O modelo de classe mundial e as universidades latino-americanas e caribenhas: tendências que se anunciam?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v14iesp.3.12737

Palavras-chave:

Universidade Latino-Americana, Educação superior, Universidade de classe mundial, Excelência acadêmica.

Resumo

Neste artigo analise-se a difusão, no contexto acadêmico latino-americano e caribenho, da concepção de universidade de classe mundial ou de excelência elaborada e difundida pelo Banco Mundial e em rankings acadêmicos internacionais. Neste sentido, procuraremos responder às seguintes questões: como as universidades que se situam em contextos excluídos do eixo dinâmico do capital se posicionam na corrida pelo status de excelência? Que estratégias utilizam para buscar melhores colocações nos rankings internacionais? O que isso indica em termos de tendências para a educação superior na região? Com o objetivo de responder a estas questões, em termos metodológicos, utiliza-se o levantamento bibliográfico e de dados, bem como a análise documental dos Planos de Desenvolvimento Institucional das instituições de educação superior latino-americanas e caribenhas que vêm se destacando nos principais rankings acadêmicos mundiais. Como resultado, nossas investigações vieram mostrando que o modelo/concepção de UCM é utilizado como um arquétipo, mais ou menos explícito de como as universidades latino-americanas devem ‘portar-se’ para alcançar esse desideratum.

Biografia do Autor

Lara Carlette Thiengo, PPGE UNOESC, Joaçaba/SC

Pesquisadora de Pós-Doutorado/ UEPG, Ponta Grossa, PR, Brasil. Professora Colaboradora.

Maria de Lourdes Pinto de Almeida, UNOESC, Joaçaba/SC

Professora Titular do Programa de Pós-Graduação em Educação.

Lucídio Bianchetti, UFSC, Florianópolis/SC

Pesquisador 1A do CNPq. Professor Aposentado Voluntário do Programa de Pós-Graduação em Educação.

Referências

ALTBACH, P.; SALMI, J. The road to academic excellence: the making of world-class research universities. Washington, USA: The World Bank, 2011.

BIANCHETTI, L.; SGUISSARDI, V. Da Universidade à Commoditycidade. Campinas: Mercado de Letras, 2017.

CHAUÍ, M. A universidade pública sob nova perspectiva. Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro, n. 24, p. 5-15, dez. 2003.

CHESNAIS, F. A mundialização do capital. São Paulo: Xamã, 1996.

FRIGOTTO, G. O enfoque da dialética materialista histórica na pesquisa educacional. In: FAZENDA, I. (Org.). Metodologia da pesquisa educacional. São Paulo: Cortez, p. 69-90, 1991.

ITMS, Plan Estratégico 2020 del Tecnológico de Monterrey. Instituto Tecnológico y de Estudios Superiores de Monterrey. Monterrey, N.L., 2015.

LIMA, K. R. S. Reforma da educação superior nos anos de contra-revolução neoliberal: de Fernando Henrique Cardoso a Luís Inácio Lula da Silva. 2005. 316 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2005.

SADLAK, J.; CAI, L. N. (eds.) The world-class university as part of a new higher education paradigm: from institutional qualities to systemic excellence. Bucharest: Unesco-Cepes. 2009.

SALMI, J. El desafío de crear universidades de rango mundial. Bogotá: Mayol Ediciones. 2009.

SALMI, J. Atreverse a volar alto: una estrategia para desarrollar universidades de rango mundial en Chile. Pensamiento Educativo, Revista de Investigación Educacional Latinoamericana, vol. 50, nº 1, 2013.

SOUZA, J. F. Itinerários Da Internacionalização Da Educação Superior Brasileira No Âmbito Da ALeC. 2018. Tese (Doutorado em Educação, Conhecimento e Inclusão Social) Faculdade de Educação. Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte. 2018. 235f.

THIENGO, L.C. Universidades de Classe Mundial e o consenso pela excelência: tendências e manifestações globais e locais. 2018. 366f. Tese (Doutorado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, 2018.

UNESCO-UIS Unesco Institute for Statistics.Human Resources in R&D. UIS Fact Sheet. Montreal: nº 45, nov. 2015.

UNIVERSIDADE NACIONAL DO MÉXICO (UNAM). Plan de Desarrollo Institucional 2015-2019. México, 2015.

UNIVERSIDAD DE LOS ANDES. Programa de Desarrollo Integral. Colômbia, 2016.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS (Unicamp). Planejamento Estratégico 2016-2020. Campinas, 2016.

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (USP). Plano de Desenvolvimento Institucional 2012-2017. São Paulo: USP, 2011.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (UFMG) Plano de Desenvolvimento Institucional 2013-2017. Belo Horizonte: UFMG. 2013.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL (UFRGS). Plano de Desenvolvimento Institucional 2016-2026. 2016. Porto Alegre, 2016.

Publicado

30/08/2019

Como Citar

THIENGO, L. C.; ALMEIDA, M. de L. P. de; BIANCHETTI, L. O modelo de classe mundial e as universidades latino-americanas e caribenhas: tendências que se anunciam?. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. esp.3, p. 1621–1637, 2019. DOI: 10.21723/riaee.v14iesp.3.12737. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/12737. Acesso em: 5 mar. 2021.