O grupo de estudo-reflexão perspectiva teórico-metodológica para formação continuada: um estudo com gestores públicos de educação especial

Mariangela Lima Almeida, Rayner Raulino Silva, Janaina Borges Alves

Resumo


Este texto focaliza o debate acerca da formação continuada de gestores e professores da educação com vistas a garantia da escolarização de alunos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades/superdotação.  Aborda o panorama dos movimentos e políticas em prol da inclusão escolar, dando destaque para pesquisas que tomam como objeto a formação e atuação de gestores públicos de Educação Especial. Analisa elementos que constituem um grupo de estudo-reflexão de gestores-pesquisadores e pesquisadores-acadêmicos que se dedicam a compreender os possíveis para a constituição de políticas de formação continuada na perspectiva da inclusão. O estudo em tela, assume como referencial teórico-epistemológico a pesquisa-ação colaborativo-crítica e as teorizações de Jürgen Habermas. O percurso do grupo é retomado a partir de diálogos presenciais e virtuais, registrados em diários de campo, relatórios de reuniões, transcrições dos encontros do grupo e dos seminários promovidos. Reflete elementos metodológicos que marcam a trajetória constitutiva desse grupo e problematiza o lugar do pesquisador na construção de conhecimentos sobre formação continuada. O processo vivido evidencia a possibilidade de uma perspectiva crítica da formação continuada promovida por meio de grupos de estudo-reflexão.

Palavras-chave


Formação continuada. Gestores públicos de educação especial. Pesquisa-ação colaborativo-crítica. Grupo de estudo-reflexão.

Texto completo:

PDF

Referências


ADELMAN, C. Kurt Lewin and the origins of action research. Educ Act Res, v.1, n.1, p. 7-24, 1993.

ALMEIDA, M. L. Uma análise da produção acadêmica sobre os usos da pesquisa-ação em processos de inclusão escolar: entre o agir comunicativo e o agir estratégico. 2010. 234 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2010.

ALMEIDA, M. L. A produção de conhecimento em educação especial e a pesquisa‐ ação: contribuições para as práticas educacionais na perspectiva da inclusão escolar. In: VICTOR, S. L.; DRAGO, V. R.; PANTALEÃO, E. (Org.). Educação especial: indícios, registros e práticas de inclusão. 1ed.São Carlos: Pedro &João, 2013, v. 1, p. 189-208.

ALMEIDA, M. L.; VIEIRA, A. B.; SILVA, R. R. Formação Continuada nos Municípios Capixabas: processos constituídos pelos gestores públicos em educação especial. IN: Lima-Rodrigues, L. & Rodrigues, D. (Orgs.). Atas do III Congresso Internacional “Educação Inclusiva e Equidade”. Almada, Portugal, de 31 de outubro a 2 de novembro de 2013, Pró-Inclusão: Associação Nacional de Docentes de Educação Especial.

ALMEIDA, M. L.; ZAMBON, G. F. O. Gestão da Educação Especial e Formação Continuada de Profissionais da Educação na Perspectiva da Inclusão Escolar. In: VICTOR, S. L.; OLIVEIRA, I. M. de. (Org.). Educação especial: políticas e formação de professores. Marília: ABPEE, 2016, v. 1, p. 137-158.

BARBIER, R. A pesquisa-ação. Tradução de Lucie Dibio. Brasília: Liber Libro, 2007.

BENTO, M. J. C.; SILVA, N. V. A construção de uma política pública de formação continuada de educação especial inclusiva na Região Serrana do Espírito Santo. 2015. 86 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Pedagogia). Universidade Federal do Espirito Santo. Vitória/ES. 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Conferência Mundial de Educação para Todos. Brasília, 1990. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/secretaria-de-educacao-especial. Acesso em: 16 jul 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução nº. 2, de 11 de setembro de 2001. Institui as Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Brasília: CNE/CEB, 2001.

BRASIL. Ministério da Educação. Ministério da Educação. Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. Brasília, 2007. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/secretaria-de-educacaoespecial. Acesso em: 16 jul. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Ministério da Educação. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, 2008.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução nº. 4, de 2 de outubro de 2009. Institui Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial. Brasília: CNE/CEB, 2009.

BRASIL. Ministério da Educação. Senado Federal. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional nº 9394/96. Brasília, 1996. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/ldb.pdf. Acesso em: 30 jul. 2017.

CARR, W.; KEMMIS, S. Teoría crítica de la enseñanza. Barcelona: Martinez Roca, 1988.

DALBEN, A. I. L. de F. Tensões entre formação e docência: buscas pelos acertos de um trabalho. In: DALBEN, A. I. L. de F. et al. Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente. Belo Horizonte: Autêntica. 2010.

