Definições dos termos deficiência múltipla e deficiência múltipla sensorial: uma revisão sistemática em teses e dissertações brasileiras

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v16i1.12883

Palavras-chave:

Educação especial, Deficiência múltipla, Deficiência Múltipla sensorial, Revisão sistemática

Resumo

A deficiência múltipla (DMu) vem sendo tratada como um quadro complexo de definição e caracterização. Esse tipo de deficiência tem sido pouco estudado no Brasil, principalmente no âmbito educacional. Os objetivos deste estudo foram descrever e analisar as definições dos termos DMu e deficiência múltipla sensorial (DMS) em teses e dissertações brasileiras. Realizou-se uma revisão sistemática na base de dados da Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações (BDTD), no recorte temporal de 1999 a 2018. Foi realizada uma análise de conteúdo temática das definições dos termos adotados nos trabalhos acadêmicos. Os resultados demonstraram que há uma produção exígua (n=18) de teses e dissertações sobre essa temática no contexto brasileiro, sendo maior a quantidade de dissertações (n=12) do que de teses (n=6). Além disso, observou-se a adoção de definições diversas para os termos DMu e DMS, produzindo flutuações conceituais ao longo do tempo. Notou-se também que a definição de DMu varia entre dois aspectos: a quantidade de manifestações das condições e a qualidade de funcionamento do indivíduo. Foi possível perceber ainda que a DMS é um subtipo no âmbito da DMu que engloba as deficiências visuais ou auditivas associada a outras condições. Conclui-se que esse tema tem sido pouco estudado pelos pesquisadores da Educação Especial e que há necessidade de compartilhar uma definição comum para permitir o avanço nas pesquisas sobre a temática no Brasil. Por fim, sugere-se que esse tipo de deficiência, a partir do panorama apresentado, seja mais contemplado, especialmente em pesquisas na área da Educação Especial.

Biografia do Autor

Josilene Domingues Santos Pereira, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos – SP

Doutoranda no Programa de Pós-graduação em Educação Especial.

Sabrina David de Oliveira, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos – SP

Doutoranda no Programa de Pós-graduação em Educação Especial.

Maria da Piedade Resende da Costa, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos – SP

Professora no Programa de Pós-Graduação em Educação Especial. Doutora em Psicologia (USP).

Referências

ARAÓZ, S. M. Inclusão de alunos com deficiência múltipla: análise de um programa de apoio. 2009. 206 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP, 2009. Disponível em: https://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/2860. Acesso em: 15 set. 2018.

ARAÓZ, S. M.; COSTA, M. P. R. Deficiência múltipla: as técnicas, mapas e caminho no apoio à inclusão. Jundiaí: paco Editorial, 2015. 128 p.

ARAÚJO, G. A. O tratamento musicoterapêutico aplicado à comunicação verbal e não verbal em crianças com deficiências múltiplas. 2011. 90 f. Dissertação (Mestrado em Saúde) – Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/30996. Acesso em: 15 set. 2018.

ASSOCIAÇÃO AMERICANA DE PSIQUIATRIA (AMP). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais, DSM-V. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2014.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Trad. Luís Antero Reto, Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70, 2016. 279 p.

BIANCHINI, N. C. P. Abordagem fonoaudiológica do silêncio como comunicação na deficiência múltipla: estudo de casos clínicos. 2015. 69 f. Dissertação (Mestrado em Fonoaudiologia) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2015. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/250712/1/Kassar_MonicadeCarvalhoMagalhaes_D.pdf. Acesso em: 15 set. 2018.

BOAS, D. C. V. Pessoas com surdocegueira e com deficiência múltipla: análise de relações de comunicação. 2014. 188 f. Tese (Doutorado em Fonoaudiologia) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2014. Disponível em: https://tede2.pucsp.br/bitstream/handle/11979/1/Denise%20Cintra%20Villas%20Boas.pdf. Acesso em: 15 set. 2018.

BOTELHO, R. L. Percepções e condutas maternas quanto à alimentação de crianças com múltiplas deficiências e problemas alimentares. 2017. 90 f. Dissertação (Mestrado em Fonoaudiologia) – Programa de Estudos Pós-Graduados em Fonoaudiologia, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2017. Disponível em: https://sapientia.pucsp.br/bitstream/handle/19894/2/Rafael%20Lacerda%20Botelho.pdf. Acesso em: 15 set. 2018.

BRASIL. Educação infantil: saberes e práticas da inclusão: dificuldades acentuadas de aprendizagem: deficiência múltipla. 4. ed. Brasília: MEC, Secretaria de Educação Especial, 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/deficienciamultipla.pdf. Acesso em: 30 out. 2018.

