A inclusão da pessoa com deficiência no mercado de trabalho: perspectivas sobre a exclusão produtiva

Bianca Gomes da Silva Muylaert Monteiro de Castro, Shirlena Campos de Souza Amaral, Luís Felipe Câmara Borges

Resumo


O presente trabalho, mediante revisão bibliográfica, busca mostrar como ocorreu a participação social da pessoa com deficiência no mercado de trabalho, mostrando que a participação social está diretamente ligada ao trabalho. As pessoas com deficiência foram, e ainda são, excluídas do mercado de trabalho pela associação que se faz entre deficiência e incapacidade e o trabalho segue esta linha de que a padronização imposta pelo mercado excluiu todos aqueles que não podiam contribuir com o desenvolvimento das forças produtivas. A sociedade atual migra para um estágio no qual as diferenças não mais são vistas como pontos negativos, valorizando os indivíduos por suas singularidades. Para tanto, recorre-se à legislação, que também foi modificada para atender às demandas das minorias, para garantir a igualdade social com base nos princípios constitucionais da isonomia e da dignidade da pessoa humana. Denota-se que o trabalho permite o estímulo ao seu desenvolvimento e constitui um fator decisivo no processo de inclusão social de pessoas com deficiência, sendo indispensável para a construção da individualidade do sujeito como participante ativo da sociedade. Para que ocorra essa construção, faz-se necessária a ação de múltiplos esforços e a participação de todos os segmentos da sociedade, oportunizando alternativas ligadas à inclusão social, de modo a se promover uma verdadeira mudança cultural em relação à diversidade e potencialidades humanas. Dessa forma, resulta-se que os desafios e os enfrentamentos encontrados pelas pessoas com deficiência estão ancorados na história da humanidade, revelando que a sociedade bem-sucedida é aquela que favorece, em todas as áreas, a convivência humana e o respeito à diversidade que a constitui.


Palavras-chave


Pessoa com deficiência. Mercado de trabalho. Inclusão. Exclusão.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, Shirlena Campos de Souza. O acesso do negro às instituições de ensino superior e a política de cotas: possibilidades e limites a partir do “caso” UENF. Dissertação (Mestrado em Políticas Sociais). Campos dos Goytacazes: PPGPS/UENF, 2006.

ARAÚJO, Luiz Alberto David. A proteção constitucional das pessoas portadoras de deficiência. 2. ed. Brasília: Coordenadoria Nacional para Integração das Pessoas Portadora de Deficiência, Ministério da Justiça, 1997.

ARAÚJO, Luiz Alberto David. A proteção constitucional das pessoas portadoras de deficiência: algumas dificuldades para efetivação dos direitos. In: SARMENTO, Daniel.; IKAWA, Daniela.; PIOVESAN, Flávia (coords.). Igualdade, diferença e direitos humanos. Rio de Janeiro: Lúmen Júris, 2008, p. 911-923.

BACILA, Carlos Roberto. Estigmas, um estudo sobre os preconceitos. Lumen Juris. Rio de Janeiro, 2005.

BELL, Daniel. O avento da sociedade pós-industrial: uma tentativa de previsão social. São Paulo: Cultrix, 1977.

BOCK, Keneth. Teorias do progresso, desenvolvimento e evolução. In: BOTTOMORE NISBET, Robert. História da análise sociológica. Rio de Janeiro: Zahar, 1980. p. 65-117.

BRASIL. Lei nº. 10.098, de 19 de dezembro de 2000.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Decreto Legislativo nº 186, de 9 de julho de 2008.

BRASIL. Programa Nacional de Direitos Humanos – PNDH. 11ª Conferência Nacional dos Direitos Humanos. Texto-base. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, 2008.

D’AMARAL, Márcio Tavares. Sem Limite: inclusão de portadores de deficiência no mercado de trabalho. 2ª ed, IBDD [coord.] – Rio de Janeiro: Editora SENAC-Rio, 2003.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2010.

MAZZOTTA, Marcos José Silveira. Educação especial no Brasil: história e políticas públicas. 5.ed. São Paulo: Cortez, 2005.

PARKIN, Frank. Estratificação social. In: BOTTOMORE NISBET, Robert. História da análise sociológica. Rio de Janeiro: Zahar, 1980. p. 780-822.

PESSOTI, I. Pré-história do condicionamento. Editora da Universidade de São Paulo: São Paulo, 1976.

PIMENTA, Alexandra, Salvado, Ana. Deficiência e desigualdades sociais. Sociedade e Trabalho, 41, p. 155-166.

PINTO, Paula Campos. Deficiência, sociedade e direitos: a visão do sociólogo. Disponível em: http://www.icjp.pt/sites/default/files/media/723-1116.pdf. Acesso em: 07 ago. 2014.

RIBAS, João. Preconceito contra as pessoas com deficiência: as relações que travamos com o mundo. São Paulo: Cortez, 2007.

SAAD, Suad Nader. Preparando o caminho da inclusão: dissolvendo mitos e preconceitos em relação à pessoa com Síndrome de Down. São Paulo. Vetor. 2003.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Um discurso sobre as ciências. São Paulo: Cortez, 2003.

SASSAKI, Romeu Kasumi. Inclusão: construindo uma sociedade para todos. 4ª edição. Rio de Janeiro: WVA, 2005.

SCHWARTZAN, J. S. Síndrome de Down. São Paulo: Markenzie, 1999.

SILVA, Maria Isabel da. Por que a terminologia “pessoas com deficiência”? Universidade Federal Fluminense. Núcleo de Acessibilidade e Inclusão Sensibiliza – UFF, 2009.




DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v21.n3.2017.10175



Rev. on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1519-9029

DOI prefix: 10.22633/rpge

Licença Creative Commons 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.