Gastronomia e nutrição: perspectiva pessoal e profissional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v13.n2.2018.11111

Palavras-chave:

Nutricionista, Gastronomia molecular, Formação complementar, Professor.

Resumo

A gastronomia é uma ciência estudada há muitos séculos por vários pesquisadores, os quais buscam conhecer esse campo para além dos princípios culinários. É importante destacar que vários equipamentos, utensílios e processos culinários surgiram da curiosidade desses estudiosos. No entanto, esse campo ainda é relativamente desconhecido no meio científico que se dedica a pesquisar a área de nutrição. Embora já tenha sido incluído na grade curricular dos cursos de Nutrição, a perspectiva apresentada sobre a gastronomia ainda é vista pelo prisma da culinária. Desse modo, esse ramo do conhecimento, que tem relação direta com a área de alimentação coletiva, poderia ser melhor explorado nas universidades em termos de pesquisa. Isso favoreceria diretamente o aprendizado dos recém-formados sobre a gastronomia, de forma mais ampla, e a gastronomia molecular, uma vez que o mercado de alimentação coletiva apresenta um crescimento e possui números expressivos de empregabilidade. Logo, diante desse contexto, apresento neste artigo um relato da minha experiência como nutricionista, ressalto as possibilidades que surgiram com o meu aprendizado sobre gastronomia e, além disso, apresento as dificuldades encontradas como docente para realizar visitas técnicas de fins pedagógicos às indústrias da área de alimentação.

Biografia do Autor

Andréa Carla Mendonça de Souza Paiva, UFRPE

Departamento de Morfologia e Fisiologia Animal

Área de Bioquímica e Biofísica

Professora das disciplinas de Bioquímica da Nutrição, Bioquímica dos Alimentos e Bioquímica

Referências

ANSALONI, J. A. Situação de trabalho dos nutricionistas em empresas de refeições coletivas de Minas Gerais: trabalho técnico, supervisão ou gerência? Revista de Nutrição, Campinas, v. 12, n. 3, p. 241-260, set./dez., 1999.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). IBGE inicia a pesquisa de orçamentos familiares (POF) 2017/2018. Agência IBGE, Notícia, 26 jun. 2017, atual. 27 jun. 2017 às 10h37. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/2013-agencia-de-noticias/releases/10448-ibge-inicia-a-pesquisa-de-orcamentos-familiares-pof-2017-2018.html. Acesso em: 17 fev. 2018.

BRASIL. Conselho Federal de Nutricionistas. Resolução n° 380, de 28 de dezembro de 2005. Dispõe sobre a definição das áreas de atuação do nutricionista e de suas atribuições; também estabelece parâmetros numéricos de referência por área de atuação e dá outras providências. Diário oficial da União, 2005. Disponível em:

http://www.cfn.org.br/wp-content/uploads/resolucoes/Res_380_2005.htm. Acesso em: 24 jan. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução n°5, de 7 nov. 2001. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Nutrição. Diário Oficial da União, 2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES05.pdf. Acesso em: 17 fev. 2018.

CALADO, C. L. A. A nova LDB e o curso de nutrição. Jornal do CFN, Brasília, v. 2, n. 6, p. 5, abr. 2000.

DEFINIÇÕES da Nutrição. Unidade de Gestão e Formação, 8 maio 2012. Disponível em: http://www.posugf.com.br/noticias/todas/1580-definicoes-da-nutricao. Acesso em: 19 fev. 2018.

DORIA, C. A. A culinária materialista: construção racional do alimento e do prazer gastronômico. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2009.

DUTRA DE OLIVEIRA, J. E.; MARCHINI, J. S. Ciências Nutricionais: aprendendo a aprender. 2. ed. São Paulo: Sarvier, 1998.

FRANCO, A. De caçador a gourmet: uma história da gastronomia. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2006.

GUEDES, A. E. L.; CALADO, C. L. A.; PACHECO, N. M. D. (Orgs.). A nutrição no lado esquerdo do peito. 1 ed. Natal: Editora da UFRN - EDUFRN, 2014.

MCGEE, H. On food and cooking: the science and lore of the kitchen. Londres: Harper Collins Publishers, 1992.

NÓBREGA, A. B. N. Organização do programa da disciplina de introdução à gastronomiado curso de Nutrição da UFRN. Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Disponível em: http:arquivos.info.ufrn.br/arquivos/.../Comunidade_8.pdf. Acesso em: 17 fev. 2018.

O’CONNELL, S. Kitchen Chemistry .BBC Focus, fev. 2006, p. 54-56. Disponível em: http://sanjida.co.uk/pdf/kitchenchemistry.pdf. Acesso em: 17 fev. 2018.

PECLY, J. Alimentação fora do lar indica recuperação. Folha de Pernambuco, Economia, Notícia, 3 out. 2017 às 7h10, atual. às 8h54. Disponível em:

http://www.folhape.com.br/economia/economia/economia/2017/10/03/NWS,43797,10,550,ECONOMIA,2373-ALIMENTACAO-FORA-LAR-INDICA-RECUPERACAO.aspx. Acesso em: 12 fev. 2018.

RODRIGO, E. A gastronomia molecular: a ciência na cozinha. Enio Rodrigo Portfolio, Reportagem, 8 nov. 2010. Disponível em: https://eniorodrigo.wordpress.com/2010/11/08/gastronomia-molecular/. Acesso em: 17 fev. 2018.

SACALDASSY, P. Gastronomia molecular. Santa Gastronomia. 2 jun. 2012. Disponível em: https://santagastronomia.wordpress.com/category/principal/gastronomia-molecular/. Acesso em: 17 fev. 2018.

THIS, H. Molecular gastronomy: Exploring the science of flavor. Columbia: Columbia University Press, 2008.

TOLOZA, D. C. Nutricionista: um histórico da profissão até os dias atuais. 2003. 57f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Qualidade dos Alimentos) – Universidade de Brasília, Centro de Excelência em Turismo, Brasília.

VASCONCELOS, F. A. G. O nutricionista no Brasil: uma análise histórica. Revista de Nutrição, Campinas, v. 15, n. 2, p. 127-138, maio/ago. 2002.

Downloads

Publicado

05/03/2018

Como Citar

SOUZA PAIVA, A. C. M. de. Gastronomia e nutrição: perspectiva pessoal e profissional. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 13, n. 3, p. 748–763, 2018. DOI: 10.21723/riaee.v13.n2.2018.11111. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/11111. Acesso em: 4 mar. 2021.

Edição

Seção

Artigos