Da nacionalização à escola bilíngue: reflexões sobre a educação linguística em Blumenau/SC

Melissa Probst, Caique Fernando da Silva Fistarol, Sandra Pottmeier

Resumo


Este trabalho assenta-se numa visão de língua como direito, identidade de um grupo de fala, de imigrantes advindos da Europa no século XVIII, bem como de seus descendentes. Apesar dos processos de unificação da língua alemã vinculados ao ideal de nacionalização, ocorridos, o primeiro em 1911 (por Orestes Guimarães), e o segundo durante o Estado Novo (1937-1945), a língua alemã e a cultura teuto-brasileira mantêm-se presentes ainda nos dias hodiernos. Partindo de uma revisão de literatura, vislumbra-se compreender as novas tentativas de “resgate” da língua alemã, bem como a manutenção étnico-cultural em Blumenau (SC) a partir da implementação de uma escola bilíngue (português-alemão). Considera-se, que apesar da implementação da escola bilíngue como uma política linguística inclusiva que busca valorizar a língua de um grupo minoritário (alemão), há desafios ainda a serem superados: formação docente inicial e continuada bilíngue e o reconhecimento do dialeto alemão em uso por essa comunidade de fala.

Palavras-chave


Língua; Formação docente; Educação básica.

Texto completo:

PDF

Referências


BETHLEM, Hugo. Vale do Itajaí: jornadas de civismo. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1939.

BLUMENAU. Decreto nº 11.850, de 24 de julho de 2018. Disponível em: https://leismunicipais.com.br/a/sc/b/blumenau/decreto/2018/1185/11850/decreto-n-11850-2018-dispoe-sobre-a-criacao-no-sistema-municipal-de-ensino-de-blumenau-da-escola-bilingue-nas-escolas-basicas-municipais-erich-klabunde-e-prof-fernando-ostermann. Acesso em: 11 jun. 2019.

BLUMENAU. Resolução Nº 01/2018/CME/BLUMENAU. Estabelece normas para a oferta da Escola Bilíngue em escolas de Educação Infantil e Ensino Fundamental pertencentes ao Sistema Municipal de Ensino de Blumenau. Blumenau: Conselho Municipal de Educação, 2018.

BLUMENAU. Professores das escolas bilíngues participam de formação. SEMED, 2018. Disponível em: https://www.blumenau.sc.gov.br/secretarias/secretaria-de-educacao/semed/professores-das-escolas-bilaingues-participam-de-formaacaao87. Acesso em: 13 jun. 2019.

BLUMENAU. Portfólio das Escolas Bilíngues: Línguas Alemãs e Inglesa. Blumenau: SEMED, no prelo.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. [recurso eletrônico]. Brasília: Supremo Tribunal Federal, Secretaria de Documentação, 2018. Disponível em: http://www.stf.jus.br/arquivo/cms/legislacaoconstituicao/anexo/cf.pdf. Acesso em: 09 jun. 2019.

BRASIL. LEI Nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/lei9394_ldbn1.pdf. Acesso em: 09 jun. 2019.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Básica. Ministério da Educação. Conselho Nacional da Educação. Brasília: MEC, 2010.

BRAUN, Felipe Kuhn. História da imigração alemã no sul do Brasil. Porto Alegre: Costoli Soluções Gráficas, 2010.

CAMPOS, Cynthia Machado. A política da língua na era Vargas: proibição do falar alemão e resistências no Sul do Brasil. Campinas: Unicamp, 2006.

CAMPOS, Cynthia Machado. Santa Catarina, 1930: da degenerescência à regeneração. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2008.

DREHER, Martin N. Igreja e germanidade. São Leopoldo: Sinodal, 1984.

EMMENDOERFER, Frei Ernesto. O ensino particular em Blumenau. p. 283-297. In: CENTENÁRIO DE BLUMENAU. Blumenau: Edição da Comissão de Festejos, 1950.

FÁVERI, Marlene de. Memórias de uma (outra) guerra: cotidiano e medo durante a Segunda Guerra em Santa Catarina. Florianópolis: Ed. da UFSC; Itajaí: Ed. da Univali, 2004.

FIORI, Neide Almeida. Aspectos da evolução do ensino público: ensino público e políticas de assimilação cultural no estado de Santa Catarina nos períodos imperial e republicano. Florianópolis: Secretaria da Educação, 1975.

