O diálogo intercultural e a formação de professores na ANPED (2002-2015): há a inclusão ou exclusão?

Sawana Araújo Lopes de Souza

Resumo


O presente artigo surge de um mapeamento realizado no Grupo de Trabalho (GT) 8 da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPEd) que trata a respeito da formação de professores. O objetivo deste estudo é investigar a produção acadêmica dos artigos que foram aprovados no mencionado evento acadêmico entre os anos 2002 e 2015 e a sua correlação com o campo da formação de professores. Essa produção acadêmica é analisada com base em Freire (1996), Gatti (2011) que tratam sobre a formação de professores e, para o diálogo intercultural nos baseamos em autores latino-americanos como Candau & Russo (2010),Walsh (2007,2009), Santos (2010). Além disso, metodologicamente, caracteriza-se por ser do tipo qualitativa e documental.  Para análise dos dados adotamos como técnica a análise de conteúdo de Bardin (2011). Concluímos que a formação de professores tanto inicial como continuada precisa ter o debate da interculturalidade, pois existem interações entre as culturas tanto no espaço escolar quanto nas universidades. Além disso, com base neste mapeamento, constatamos que este debate, ainda, possui pouca representatividade na ANPEd (2002-2015), ou seja, 1% das pesquisas cientificas.


Palavras-chave


Diálogo intercultural. Formação de professores. ANPEd. Espaço de exclusão.

Texto completo:

PDF

Referências


ANPEd. Estatuto da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa Em Educação – ANPEd. Disponível em: http://www.anped.org.br/sites/default/files/estatuto_anped_registro_cartorio_.pdf. Acesso em: 20 jun. 2017.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BRASIL. As diretrizes e bases da educação nacional, o "Programa Escola sem Partido". Disponível em: http://www.camara.gov.br/sileg/integras/1317168.pdf. Acesso em: 20 jun. 2017.

BRASIL. Apresentação da Base Nacional Comum Curricular. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/pdf/0_BNCC-Final_Apresentacao.pdf. Acesso em: 20 jun. 2017.

BRASIL. Lei Federal nº 10.639/2003. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática “História e cultura Afro-Brasileira” e dá outras providências. Brasília, 2003b. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil/leis/2003/l10.639.htm. Acesso em: 20 jun. 2017.

BRASIL. Lei Federal nº 11.645/2008. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade de temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. Brasília, 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Lei/11645.htm. Acesso em: 20 jun. 2017.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior, (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Resolução CNE/CP n.2 de 2015a. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php. Acesso em: 07 jun. 2017.

CANDAU, Vera.; RUSSO, Kelly. Interculturalidade e Educação na América Latina: uma construção plural, original e complexa. Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v. 10, n. 29, p. 151-169, jan./abr. 2010.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 23. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GATTI, Bernardete Angelina. Políticas docentes no Brasil: um estado da arte / Bernardete Angelina Gatti, Elba Siqueira de Sá Barretto e Marli Eliza Dalmazo de Afonso André. – Brasília: UNESCO, 2011.

LÜDKE, Menga.; ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo de Afonso. Pesquisa em educação: Abordagens qualitativas. 2. ed. Rio de Janeiro: EPU, 2013.

MEINERZ, Carla Beatriz.; ANTUNES, Claudia Pereira.; BERGAMASCHI, Maria Aparecida. Interculturalidade e Educação das Relações Étnico-Raciais: reflexões sobre a aplicação da Lei 11.645/08 no Rio Grande Do Sul. Revista Periferia. v.7 n.1. p.90-106. 2015

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 13. ed. São Paulo: Hucitec, 2013.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

SILVA, Janssen Felipe da.; FERREIRA, Michele Guerreiro.; SILVA, Delma Josefa da. Educação das relações étnico-raciais: um caminho aberto para a construção da educação intercultural crítica. Revista Eletrônica de Educação, São Carlos, v. 7, n. 1, p. 248-272, maio 2013.

WALSH, Catherine. Interculturalidad Crítica/Pedagogia decolonial. In: Memórias del Seminário Internacional “Diversidad, Interculturalidad y Construcción de Ciudad”, Bogotá: Universidad Pedagógica Nacional 17-19 de abril de 2007.

WALSH, Catherine. Interculturalidad y (de)colonialidad: Perspectivas críticas y políticas. CONGRESSO DA ASSOCIATION INTERNATIONALE POUR LA RECHERCHE INTERCULTURRELE (ARIC), 12, 2009, Anais... Florianópolis. Diálogos interculturais: descolonizar o saber e o poder. Florianópolis: UFSC.




DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v21.n.esp2.2017.10194



Rev. on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1519-9029

DOI prefix: 10.22633/rpge

Licença Creative Commons 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.