A promoção da convivência ética e a prevenção da violência na escola

Considerações sobre a formação docente

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v26iesp.3.16954

Palavras-chave:

Desenvolvimento moral, Convivência na escola, Formação continuada de professores, Programa de coabitação, Treinamento em escala

Resumo

O objetivo desta investigação foi descrever e analisar as percepções das equipes gestoras e docentes atuantes da rede estadual paulista a respeito de uma proposta de formação continuada que integra a construção de um programa de convivência escolar. Os dados foram obtidos com a utilização de escalas inspiradas em rubricas de avaliação respondidas por 92 gestores regionais, 1440 vice-diretores e Professores Mediadores da Convivência Escolar e 5551 docentes. Verificamos que a maioria dos profissionais compreendem conceitos relacionados ao desenvolvimento da autonomia moral do sujeito, concordam com a importância de oportunizar espaços de reconhecimento dos sentimentos dos estudantes, além da necessidade de um ambiente cooperativo, de uma comunicação não violenta e de relações recíprocas. Entretanto, para a maioria, transformar tudo isso em práticas que permeiam a rotina da escola e da sala de aula ainda é um desafio, reforçando a necessidade de que a formação docente inclua espaços contínuos de diálogo e reflexão sobre as temáticas relacionadas à convivência na escola.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Darlene Ferraz Knoener, Universidade Estadual de São Paulo (UNESP), Araraquara – SP – Brasil

Doutoranda em Educação Escolar.

Natália Cristina Pupin Santos, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara – SP – Brasil

Mestrado em Educação Escolar.

Lídia Morcelli Duarte, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara – SP – Brasil

Mestranda em Educação Escolar.

Referências

BLOOM, B. S.; HASTING, T.; MADAUS, G. Manual de avaliação formativa e somativa do aprendizado escolar. São Paulo: Editora Pioneira, 1983.

BRASIL. Lei n. 13.853, de 8 de julho de 2019. Altera a Lei n. 13.709, de 14 de agosto de 2018, para dispor sobre a proteção de dados pessoais e para criar a Autoridade Nacional de Proteção de Dados. Brasília, DF: Presidência da República, 2019. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2019/lei/l13853.htm. Acesso em: 8 mar. 2022.

CAMARGO, C. C. O.; MENDES, O. M. A avaliação formativa como uma política includente para a educação escolar. Revista Educação e Políticas em Debate, v. 2, n. 2, p. 372-390, jul./dez. 2013. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revistaeducaopoliticas/article/view/24825/. Acesso em: 11 ago. 2021.

CUADRA MARTINEZ, D. Teorías subjetivas en docentes de una escuela de bajo rendimiento, sobre la enseñanza y el aprendizaje del alumno. Revista mexicana de investigación educativa, México, v. 14, n. 42, p. 939-967, 2009. Disponível em: http://www.scielo.org.mx/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1405-66662009000300015&lng=es&nrm=iso. Acesso em: 20 jul. 2021.

FODRA, S. Convivência em escolas públicas estaduais de São Paulo: Um estudo de caso sobre o Programa CONVIVA – SP. 2021. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação de Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2021 (em andamento).

FULLAN, M. Los nuevos significados del cambio en educación. Barcelona: Octaedro, 2002.

GATTI, B. A.; BARRETO, E. S. S.; ANDRÉ, M. E. D. A. Políticas docentes no Brasil: Um estado da arte. Brasília, DF: UNESCO-Brasil; MEC, 2011.

GERHARDT, T. E.; SILVIERA, D. T. (org.). Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

GOERGEN, P. Educação moral hoje: Cenários, perspectivas e perplexidades. Rev. Educ. & Soc., Campinas, v. 28, n. esp. 100, p. 737-762, 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/T5FzhC7c9fDQynkkLXzYCTH/abstract/?lang=pt. Acesso em: 15 set. 2021.

JARES, X. Pedagogia da Convivência. São Paulo: Palas Athena, 2008.