FERRARO, A. R. Diagnóstico da escolarização no Brasil. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, n. 12, p. 22-47, 1999.

GIVIGI, R. C. do N. Tecendo redes, pescando ideias: (re)significando a inclusão nas práticas educativas na escola. 2007. 233 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2007.

GONÇALVES, A. F. S. As políticas públicas e a formação continuada de professores na implementação da inclusão escolar no município de Cariacica. 356 f. Tese (Doutorado em Educação), Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2008.

HABERMAS, J. Conhecimento e interesse. Tradução de José N. Heck. Rio de Janeiro: Guanabara, 1987a.

HABERMAS, J. Teoria de la accion comunicativa: racionalidad de la acion y racionalizacion social. Version de Manuel Jimenez Redondo. Madrid: Taurus, 1987b. v. 1.

HABERMAS, J. Teoría y práxis: estudios de filosofia social. Tradução de Salvador Mas Torres y Carlos Moya Espí. 4. ed. Madrid: Tecnos, 2000.

HABERMAS, J. Teoría y praxis: estudios de filosofia social. Tradução de Salvador MasTorres y Carlos Moya Espí. 4. ed. Madrid: Tecnos, 2002.

HABERMAS, J. Consciência moral e agir comunicativo. 2. ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2003.

HABERMAS, J. Verdade e justificação: ensaios filosóficos. Tradução de Milton Camargo Mota. São Paulo: Loyola, 2004.

IMBERNÓN, F. Formação continuada de professores. Porto Alegre: Artmed, 2010.

JESUS, D. M. de (Org.). Gestão da educação especial: pesquisa, política e formação. Curitiba: Appris, 2012.

JESUS, D. M.; PANTALEAO, E.; ALMEIDA, M. L. Formação continuada de gestores públicos de Educação Especial: Políticas locais para a inclusão escolar. Archivos Analíticos de Políticas Educativas/Education Policy Analysis Archives, v. 23, p. 29, 2015.

MENDES, E. G. Breve histórico da educação especial no Brasil. Revista Educación y Pedagogía, v. 22, n. 57, p. 92-106, mayo-agosto, 2010.

MEC/SECADI. A consolidação da inclusão escolar no Brasil 2003 a 2016. Brasil, 2016.

MOYSÉS, M. A. A. A institucionalização invisível: crianças que não aprendem na escola. Campinas: Mercado das Letras, 2013.

McLAREN, P. Multiculturalismo revolucionário: pedagogia do dissenso para o novo milênio. Porto Alegre: Artmed, 2000.

PANTALEÃO, E.; SOBRINHO, R. Escolarização de alunos com deficiência e as inter-relações família, escola e gestores públicos da Educação Especial. Revista Educação Especial, v. 27, p. 171-184, 2014.

RAMOS, I. O. Educação Especial e a Superintendência Regional de Educação de Cariacica: um diálogo possível. 2011. Tese (Doutorado em Educação) Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória. 2011.

RAMOS, I. O.; CRUZ, S. R. I.; SILVA, R. R. O chat como espaço de diálogo: as TICs como ferramenta de formação. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL, 3., E SEMINÁRIO CAPIXABA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA, 14., 2014, Vitória. Anais. Vitória: Ufes, 2014. v. 1., p. 1-8.

ROCHA, L. M. da. A gestão da Educação Especial nos municípios da área metropolitana norte de Curitiba: uma análise decorrente da Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. 2016. 181 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba. 2016.

SACRISTÁN, J. G. A construção do discurso sobre a diversidade e suas práticas. In: ALCUDIA, R. et al. Tradução de Daisy Vaz de Moraes. Atenção à diversidade. Porto Alegre: Artmed, 2002. p. 13-38.

SILVA, R. R. E.; ALMEIDA, M. L. Website: desafios e possibilidades na constituição de um fórum de gestores públicos de educação especial. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL, 6, 2014a, São Carlos. Anais. São Carlos/SP: UFSCAR, 2014a. v. 1, p. 1-15.

SILVA, R. R. E.; ALMEIDA, M. L. A constituição de um fórum de gestores públicos de educação especial pela via website: dos desafios às possibilidades In: SEMINÁRIO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL, 3., E SEMINÁRIO CAPIXABA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA, 14., 2014, Vitória. Anais. Vitória: Ufes, 2014b. v. 1.,p. 01-15.

SILVA, R. R. Formação continuada e gestão pública de educação especial: diálogos na web. 2014. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Pedagogia) - Universidade Federal do Espírito Santo. Vitória, 2014.

UNESCO. Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais. Salamanca, 1994.

THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. 7. ed. São Paulo: Cortez, 1996.




DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v21.n.esp2.2017.10184



Rev. on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1519-9029

DOI prefix: 10.22633/rpge

Licença Creative Commons 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.