Habitantes temporários: o pressuposto epistemológico do (não) saber docente e a inventividade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.unesp.v13.iesp3.dez.2018.11145

Palavras-chave:

(Não) saber, Ignorância, Formação de professores, Experiência do fora, Inventividade.

Resumo

A partir da pesquisa de doutorado acerca do discurso recorrente de que falta aos professores que trabalham com Estudantes com deficiência o conhecimento necessário para o exercício da docência, este artigo busca problematizar o pressuposto epistemológico do saber docente como critério de verdade, apontando caminhos sobre o (não) saber docente frente aos desafios da escola inclusiva. Para tanto, apresentamos o artigo em dois eixos: no primeiro, discutimos a ideia de ignorância e (não) saber; no segundo, problematizamos a experiência do fora enquanto lugar de errância e inventividade. Trata-se de uma reflexão teórica fundamentada em Platão (1972), Rancière (2012; 2015), Blanchot (2005), Kohan (2015), Masschelein e Simons (2014; 2015; 2017), Larrosa (1998; 2011; 2015; 2016), entre outros. Em nossas palavras finais, escrevemos no sentido de que o (não) saber permite o erro, a descoberta do novo e a possibilidade da inventividade no espaço escolar.

Biografia do Autor

Carolline Septimio, Universidade do Estado de Santa Catarina- (UDESC)

Doutoranda em educação pela Universidade do Estado de Santa Catarina- (UDESC), mestre em educação pela Universidade do Estado do Pará e graduada em pedagogia pela Universidade do Estado do Pará- (UEPA). É professora da Faculdade Estácio e especialista em educação na Secretaria de Estado de Educação do Pará- (SEDUC).

Geovana Mendonça Lunardi Mendes, Universidade do Estado de Santa Catarina- (UDESC)

Possui graduação em Pedagogia Educação Especial pela Universidade Federal de Santa Catarina (1994), mestrado em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina (2000), doutorado em Educação: História, Política, Sociedade pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2005) com estágio de doutoramento no exterior em Currículo e Tecnologias na Universidade do Minho em Portugal. É professora efetiva da Universidade Do Estado de Santa Catarina- (UDESC)

Gilcilene Dias da Costa, Universidade Federal do Pará

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGEDU/UFRGS), linha de pesquisa Filosofia da Diferença e Educação, 2008. Mestre em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGEDU/UFRGS), linha de pesquisa Estudos Culturais em Educação, 2003. Professora Efetiva da Universidade Federal do Pará / Campus Universitário do Tocantins/Cametá, vinculada à Faculdade de Linguagem.

Referências

BLANCHOT, Maurice. O livro por vir. Trad. Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

LARROSA, Jorge. Dar a palavra. Notas para uma dialógica da transmissão. In: LARROSA, Jorge.; SKLIAR, Carlos (orgs). Habitantes de Babel: políticas e poéticas da diferença. Trad. Semíramis Gorini da Veiga. 2ª ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011.

LARROSA, Jorge. O enigma da infância ou o que vai do impossível ao verdadeiro. In: LARROSA, Jorge.; LARA, Nuria Pérez de. Imagens do outro. Trad. Celso Márcio Teixeira. Petrópolis: Vozes, 1998.

LARROSA, Jorge. Pedagogia profana: danças, piruetas e mascaradas. Trad. Alfredo Veiga-Neto. 5ª ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016.

LARROSA, Jorge. Tremores: escritos sobre experiência. Trad. Cristina Antunes e João Wanderley Gerladi. Belo Horizonte: Autêntica Editora. 2015.

LEVY, Tatiana Salem. A experiência do fora: Blanchot, Foucault e Deleuze. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

MASSCHELEIN, Jan.; SIMONS, Maarten. A pedagogia, a demoracia e a escola. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2014.

MASSCHELEIN, Jan.; SIMONS, Maarten. A língua da escola: alienante ou emancipadora. In: LARROSA, J. Elogio da escola(org). Trad. Fernando Coelho. 1 ed. Belo horizonte: Autêntica Editora, 2017.

MASSCHELEIN, Jan.; SIMONS, Maarten. m defesa da escola: uma questão pública. Trad. Cristina Antunes. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015.

PLATÃO. Êutifron. Apologia de Sócrates. Críton. Trad. Manuel de Oliveira Pulquério. Lisboa: Editorial Verbo, 1972.

RANCIÈRE, Jacques. O espectador emancipado. Trad. Ivone C. Benedetti. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2012.

RANCIÈRE, Jacques. O mestre ignorante: cinco lições sobre a emancipação intelectual. Trad: Lílian do Valle. 3 ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015.

SKLIAR, Carlos. Experiências com a palavra: notas sobre linguagem e diferença. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2012.

SKLIAR, Carlos. Jacotot-Rancière ou a dissonância inaudita de uma pedagogia (felizmente) pessimista. Educação e Sociedade. Campinas, v. 24, n. 82, p. 229-240, abr., 2003.

Downloads

Publicado

01/12/2018

Como Citar

SEPTIMIO, C.; MENDES, G. M. L.; COSTA, G. D. da. Habitantes temporários: o pressuposto epistemológico do (não) saber docente e a inventividade. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 13, p. 2054–2070, 2018. DOI: 10.21723/riaee.unesp.v13.iesp3.dez.2018.11145. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/11145. Acesso em: 27 fev. 2021.

Edição

Seção

Artigos