O afeto e o cuidar no desenvolvimento de crianças com deficiência na educação infantil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v22i3.11581

Palavras-chave:

Cuidar, Afeto, Educação Infantil, Educação Especial

Resumo

O afeto e o cuidar são importantes alicerces na educação infantil e essenciais para o desenvolvimento de crianças com ou sem deficiência. Assim, a formação dos profissionais desse período inicial da Educação Básica precisa ser um tema em pauta e foco de discussão. Propiciar essa reflexão na escola pode favorecer a inclusão de crianças desde as fases iniciais da vida escolar. Este texto busca discutir e propor reflexões sobre ações que podem ser realizadas no contexto escolar da Educação Infantil para favorecer um ambiente de aprendizado mais humanizado. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Danielle Da Silva Pinheiro Wellichan, UNESP Marília

Bibliotecária, Pedagoga, Mestra em Ciência da Informação e Doutoranda em Educação, na linha de Pesquisa Educação Especial, na UNESP Marilia.

Fernanda Delai Lucas Adurens, UNESP Marília

Psicóloga, Especialista em Psicologia Clínica e de Saúde, Intervenção Precoce em Clínica Interdisciplinar e Saúde Mental, Mestranda em Educação - UNESP/Marília.

Referências

ABRAMOWICZ, A.; ROCHA, M. J. S.; CUNHA, I. M. O desenvolvimento das crianças de três a seis anos. In: PALHARES, M. S.; MARINS, S. Escola inclusiva. São Carlos: EdUFSCar, 2002. p 237- 249.

AMORIN, A. L. N. de; DIAS, A. A. Formação do professor de educação infantil: políticas e processos. Revista Educ. PUC Campinas. v. 18, n. 1, p. 37-45, 2013.

ANDRÉ, R.C.M.O. Creches: desafios e possibilidades. Uma proposta curricular para além do educar e cuidar. 2016. 185 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2016. Disponível em: <https://sapientia.pucsp.br/handle/handle/18834>. Acesso em: 17 nov. 2017.

ARIÈS, P. História social da criança e da família. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1973.

BERNARDINO, L. M.F. A abordagem psicanalítica do desenvolvimento infantil e suas vicissitudes. In: BERNARDINO, L. M. F. (org). O que a psicanalise pode ensinar sobre a criança, sujeito em constituição. São Paulo: Escuta, 2006.

BERNARDINO, L. M.F. et al. Análise da relação de educadoras com bebês em um centro de educação infantil a partir do protocolo IRDI. In: KUPFER, M. C.M; LERNER, R. (Orgs.). Psicanálise com crianças: clínica e pesquisa texto. São Paulo: Escuta, 2008. p. 207-220

BOWLBY, J. Apego. Martins Fontes: São Paulo, 1984.

BONOME-PONTOGLIO, C. F.; MARTURANO, E. M. Brincando na creche: atividades com crianças pequenas. Estud. psicol. (Campinas), v. 27, n. 3, p. 365-373, set. 2010. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-166X2010000300008&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 27 fev. 2018.

BOWLBY, J. Perda: tristeza e depressão. Martins Fontes: São Paulo, 1985

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em Nível Superior. Brasília, DF: MEC, 2001.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil. Brasília: MEC; SEB, 2010. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view= download&alias=9769-diretrizescurriculares-2012&category_slug= janeiro-2012-pdf&Itemid=30192 >. Acesso em: 21 fev. 2018.

BRASIL. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Brasília, 6 de julho de 2015. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/ Lei/L13146.htm >. Acesso em: 17 mar. 2017.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, n.9394/96. Disponível em . Acesso em 15 jul.2018.

BERSCH, R.; MACHADO, R. Conhecendo o aluno com deficiência física. In: SCHIRMER, C. R.; BROWNING, N.; BERSCH, R.; MACHADO, R. Atendimento educacional especializado: Deficiência física. SEESP/SEED/MEC. Brasília, 2007. p.15-24.

BRUNO, M. M. G. Educação Infantil: saberes e práticas da inclusão: introdução. 4.ed. Brasília: MEC: Secretaria de Educação Especial, 2006. Disponível em:<http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/introducao.pdf> Acesso em: 02 maio 2018.