BRASIL. Política Nacional da Educação Especial. Brasília: Ministério da Educação/Secretaria de Educação Especial, 1994. Disponível em: https://midia.atp.usp.br/plc/plc0604/impressos/plc0604_aula04_AVA_Politica_1994.pdf. Acesso em: 30 out. 2018.

BRASIL. Programa de capacitação de recursos humanos do ensino fundamental: deficiência múltipla. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2000. v. 1. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/def_multipla_1.pdf. Acesso em: 30 out. 2018.

BRASIL. Lei n. 13.146, de 06 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Brasília, DF, 6 jul. 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm. Acesso em: 20 out. 2019.

CARVALHO, E. N. S. Programa de capacitação de recursos humanos do Ensino Fundamental: deficiência múltipla. Brasília, DF: MEC/SEESP, 2000. v. 1. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/def_multipla_1.pdf. Acesso em: 30 out. 2018.

CORDEIRO, A. M. et al. Revisão sistemática: uma revisão narrativa. Rev. Col. Bras. Cir., Rio de Janeiro, v. 34, n. 6, p. 428-431, dec. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-69912007000600012&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 12 jul. 2019.

DAMIANCE, P. R. M. Acesso da pessoa com deficiência múltipla aos serviços de saúde bucal. 2016. 194 f. Tese (Doutorado em Ciências Odontológicas Aplicadas) – Universidade de São Paulo, Bauru, 2016. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/25/25144/tde-07112016-092910/pt-br.php. Acesso em: 15 set. 2018.

FEMINELLA, A. P.; LOPES, L. F. Disposições Gerais/Da Igualdade e da não Discriminação e Cadastro-Inclusão. In: SETUBAL, J. M.; FAYAN, R. A. C. (Org.). Lei brasileira de inclusão da pessoa com deficiência- comentada. Campinas, Fundação FEAC, 2016. Disponível em: https://www.feac.org.br/wp-content/uploads/2017/05/Lei-brasileira-de-inclusao-comentada.pdf. Acesso em: 26 out. 2019.

HARDMAN, M. L.; DREW, C. J.; EGAN, M. W. Phisical disabilities and health impairments. In: HARDMAN, M. L.; DREW, C. J.; EGAN, M. W. Human exceptionality: school, community and family. 8. ed. Pearson, 2003. p. 470-511.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Sinopse estatística da Educação Básica 2018. Brasília, Inep: 2019. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/sinopses-estatisticas-da-educacao-basica. Acesso em: 2 ago. 2019.

JACOB, R. N. F. Alteridade na escola regular: uso de alternativas de comunicação e de linguagem para a inclusão de alunos com múltipla deficiência sensorial. 2012. 152 f. Dissertação (Mestrado em Educação, Arte e História) – Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2012. Disponível em: http://dspace.mackenzie.br/handle/10899/13561. Acesso em: 15 set. 2018.

JONES, A. B. Percepção da inclusão social na visão da família e educadores de crianças com deficiências múltiplas. 2013. 75 f. Dissertação (Mestrado em Distúrbios do Desenvolvimento) – Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2013. Disponível em: http://tede.mackenzie.br/jspui/handle/tede/1610. Acesso em: 15 set. 2018.

KASSAR, M. C. M. Modos de participação e constituição de sujeitos nas práticas sociais: a institucionalização de Pessoas com deficiência múltipla. 1999. 123 f. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/250712/1/Kassar_MonicadeCarvalhoMagalhaes_D.pdf. Acesso em: 15 set. 2018.

LARA, M. L. G. Diferenças conceituais sobre termos e definições e implicações na organização da linguagem documentária. Ci. Inf., Brasília, v. 33, n. 2, p. 91-96, maio/ago. 2004. Disponível em: http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/1050/1126. Acesso em: 28 out. 2018.

MOREIRA, F. D. S. Comunicação alternativa para crianças com deficiência múltipla sensorial. Benjamin Constant, Rio de janeiro, v. 1, n. 60, p. 110-129, jan./jun. 2017. Disponível em: http://www.ibc.gov.br/images/conteudo/revistas/benjamin_constant/2018/BC60_1_publi__a-27.07.pdf. Acesso em: 18 nov. 2018.

NAGY, D. G. Intervenção fonoaudiológica junto a mães de crianças com múltiplas deficiências. 2005. 103 f. Dissertação (Mestrado em Fonoaudiologia) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2005. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/dic/article/view/11838/8563. Acesso em: 15 set. 2018.

NEVES, M. H. M. Gramática de usos do português. São Paulo: Editora UNESP, 2000, 1037 p.