KNOENER, D. F. Quando a convivência pede por cuidado: Bullying e assédio moral em ambientes universitários. 2019. Dissertação (Mestrado em Educação Escolar) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, São Paulo, 2019. Disponível em: http://hdl.handle.net/11449/181949. Acesso em: 15 jul. 2019.

LA TAILLE, Y. Vergonha, a ferida moral. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

MARTÍNEZ MARTÍN, M.; PUIG ROVIRA, J. M.; TRILLA BERNET. J. Escuela, profesorado y educación moral. Teoría de la Educación: Revista Interuniversitaria, v. 15, p. 57-94, 2009. Disponível em: https://revistas.usal.es/index.php/1130-3743/article/view/3026. Acesso em: 8 mar. 2021.

MOLINA, A. A.; RODRIGUES, A. A. Estado, Políticas Públicas e Formação Docente no Brasil: Direcionamentos a partir do início do século XXI. Ensino em Re-Vista, v. 27, n. 1, p. 40–67, 2020. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/emrevista/article/view/52744. Acesso em: 8 jan. 2022.

NUNES, C. Avaliação em escolas inovadoras. In: GRAVATÁ, A. et al. Destino: Educação. Escolas inovadoras. São Paulo: Fundação Santillana, 2016.

PIAGET, J. O juízo moral na criança. São Paulo: Summus, 1932.

SANTOS, N. C. P. A descrição da construção coletiva do Programa Antibullying em uma rede de ensino: Para que a convivência ética seja valor. 2021. Dissertação (Mestrado em Educação Escolar) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, São Paulo, 2021.

Disponível em: http://hdl.handle.net/11449/213976. Acesso em: fev. 2022.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. São Paulo: Editora Vozes Limitada, 2012.

TOGNETTA, L. R. P.; AVILÉS MARTÍNEZ, J. M.; DAUD, R. P. Respeito é bom e eu gosto! O valor do respeito. In: TOGNETTA, L. R. P.; MENIN, M. S. S. (org.). Coleção Valores Sociomorais: Reflexões para a Educação. Americana, SP: Adonis, 2017. 2 v.

VINHA, T. P. et al. Da escola para a vida em sociedade. O valor da convivência democrática. TOGNETTA, L. R. P.; MENIN, M. S. S. (org.). Valores Sociomorais: Reflexões para a Educação. Americana, SP: Adonis, 2017.

VIVALDI, F. M. C. Pesquisas empíricas sobre práticas morais nas escolas brasileiras: O estado do conhecimento. 2013. Dissertação (Mestrado em Psicologia Educacional) – Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas, São Paulo, 2013. Disponível em: http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/253949. Acesso em: 24 ago. 2018.

WREGE M. G. et al. Linguagem do Educador e a Autonomia Moral. Revista Eletrônica de Psicologia e Epistemologia Genéticas. v. 6, n. 2, p. 115-132, ago./dez. 2014. Disponível em: http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/scheme/article/view/4655. Acesso em: 20 jan. 2015.

VINHA, T. P. et al. Da escola para a vida em sociedade. O valor da convivência democrática. TOGNETTA, L. R. P.; MENIN, M. S. S. (org.). Valores Sociomorais: Reflexões para a Educação. Americana, SP: Adonis, 2017.

ZECHI, J. A. M. Educação em valores: Solução para a violência e indisciplina na escola? 2014. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Presidente Prudente, São Paulo 2014. Disponível em: http://www2.fct.unesp.br/pos/educacao/teses/2014/dr/juliana_zechi.pdf. Acesso em: 08 mar. 2021.

Publicado

01/07/2022

Como Citar

KNOENER, D. F. .; PUPIN SANTOS, N. C. .; DUARTE, L. M. . A promoção da convivência ética e a prevenção da violência na escola: Considerações sobre a formação docente. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 26, n. esp.3, p. e022094, 2022. DOI: 10.22633/rpge.v26iesp.3.16954. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/16954. Acesso em: 11 ago. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.