FRITZEN, Maristela Pereira. “Ich kann mein Name mit letra junta und letra solta schreiben”: bilingüismo e letramento em uma escola rural localizada em zona de imigração alemã no Sul do Brasil. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem. Campinas, SP: [s.n.], 2008. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/3524047/mod_resource/content/3/tese%20Pereira%20Fritzen%202007.pdf. Acesso em: 09 jun. 2019.

FRITZEN, Maristela Pereira. Reflexões sobre práticas de letramento em contexto escolar de língua minoritária. DELTA [online], vol. 27, n. 1, p. 63-76, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0102-44502011000100004&lng=e&tlng=pt. Acesso em: 09 jun. 2019.

FRITZEN, Maristela Pereira; NAZARO, Ana Carolina de Souza. Línguas adicionais em escolas públicas: discussão a partir de um cenário intercultural. Educação em Revista. n. 34, p. 1-27, 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/edur/v34/1982-6621-edur-34-e162012.pd. Acesso em: 09 jun. 2019.

FROTSCHER, Méri. Identidades móveis: práticas e discursos das elites de Blumenau. Blumenau: Edifurb, 2007.

KORMANN, Edith. Blumenau: arte, cultura e as histórias de sua gente (1850-1995). v. 3. Blumenau: Edith Kormann, 1995.

LARA RIBAS, Antonio de. O punhal nazista no coração do Brasil. 2. ed. Florianópolis – Imprensa Oficial, 1944.

LUNA, José Marcelo Freitas de. O português na Escola Alemã de Blumenau: da formação à extinção de uma prática – Ensinávamos e aprendíamos a língua do Brasil. Itajaí: Univali; Blumenau: Furb, 2000.

MAHER, Terezinha Machado. Ecos e resistência: políticas linguísticas e línguas minoritárias no Brasil. In: NICOLAIDES, Christine; SILVA, Kleber Aparecido da; TILIO, Rogério; ROCHA, Claudia Hilsdorf. (Orgs.). Política e políticas linguísticas. Campinas, SP: Pontes Editores, 2013.

OLIVEIRA, Gilvan Müller de. Plurilinguismo no Brasil: repressão e resistência linguística. Synergies Brésil nº 7, 2009, pp. 19-26. Disponível em: https://gerflint.fr/Base/Bresil7/gilvan.pdf. Acesso em: 12 mai. 2019.

ROSENBROCK, Emilia; FRITZEN, Maristela Pereira; HEINIG, Otília Lizete de Oliveira Martins. (Inter)relações entre práticas de letramentos na escrita de narrativas em alemão e em português por crianças que vivem em contexto de alemão como língua de herança familiar. Pandaemonium Germanicum, São Paulo, v. 21, n. 33, p. 136-164, abr. 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1982-88372018000100136&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 11 jun. 2019.

SANTOS, Ademir Valdir dos. A política educacional nacionalista e o aspecto linguístico: vestígios na escola primária. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos (RBEP), Brasília, v. 90, n. 225, p. 511-527, maio/ago. 2009. Disponível em: http://www.rbep.inep.gov.br/index.php/rbep/article/view/522/505. Acesso em: 23 abr. 2017.

SEYFERTH, Giralda. Nacionalismo e identidade étnica: a ideologia e o grupo étnico teuto-brasileito numa comunidade do Vale do Itajaí. Florianópolis: Fundação Catarinense de Cultura, 1981.

SEYFERTH, Giralda. A identidade teuto-brasileira numa perspectiva histórica. p. 11-28. In: MAUCH, Cláudia; VASCONCELLOS, Naira. Os alemães no sul do Brasil: cultura, etnicidade, história. Canoas: Editora da ULBRA, 1994.

SEYFERTH, Giralda. A colonização alemã no Brasil: etnicidade e conflito. In.: FAUSTO, Boris (org.). Fazer a América: a imigração em massa para a América Latina. 2. ed. São Paulo: EDUSP, p. 273-314, 1999.

UNESCO. Declaração Universal dos Direitos Linguísticos. 1996. Disponível em: http://www.dhnet.org.br/direitos/deconu/a_pdf/dec_universal_direitos_linguisticos.pdf. Acesso em: 13 mai. 2019.




DOI: https://doi.org/10.29051/el.v5i1.12791



Direitos autorais 2019 Revista EntreLínguas

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Rev. EntreLínguas, Araraquara, SP, Brasil. e-ISSN: 2447-3529

DOI Prefix: 10.02951/rel

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.