Propagandas governamentais: uma análise do discurso midiático para acesso ao ensino superior

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v14i3.11814

Palavras-chave:

Ações governamentais, Análise do discurso, Ensino superior, Propaganda.

Resumo

Este artigo objetiva analisar, com base em pressupostos da Análise do Discurso de Linha Francesa, duas peças midiáticas elaboradas com o aval do Ministério da Educação em dois contextos presidenciais diferentes. Ambas as propagandas convocam jovens, no momento pós-ENEM, a ingressarem em instituições de Ensino Superior, por meio dos diversos programas e políticas públicas proporcionados pelo Governo Federal. Assim, foi possível evidenciar a tessitura da situação de enunciação nos objetos midiáticos, sobretudo em correlação com o contexto sociopolítico. Observa-se que os elementos verbais e não-verbais utilizados nos objetos de análise se entrecruzam na produção de sentidos e vão além da simples persuasão do público-alvo a pleitear a vaga na instituição de Ensino Superior.

Biografia do Autor

Gerson Tavares do Carmo, Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro

Professor associado da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF) desde 2011, lotado no Laboratório de Estudos de Educação e Linguagem (LEEL), credenciado nos Programas de Pós-Graduação de Cognição e Linguagem e de Sociologia Política. Bacharelado em Administração Pública na FGV-RJ, Mestrado em Cognição e Linguagem e Doutorado em Sociologia Política, ambos na UENF. Pós-Doutorado em Sociologia Pragmática na Universidade Nova de Lisboa. Líder do Grupo de Pesquisa Escrita: Poder e Subjetividades (UENF) e Vice-líder do Núcleo de Estudos sobre Acesso e Permanência na Educação (IFF/UENF). Principal área de atuação: Educação de Jovens e Adultos. Principal tema de interesse: permanência e êxito na educação.

Elane Kreile Manhães, Instituto Federal Fluminense; Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro

Mestre e Doutoranda em Cognição e Linguagem pela Universidade Estadual do Norte Fluminense (UENF). Possui graduação em Letras e especialização em Língua Portuguesa pela Faculdade de Filosofia de Campos (UNIFLU). Atualmente é professora E.B.T.T. do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Fluminense (IFFluminense) - campus Campos Centro. Integra o Núcleo de Estudos sobre Acesso e Permanência na Educação (UENF/IFF). Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Línguas Estrangeiras Modernas, atuando principalmente com os seguintes temas: ensino de Língua Inglesa, Proeja, metodologias de ensino, permanência na Educação, leitura e identidade social. 

Gláucio Roberto Bernardo de Cara, Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro

Bacharel e licenciado em Educação Física pela Universidade Salgado de Oliveira (UNIVERSO); Especialista em Gestão Educacional pela Faculdade de Educação da Serra (FASE); Cursa mestrado em Cognição e Linguagem pela Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF); Integra o Núcleo de Estudos sobre Acesso e Permanência na Educação - NUCLEAPE (UENF/ IFFluminense).

Referências

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 08 jun. 2018.

BRASIL. Portaria n. 438, de 28 de maio de 1998. Disponível em: http://www.crmariocovas.sp.gov.br/pdf/diretrizes_p0178-0181_c.pdf. Acesso em: 08 jun. 2018.

BRASIL. Lei n. 10.260, de 12 de julho de 2001. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/LEIS_2001/L10260.htm. Acesso em: 08 jun. 2018.

BRASIL. Lei n.11.096, de 13 de janeiro de 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/lei/l11096.htm. Acesso em: 08 jun. 2018.

BRASIL. Portaria n. 2, de 26 de janeiro de 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=2704-sisuportarianormativa2&Itemid=30192. Acesso em: 08 jun. 2018.

BRASIL. Portaria n. 807, de 18 de junho de 2010. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_basica/enem/legislacao/2010/portaria807_180610.pdf. Acesso em: 08 jun. 2018.

BRASIL. Lei n. 12.711, de 29 de agosto de 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12711.htm. Acesso em: 08 jun. 2018.

BRASIL. Portaria normativa n. 21, de 05 de novembro de 2012. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cotas/docs/portariaN9.pdf. Acesso em: 11 jun. 2018.

BRASIL. Lei n. 13.409, de 28 de dezembro de 2016. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/lei/L13409.htm. Acesso em: 08 jun. 2018.

BRASIL. Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM). Disponível em: https://enem.inep.gov.br/#/crono?_k=7pvspg. Acesso em: 12 jun. 2018a.

BRASIL. Fundo de Financiamento Estudantil (FIES). Disponível em: http://sisfiesportal.mec.gov.br/. Acessado em: Acesso em: 12 jun. 2018b.

BRASIL. Portal do Ministério da Educação (MEC). Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cotas/sobre-sistema.html. Acesso em: 12 jun. de 2018c.

BRASIL. Programa Universidade para todos (Prouni). Disponível em: http://prouniportal.mec.gov.br/. Acesso em: Acesso em: 12 jun. 2018d.

BRASIL. Resumo técnico 2015. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/resumos-tecnicos1. Acesso em: 11 jun. de 2018e.

BRASIL. Sistema de Seleção Unificada (SISU). Disponível em: http://www.sisu.mec.gov.br/. Acesso em: 11 jun. 2018f.

CHARADEAU, P.; MAINGUENEAU, D. Dictionnaire d’analyse du discours. Paris: Éditions du Seuil, 2002.

FERES JÚNIOR, J. Comparando justificações das Políticas de Ação Afirmativa: EUA e Brasil. Estudos Afro-Asiáticos, v. 29, n. 1-3, p. 63-84, 2007. Disponível em: http://www.achegas.net/numero/30/joao_feres_30.pdf. Acesso em: 16 jun.2018.

GOMES, J. B. B. A Recepção do Instituto da Ação Afirmativa pelo Direito Constitucional Brasileiro. In: SANTOS, S. A. dos (org.). Ações Afirmativas e combate ao racismo nas Américas. Brasília: Ministério da Educação: UNESCO, 2007. Disponível em: http://etnicoracial.mec.gov.br/images/pdf/publicacoes/acoes_afirm_combate_racismo_americas.pdf. Acesso em: 02 jun. 2018.

GREGOLIN, M. R. V. Formação discursiva, redes de memória e trajetos sociais de sentido: mídia e produção de identidades. In: BARONAS, R. L. Análise do discurso: apontamentos para uma história da noção-conceito de formação discursiva. São Carlos: Pedro & João Editores, p. 155-168, 2007.

IBGE. Censo da Educação Superior de 2010. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_superior/censo_superior/documentos/2010/divulgacao_censo_2010.pdf. Acesso em: 10 jun. 2018.

MAINGUENEAU, D. Gênese dos discursos (trad. Sírio Possenti). Curitiba, PR: Criar Edições, 2005.

ORLANDI, E. Análise de Discurso: princípios e procedimentos. 3. ed. Campinas: Pontes, 2001.

ROCHA, S. Educação de qualidade e democrática: um direito de todos. In: FONSECA, A. e FAGNANI, E. (org.). Políticas sociais, cidadania e desenvolvimento: educação, seguridade social, pobreza, política urbana e demografia. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, (Vol.2), pp. 29-63. 2013.

Publicado

18/10/2019

Como Citar

do Carmo, G. T., Manhães, E. K., & de Cara, G. R. B. (2019). Propagandas governamentais: uma análise do discurso midiático para acesso ao ensino superior. Revista Ibero-Americana De Estudos Em Educação, 14(3), 1049–1065. https://doi.org/10.21723/riaee.v14i3.11814

Edição

Seção

Artigos