O movimento higienista como política pública: aspectos históricos e atuais da medicalização escolar no Brasil

Fabiola Colombani, Raul Aragão Martins

Resumo


Este artigo faz uma discussão acerca da medicalização escolar presente no mundo contemporâneo e sua relação com o movimento higienista implantado como política pública no início do século XX, como também, a participação dos laboratórios farmacêuticos no crescente aumento do uso de psicotrópicos na infância. A união composta entre a saúde e a educação produz um olhar biologizante que estigmatiza e individualiza àqueles que apresentam dificuldades no âmbito escolar. Respaldados por uma visão hegemônica, tal prática sustenta uma maquinaria proveniente de uma tecnologia política que domina e abre brechas para a governamentalidade. Assim, este trabalho destina-se a discutir o processo de patologização e medicalização da infância e suas implicações no campo das políticas públicas à luz da teoria Genealógica de Michel Foucault, que por meio da Biopolítica faz uma crítica alusiva à escola por essa tendência em desrespeitar as subjetividades com condutas policialescas “em defesa” de uma sociedade que desconsidera as relações interpessoais e se posiciona como um aparato regulamentador. 


Palavras-chave


Medicalização. Políticas públicas. Biopolítica. Educação.

Texto completo:

PDF

Referências


ANGELL, M. A verdade sobre os laboratórios Farmacêuticos. Tradução: Waldéa Rabinovitch. Rio de Janeiro: Record, 2007.

ARRUDA, Marco Antônio. Levados da Breca. Ribeirão Preto, 2006.

BOARINI,M.L. (org.) Higiene e Raça como projetos: higienismo e eugenismo no Brasil. Maringá PR: Eduem,2003.

BRANT, L.C.; CARVALHO, T.R.F. Methyl phenidate: medication as a “gadget” of contemporary life. Interface - Comunicação, Saúde e Educação, v.16, n.42, p.623-36, 2012.

CALIMAN, L.V.; DOMITROVIC, N. Uma análise da dispensa pública do metilfenidato no Brasil: o caso do Espírito Santo. Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 23 [3]:879-902, 2013.

CARLINI, E.A; NAPPO, S.A; NOGUEIRA, V.; NAYLON, F.G.M. Metilfenidato: influência da notificação de receita A (cor amarela) sobre a prática de prescrição por médicos brasileiros. Revista de Psiquiatria clínica. São Paulo, vol.30,n°01,2003.

COLLARES, C. A. L.; MOYSÉS M. A. A. Fracasso Escolar uma questão médica? Caderno Cedes n°15. São Paulo: Cortez,1985.

EIDT, N. M.; TULESKI, S. C. Discutindo a medicalização brutal em uma sociedade hiperativa. In: MEIRA, M. E.M; FACCI, M. G. D. (orgs.). Psicologia Histórico-Cultural: contribuições para o encontro entre a subjetividade e a educação. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2007.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir, 35ª ed. Petrópolis:Vozes,2008a.

FOUCAULT, M. Segurança, território, população. Curso no Collège de France (1977-1978). São Paulo: Martins Fontes, 2008b.

GARRIDO, J.; MOYSÉS, M. A. A. Um panorama nacional dos estudos sobre a medicalização da aprendizagem de crianças em idade escolar. In: Medicalização de crianças e adolescentes: conflitos silenciados pela redução de questões sociais a doença de indivíduos/ organizadores Conselho Regional de Psicologia de São Paulo; Grupo Interinstitucional Queixa Escolar. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2011.

GUARIDO, R. A biologização da vida e algumas implicações do discurso médico sobre a educação. In: Medicalização de crianças e adolescentes: conflitos silenciados pela redução de questões sociais a doença de indivíduos/ organizadores Conselho Regional de psicologia de São Paulo; Grupo Interinstitucional Queixa Escolar. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2011.

IDUM. Instituto Brasileiro de Defesa dos Usuários de Medicamentos. Disponível em: . Acesso em:10 de Junho de 2009.

ILLICH, I. A expropriação da saúde nêmesis da medicina. Rio de Janeiro: Nova fronteira, 1975.

ITABORAHY, C. A ritalina no Brasil: uma década de produção, divulgação e consumo. Dissertação (Mestrado) – Instituto de Medicina Social, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de janeiro, 2009.

LUENGO, F. C. A vigilância punitiva: a postura dos educadores no processo de patologização e medicalização da infância [online]. São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010.

MARQUES, V.R.B. A Medicalização da Raça: Médicos, Educadores e Discurso Eugênico. Campinas: Editora da UNICAMP, 1994.

MOYSÉS, M. A. A.; COLLARES, C. A. Inteligência abstraída, crianças silenciadas: as avaliações de inteligência. Psicologia USP, v.8, n.1, São Paulo, 1997, p. 63-89.

MOYSÉS, M. A. A.; COLLARES, C. A. Dislexia existe? Questionamentos a partir de estudos científicos. Cadernos Temáticos n° 8. Dislexia: subsídios para políticas públicas/ Conselho Regional de Psicologia da 6ª Região – São Paulo: CRPSP, 2010.

ORTEGA, F. et. a.l. A ritalina no Brasil: produções, discursos e práticas. Interface – Comunic., Saúde, Educ., v.14, n. 34, p. 499-512, 2010.

PATTO, M. H. S. Para uma crítica da razão psicométrica. In: PATTO, M, H, S. Mutações do Cativeiro: escritos de psicologia e política. São Paulo: Hacker Editore/ Edusp, 2000, pp.65-83.

SAYÃO, R. Profusão de estímulos. Jornal Folha de São Paulo. Disponível em: . Acesso em: 15 fev. 2014.




DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v21.n1.2017.9788



Rev. on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1519-9029

DOI prefix: 10.22633/rpge

Licença Creative Commons 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.