CAPELASSO, R. R. M. Contribuições da educação e da psicologia: a importância do vínculo afetivo entre as auxiliares do desenvolvimento infantil e crianças da creche de 0 a 4 anos. 2011. 100 p. Dissertação (Mestrado) – Universidade do Oeste Paulista, Programa de Pós-Graduação em Educação. Presidente Prudente, SP, 2011. Disponível em: <http://bdtd.unoeste.br:8080/jspui/bitstream/tede/843/1/dissertacao.pdf> Acesso em: 29 jun. 2018.

CARVALHO, E. A; ROLÓN, J. C. C.; MELO, J. S. M. Os Vínculos Afetivos na Construção do Ensino Aprendizagem. Revista Multidisciplinar e de Psicologia, v. 12, n. 39, 2018.

COUTINHO, A. S. Os Bebês e a brincadeira: questões para pensar à docência. Da Investigação às Práticas, v. 4, n. 1, p. 31-43, 2013. Disponível em: <http://www.scielo.mec.pt/pdf/inp/v4n1/v4n1a03.pdf>. Acesso em: 5 mar. 2018.

CULLERE-CRESPIN, G. Discussão da evolução de uma síndrome autística tratada em termos de estruturação psíquica e de acesso à complexidade. Psicologia Argumento. Curitiba, v. 28, n. 61, p.159-166; abril-junho 2010.

DE VITTA, F.C.F.; DE VITTA, A.; MONTEIRO, A. S. R. Percepção de professores sobre inclusão na educação infantil, Rev. Bras. Ed. Esp., Marília, v.16, n.3, p.415-428, Set-Dez., 2010.

DESSEN, M. A.; POLONIA, A da C. A Família e a Escola como contextos de desenvolvimento humano. Paidéia, v.17, n.36, p.21-32, 2007.

DIDONET, V. Creche: a que veio...para onde vai... Revista Em aberto, Brasília, v. 18, n. 73, p. 11-27, jun. 2001. Disponível em: <http://emaberto.inep.gov.br/index.php/emaberto/article/view/2133>. Acesso em: 21 fev. 2018.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 12. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

GENTILE, P. Antonio Nóvoa: "professor se forma na escola". Nova Escola, 01/05/2001. Disponível em: <https://novaescola.org.br/conteudo/179/entrevista-formacao-antonio-novoa> Acesso em: 17 jan. 2018.

GONZALES-MENA, J.; EYER, D.W. O cuidado com bebês e crianças pequenas na creche: um currículo de educação e cuidados baseado em relações qualificadas. 9.ed. Porto Alegre: AMGH, 2014.

INFANTE, D. O outro do bebê: as vicissitudes do tornar-se sujeito. In: ROHENKOHL, C. M. F.(org.). A clínica com o bebê. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2000.

HEYWOOD, C. Uma história da infância da Idade Média à época contemporânea no Ocidente. Porto Alegre: Artmed, 2004.

JERUSALINSKY, J. Enquanto o futuro não vem: a psicanálise na clínica interdisciplinar com bebês 1971, 2 ed. Salvador: Ágalma, 2002, v. 3 (Coleção de Calças Curtas).

JERUSALINSKY, J. A criação da criança: Brincar, gozo e fala entre a mãe e o bebê. Salvador, BA: Ágalma, 2011.

JÓIA, A. Brincando para aprender ou aprender brincando: a ludicidade no cotidiano da creche. 2014. 154f. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2014. Disponível em: <https://sapientia.pucsp.br/bitstream/handle/9813/1/Adelaide%20Joia.pdf> Acesso em: 17 fev. 2018.

KRAMER. S. Formação de profissionais de educação infantil: questões e tensões. In: MACHADO, M. L. A. (Org.). Encontros e desencontros em educação infantil. São Paulo: Cortez, 2005.

LA TAILLE, Y; OLIVEIRA, M. K.; DANTAS, H. Piaget, Vygotsky, Wallon: teorias psicogenéticas em discussão. São Paulo: Summus, 1992.

LEITE, S. A. S. (org.). Afetividade e práticas pedagógicas. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2006.

