Psicologia escolar: humanizar é preciso

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30715/doxa.v22i1.13975

Palavras-chave:

Artigo, Humanização, Psicologia escolar.

Resumo

O presente artigo aborda uma experiência de intervenção no campo da Psicologia Escolar em uma Escola Municipal, realizado por um acadêmico do curso de graduação em Psicologia da Faculdade Anhanguera de Bauru, no segundo semestre de 2019. A realização do estágio escolar possibilitou não apenas a vivência da prática, mas um maior conhecimento de uma das áreas de atuação da Psicologia, a Psicologia Escolar, uma área ainda nova, onde há uma necessidade de profissionais interessados e a consequente carência destes no ambiente escolar. O processo de ensino-aprendizagem está atrelado não apenas à formação técnica, metodológica, mas também a sua formação humana. Para o levantamento dos dados foi aplicado dois questionários, onde os professores responderam de acordo com a vivência em sala de aula, levando como relevância a metodologia, didática e habilidades sociais. Nos resultados obtidos, a maior parte dos Professores tem dificuldades na relação “Professor/Aluno” foi possível embasar uma intervenção para que a aprendizagem ocorra de uma forma mais humana, estreitando o vínculo entre professor e aluno para a construção do conhecimento, juntamente com todos os atores da escola.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jonas Lincoln Medolago, Faculdade Anhanguera de Bauru (FAB), Bauru – SP

Graduando em Psicologia.

Tayná Maiara Pilla Rodrigues, Faculdade Anhanguera de Bauru (FAB), Bauru – SP

Docente Assistencial Preceptora em Psicologia.

Maria Luiza Mariano, Faculdade Anhanguera de Bauru (FAB), Bauru – SP

Docente do Departamento de Psicologia e Pedagogia. Mestre em Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem (UNESP).

Referências

ANTUNES, M. A. M. Psicologia Escolar e Educacional: história, compromissos e perspectivas. Psicol. Esc. Educ., Campinas, v. 12, n. 2, p. 469-475, dez. 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-85572008000200020. Acesso em: 16 out. 2019.

BARASUOL, V. S. A Comunicação humanizadora no processo da educação. In: SEMINÁRIO INTERINSTITUCIONAL DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, 21., 2016, Cruz Alta. Anais [...]. Cruz Alta: Universidade de Cruz Alta, 2016. Disponível em: https://docplayer.com.br/114160020-A-comunicacao-humanizadora-no-processo-da-educacao.html. Acesso em: 12 nov. 2019.

DARIDO, M. da C.; BIZELLI, J. L.Inovações tecnológicas e contexto escolar: reflexões necessárias. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, p. 50-66, 2015. ISSN 1982-5587. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/7772. Acesso em: 20 jul. 2020. doi: https://doi.org/10.21723/riaee.v10i1.7772.

FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário aurélio. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1975.

FREUD, S. Psicologia de grupo e análise do ego. Rio de Janeiro: Imago, 1996.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. Disponível em: https://cpers.com.br/wp-content/uploads/2019/09/5.-Educa%C3%A7%C3%A3o-como-Pr%C3%A1tica-da-Liberdade.pdf. Acesso em: 08 out. 2019.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 40. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GOLEMAN, D. Inteligência emocional. 2 ed. Rio de Janeiro: Objetiva, 1996.

GRUBITS, S. et al. Método qualitativo: epistemologia, complementaridades e campos de aplicação. São Paulo: Vetor, 2004.

JOSE, L. S. C.; STEFFEN, D. N.; BARROS, F. C. O. M. Teoria e prática na formação de professores: por uma educação humanizadora. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO – EDUCERE, 12., 2015, Curitiba. Anais [...]. Curitiba: Pontifícia Universidade Católica do Paraná, 2015. p. 5120-5130. Disponível em: https://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2015/18831_7806.pdf. Acesso em: 13 out. 2019.

MARTINEZ, A. M. Psicologia escolar e educacional: compromissos com a educação brasileira. Psicol. esc. educ., Campinas, v. 13, n. 1, p. 169-177, jun. 2009. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-85572009000100020 Acesso em 14 out. 2019.

PIAGET, J. Psicologia e pedagogia. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1982. [Psychologie et Pédagogie, 1969.

ROCHA, L. P.; REIS, M. B. de F. A pesquisa narrativa em

educação especial. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 15,

n. esp. 1, p. 884-899, maio 2020. e-ISSN: 1982-5587. DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v15iesp.1.13500

SANTANA, A. P. de O.; DONIDA, L. O.; MONTEIRO, A. L. da C. P.; SILVA, S. M. Acessibilidade e permanência: um estudo do programa institucional de apoio aos estudantes da Universidade Federal de Santa Catarina. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, p. 673-690, ago. 2015. E- ISSN 1982-5587. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/7919. Acesso em: 20 jul. 2020. doi: https://doi.org/10.21723/riaee.v10i5.7919.

VIEIRA, A. G.; AERTS, D. R. G. de C.; CÂMARA, S.; SCHUBERT, C.; GEDRAT, D. C.; ALVES, G. G. A escola enquanto espaço produtor da saúde de seus

alunos. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 12, n. 2,

p. 916-932, 2017. Disponível em: http://dx.doi.org/10.21723/riaee.v12.n2.8492. E-ISSN: 1982-5587.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

WALLON, H. A evolução psicológica da criança. Martins, 2007. 208 p.

WIEBUSCH, E. M. Escola: espaço de humanização. Disponível em: https://www2.faccat.br/portal/sites/default/files/wiebusch.pdf. Acesso em: 11 nov. 2019.

ZITKOSKI, J. J. (Org.). Dicionário Paulo Freire. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

Publicado

01/06/2020

Como Citar

MEDOLAGO, J. L.; RODRIGUES, T. M. P.; MARIANO, M. L. Psicologia escolar: humanizar é preciso. DOXA: Revista Brasileira de Psicologia e Educação, Araraquara, v. 22, n. 1, p. 137–151, 2020. DOI: 10.30715/doxa.v22i1.13975. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/doxa/article/view/13975. Acesso em: 27 set. 2021.