NOGUEIRA, S. A. Práticas pedagógicas de professoras de alunos com deficiência intelectual e/ou múltipla: trocas experienciais e vivências no núcleo de estudos e formação docente da APAE de Feira de Santana, Bahia. 2015. 198 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2015. Disponível em: http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UFBA-2_8fe6960eeff4a9835edf5bdb5f610585. Acesso em: 15 set. 2018.

NUNES, I. M. Política de escolarização de sujeitos com diagnóstico de deficiência múltipla: tensões e desafios. 2016. 240 f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2016. Disponível em: http://repositorio.ufes.br/bitstream/10/8547/1/tese_9408_tese%20-%20%20final.pdf. Acesso: em: 15 set. 2018.

OTONI, C. D. F. Uso de tecnologias assistivas no ensino de geometria: uma experiência em aluno com múltiplas deficiências. 2016. 98 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciência e Tecnologia) – Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Ponta Grossa, 2016. Disponível em: http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UTFPR-12_1ab4c9d4ce665e5b106e814287f15e55. Aceso em: 15 set. 2018.

POLLI, M. T. Expectativas de aprendizagem e estratégias pedagógicas: o olhar de professoras que atuam com alunos com deficiência múltipla. 2012. 158 f. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP. Disponível em: http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/312317. Acesso em: 15 set. 2018.

PRESTES, D. B. Comportamento motor da criança com deficiência múltipla nos contextos vivenciais: um estudo de caso. 2013. 151 f. Dissertação (Mestrado em Ciência do Movimento Humano) – Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, 2013. Disponível em: http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UDSC_96e90d7d5108b8e02c9415ea51128ea5. Acesso em: 15 set. 2018.

WHO. World Health Organization. Relatório Mundial Sobre a Deficiência. Trad. Lexicus Serviços Linguísticos. São Paulo: SEDPcD, 2012. 334 f. Disponível em: http://www.pessoacomdeficiencia.sp.gov.br/usr/share/documents/RELATORIO_MUNDIAL_COMPLETO.pdf. Acesso em: 28 de out. 2018.

RIBAS, C. G. Tecnologia assistiva: construção de um artefato para a adequação da postura em criança com paralisia cerebral e com múltipla deficiência. 2006. 139 f. Dissertação (Mestrado em Tecnologia em Saúde) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2006. Disponível em: http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/P_PR_91c2bafa7b2a99901689d9f66a589c23#details. Acesso em: 15 set. 2018.

ROCHA, M. G. S.; PLETSCH, M. D. Deficiência múltipla: disputas conceituais e políticas educacionais no Brasil. Cad. Pes., São Luís, v. 22, n. 1, p. 112-125, jan./abr. 2015. Disponível em: http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/cadernosdepesquisa/article/view/3077/1447. Acesso em 30 out. 2018.

SMITH, D. D. Deficiências de baixa incidência: deficiência múltipla grave, surdocegueira e traumatismo cranioencefálico. In: SMITH, D. D. Introdução à educação especial: ensinar em tempos de inclusão. Trad. Sandra Moreira de Carvalho. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2008. p. 379-404.

SOUZA, M. M. Surdocegueira e Deficiência Múltipla Sensorial: análise do programa atendimento domiciliar & famílias apoiadas. 2010. 183 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2010. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-22062010-121150/pt-br.php. Acesso em: 15 set. 2018.

TURNBULL, A. et al. Exceptional lives: special education in today´s school. 8. ed. United States: Pearson, 2016.

VILLELA, T. C. R. Uma criança com deficiência visual e múltipla: análise da comunicação e interação social. 2012. 161 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Humanas) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2012. Disponível em: https://repositorio.ufscar.br/bitstream/handle/ufscar/3106/4499.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 15 set. 2018.

WERTS, M. G.; CULATTA, R. A.; TOMPKINS, J. R. Students with severe or multiple disabilities. In: WERTS, M. G.; CULATTA, R. A.; TOMPKINS, J. R. Fundamentals of Special Education: what every teacher needs to know. 3. ed. New Jersey: Pearson, 2007. p. 344-368.

Publicado

02/01/2021

Como Citar

PEREIRA, J. D. S.; OLIVEIRA, S. D. de; COSTA, M. da P. R. da. Definições dos termos deficiência múltipla e deficiência múltipla sensorial: uma revisão sistemática em teses e dissertações brasileiras. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 16, n. 1, p. 153–175, 2021. DOI: 10.21723/riaee.v16i1.12883. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/12883. Acesso em: 27 fev. 2021.

Edição

Seção

Artigos