MARIOTTO, R. M. M. Atender, cuidar e prevenir: a creche, a educação e a psicanálise. Estilos da Clínica, v. 8, n. 15, p. 34-47, 2003. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/pdf/estic/v8n15/v8n15a03.pdf >. Acesso em: 17 mar. 2017.

MARIOTTO, R. M. M. Cuidar, educar e prevenir: as funções da creche na subjetivação de bebês. São Paulo: Escuta, 2009.

MATURANA, H. Emoções e linguagem na educação e na política. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2001

MAZZOTTA, M. J. S. Fundamentos de educação especial. São Paulo: Pioneira, 1982.

MONDIN. E. M. C. Interações afetivas na família e na pré-escola. Estudos de Psicologia, v.10, n.1, p.131-138, 2005.

MONTE, F. R. F. do. Inclusão na educação infantil: concepções e perspectivas de educadoras de creche. 2006. 119 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Católica de Brasília, Brasília, 2006.

NONO, M. A. Educar e cuidar nas creches e pré-escolas. UNIVESP, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, 2015. Disponível em: <http://www.acervodigital.unesp.br/bitstream/123456789/230/1/01d12t04.pdf>. Acesso em: 20 nov. 2017.

OLIVEIRA, C. C. de. Concepções de profissionais da Educação Infantil sobre a Educação Especial para crianças de zero a três anos. 2014.186 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Espirito Santo, Vitória, 2014.

OLIVEIRA, Z. De M. R de. Educação Infantil: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2013.

PEREIRA, P. C.; MATSUKURA, T. S. Inclusão escolar e educação infantil: um estudo de caso. Revista Educação Especial, Santa Maria, v. 26, n. 45, p. 125-144, jan./abr. 2013.

PIAGET, J. Seis estudos de psicologia. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001.

SABOIA, C. O Brincar precoce do bebê como indicador de riscos de sofrimento psíquico. Estilos da Clínica, São Paulo, v. 20, n. 2, p. 181-193, ago. 2015. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/estic/article/view/107617>. Acesso em: 07 mar. 2018.

SILVA, C.R.; BOLSANELLO, M. A. No Cotidiano das creches o cuidar e o educar caminham juntos. Interação em Psicologia, v. 6, n. 1, p. 31-36, 2002. Disponível em: <http://revistas.ufpr.br/psicologia/article/view/3190>. Acesso em: 10 mar.2018.

SNYDERS, G. Alunos felizes: reflexão sobre a alegria na escola a partir de textos libertários. Rio de Janeiro: Paz e Terra,1996.

SPITZ, R. A. Desenvolvimento emocional do recém-nascido. Tradução: MANHÃES, M. P. Livraria Pioreira. 1960.

SZYMANSKI, H. A família como um locus educacional: perspectivas para um trabalho psicoeducacional. R. Bras. Est. Pedag. v. 81, n 197, p.14-25, 2000.

VEIGA, M.M. A inclusão de crianças deficientes na educação infantil. Paidéia, maio 2008. Disponível em:<http://www.fumec.br/revistas/paideia/article/viewFile/924/698> Acesso em: 28 abr. 2018.

VIGOTSKY, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

VITTA, F. C. F. de; EMMEL, M. L. G.. A dualidade cuidado x educação no cotidiano. Paidéia, Ribeirão Preto, v.14, n.28, p.177-189, 2004.

VOLTOLINI, R. Formação de professores e psicanálise. In: KUPFER, M. C. M.; PATTO, M. H. S.; VOLTOLINI, R. (Org.) Práticas inclusivas em escolas transformadoras: acolhendo o aluno-sujeito. São Paulo: FAPESP; ESCUTA, 2017. p. 171- 188.

WINNICOTT, D W. Os bebês e suas mães. 3.ed. Trad: Jefferson Luiz Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

Downloads

Publicado

01/12/2018

Como Citar

WELLICHAN, D. D. S. P.; ADURENS, F. D. L. O afeto e o cuidar no desenvolvimento de crianças com deficiência na educação infantil. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 22, n. 3, p. 1081–1097, 2018. DOI: 10.22633/rpge.v22i3.11581. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/11581. Acesso em: 28 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)