p. 15 -55.

YOSHIDA, E. M. P. Significância clínica de mudança em processo de psicoterapia psicodinâmica breve. Paideia, São Paulo, vol. 18 (40), p. 305-316. 2008.

ZANOLLA, Silvia Rosa da Silva. O conceito de mediação em Vigotski e Adorno. Psicol. Soc., Belo Horizonte, v. 24, n. 1, abr. 2012. Disponível em:. Acesso em: 1 jun. 2014.




DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v21.n2.2017.10012



Rev. on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1519-9029

DOI prefix: 10.22633/rpge

Licença Creative Commons 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.