Vivência tecnológica na educação básica: uma estratégia para o ensino e aprendizagem de professores e alunos

Giseli S Lucas, Maria Iolanda Monteiro

Resumo


O objetivo deste artigo é discutir se as aulas de Vivência Tecnológica, ministradas aos alunos do Ensino Fundamental I, da rede do Serviço Social da Indústria de São Paulo SESI/SP, é uma estratégia pedagógica que auxilia os docentes no processo de ensino e aprendizagem e os alunos na autonomia digital. É notória a tendência do uso cada vez mais frequente de computadores e outras tecnologias na educação escolar; por este motivo, a Vivência Tecnológica foi implantada na rede para potencializar os aspectos didáticos e metodológicos para o ensino e aprendizagem. Por essa razão, esta pesquisa objetiva analisar a dinâmica deste momento de “Vivência Tecnológica”, que recebe o subsídio da teoria construtivista e contribuições de duas profissionais, e verificar se as aulas no Laboratório de Informática e as montagens e programações no Laboratório de Ciências e Tecnologias, com os recursos de blocos de montagem, contribuem para uma abordagem metodológica de ensino relacionada ao desenvolvimento do pensar, do raciocinar, da resolução de problemas, das práticas de leitura e escrita. E ainda, verificar se esta estratégia pode ser referenciada como estratégia pedagógica significativa. A pesquisa buscou o entendimento das relações entre as duas profissionais, identificando a articulação entre o material de ensino, as aulas de informática e as aulas regulares na sala de aula do primeiro ano. Este trabalho possibilitou o aprofundamento das características utilizadas, avaliando a qualidade da relação e socialização entre estas duas esferas formativas para o aluno do primeiro ano do ensino fundamental, identificando os procedimentos metodológicos, e, ainda, investigando a profissionalização dos agentes educacionais, assim como sua formação.


Palavras-chave


Vivência tecnologia. Autonomia digital. Metodologias de ensino.

Texto completo:

PDF

Referências


BELLONI, M. L. Mídia-Educação: conceitos, história e perspectiva. Educ. Soc.Campinas, vol. 30, n. 109, p. 1081-1102, set./dez. 2009.

KLEIMAN, A. B. Modelos de letramento e as práticas de alfabetização na escola. In: KLEIMAN, A. B. Os significados do letramento. Campinas/SP: Mercado das Letras, 2012.

LÉVY, P. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. Tradução de Carlos Irineu da Costa. São Paulo: Ed. 34, 1993.

LUCAS, G. Vivências tecnológicas: Uma estratégia organizacional para auxiliar o processo de ensino e aprendizagem. 2015. 200 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – UFSCar, São Carlos. 2015.

LUDKE, H. A., André, M. E.D.A. Pesquisas em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 2012.

MONTEIRO, M. I. Alfabetização e letramento na fase inicial da escolarização. São Carlos: EdUfscar, 2010.

PAPERT, S. A máquina das crianças: repensando a escola na era da informática. Porto Alegre: Artmed, 2008.

SAMPAIO, M. N.; LEITE, L. S. Alfabetização tecnológica do professor. Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

SESI/SP. Regimento interno do sistema escolar. São Paulo: SESI-SP, 2010a.

SESI/SP. Linguagens e códigos: língua portuguesa, arte e educação física: movimento do aprender: 1 ano, Ensino Fundamental. São Paulo: SESI, 2010c. 202p.

SESI/SP. Diretrizes para educação integral em tempo integral. São Paulo: SESI, 2013.

SESI/SP. Educação integral em tempo integral: sistematização de ações educativas. São Paulo: SESI, 2010b.

SESI/SP. Referenciais Curriculares da Rede Escolar SESI-SP. Introdução ao fazer pedagógico da rede escolar SESI-SP. São Paulo: SESI, 2003. 2v.

SOARES, M. B. As muitas facetas da alfabetização. In: Alfabetização e letramento. São Paulo: Contexto, 2007.




DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v21.n3.2017.10091



Rev. on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1519-9029

DOI prefix: 10.22633/rpge

Licença Creative Commons 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.