Saga Cigana: narrativas (auto) biográficas intergeracionais na comunidade do bairro Sumaré no município de Sobral-CE

Liana Liberato Lopes Carlos, Andrea Abreu Astigarraga

Resumo


Quem são, como vivem, o que pensam os integrantes de várias gerações ciganas? O que sabemos sobre eles são transmitidos por eles mesmos ou pelo filtro do preconceito, da discriminação e do estigma? Em que medida o diálogo intercultural permeia a visão que a sociedade tem da comunidade cigana? Este artigo descreve e analisa três narrativas autobiográficas intergeracionais ciganas compostas por uma família organizada em pai, filha e tio, que serão denominados de: SOL, LUA e ESTRELA, respectivamente. A comunidade cigana em estudo está situada no Bairro Sumaré, no município de Sobral, no Ceará. As narrativas orais foram coletadas em forma de entrevistas semiestruturadas. O principal resultado da pesquisa nos revela que a comunidade cigana ainda vive envolta no preconceito, na estigmatização. Percebemos, na pesquisa que, a comunidade faz sua história para enfrentar as situações de estigma e exclusão sócio-cultural, com atitudes de resistências, mantendo seus costumes e jeito de ser. Por fim, compreendemos que ouvir a comunidade cigana, suas vozes, para servirmos como amplificadores de suas resistências, possibilita manter e recuperar suas identidades culturais, no que diz respeito às suas origens.

Palavras-chave


Ciganos. Estigma. Interculturalidade. Narrativas intergeracionais.

Texto completo:

PDF

Referências


BAUMAN, Z. Amor Líquido: sobre a fragilidade dos laços humanos. Trad. Carlos Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2004.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria Especial dos Direitos Humanos. Povo cigano: o direito em suas mãos. Brasília, DF: Presidência da República, 2007.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: pluralidade cultural, orientação sexual/secretaria de educação fundamental. Brasília: MEC/SEF,1997.

BROCKMEIER, Jens.; HARRÉ, Rom. Narrativa: problemas e promessas de um paradigma alternativo. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 16, n. 3, p. 525-535, 2003.

CARLOS, Liana Liberato Lopes.; CAVALCANTE, Maria Juraci Maia. O passado como um Presente mais ou menos invisível: as memórias dos ciganos assentados no Bairro Sumaré em Sobral-Ceará. In: CONGRESSO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO CEARÁ, 14, 2015, Crato. Comunicação oral. Crato: URCA, 2015.

CARLOS, Liana Liberato Lopes. Memória, Cultura e Tradição: Trajetória Histórica dos Ciganos em Sobral-Ceará (1974-2000). Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2016.

CHARTIER, Roger. História cultural: entre práticas e representações. 2 ed. Lisboa: DIFEL, 1990. (Coleção memória e sociedade).

GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Tradução de Márcia Bandeira de M. L. Nunes. Rio de Janeiro: LTC, 1988.

GOLDFARB, Maria Patrícia Lopes. Memória e etnicidade entre os calons de Sousa. João Pessoa: Editora UFPB, 2013.

HILKNER, Regiane Aparecida Rossi. Ciganos: peregrino do tempo- ritual, cultura e tradição. Tese de Doutoramento, Campinas - São Paulo, 2008.

LARAIA, Roque de Barros. Cultura: um conceito antropológico. 24 ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1999.

LÉVI-STRAUSS, Claude. O pensamento selvagem. Rio de Janeiro: Zahar, 1983.

MAIA. Simone Brilhante. A dança cigana como prática artística pedagógica. Disponível em: https://monografias.ufrn.br/jspui/bitstream/123456789/1290/1/Maia_Simone_Brilhante.pdf. Acesso em: 24 ago. 2015.

NUNES, Olímpio. O povo cigano. 2 ed. Lisboa: Artes Gráficas; Águeda, 1996.

PASSEGGI, Maria da Conceição. Narrar é humano! Autobiografar é um processo civilizatório. In: PASSEGGI; Silva (Org.). Invenções de vidas, compreensão de itinerários e alternativas de formação. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. p. 103-130.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. História e história cultural. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

RICOUER, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Tradução de Alain François. Campinas: Editora da UNICAMP, 2007.

SARMENTO, Manuel Jacinto. Gerações e alteridade: interrogações a partir da sociologia da infância. Revista Educação e Sociedade, v. 26, n. 91. Campinas: Cedes, 2005.

SILVA, Lailson Ferreira da. Parentesco, relações sociais e estilo de vida entre os calons de Sobral, Ceará. 2015. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2015.

THOMPSON, Paul. A voz do passado. Tradução Lólio Lourenço de Oliveira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. 21. reimpr. São Paulo: Atlas, 2012.

UNESCO, Relatório Mundial da. Investir na diversidade cultural e no diálogo intercultural. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0018/001847/184755por.pdf. Acesso: em: 27 jul. 2017.




DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v21.n.esp2.2017.10205



Rev. on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1519-9029

DOI prefix: 10.22633/rpge

Licença Creative Commons 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.