Definições dos termos deficiência múltipla e deficiência múltipla sensorial: uma revisão sistemática em teses e dissertações brasileiras

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v16i1.12883

Palavras-chave:

Educação especial, Deficiência múltipla, Deficiência Múltipla sensorial, Revisão sistemática

Resumo

A deficiência múltipla (DMu) vem sendo tratada como um quadro complexo de definição e caracterização. Esse tipo de deficiência tem sido pouco estudado no Brasil, principalmente no âmbito educacional. Os objetivos deste estudo foram descrever e analisar as definições dos termos DMu e deficiência múltipla sensorial (DMS) em teses e dissertações brasileiras. Realizou-se uma revisão sistemática na base de dados da Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações (BDTD), no recorte temporal de 1999 a 2018. Foi realizada uma análise de conteúdo temática das definições dos termos adotados nos trabalhos acadêmicos. Os resultados demonstraram que há uma produção exígua (n=18) de teses e dissertações sobre essa temática no contexto brasileiro, sendo maior a quantidade de dissertações (n=12) do que de teses (n=6). Além disso, observou-se a adoção de definições diversas para os termos DMu e DMS, produzindo flutuações conceituais ao longo do tempo. Notou-se também que a definição de DMu varia entre dois aspectos: a quantidade de manifestações das condições e a qualidade de funcionamento do indivíduo. Foi possível perceber ainda que a DMS é um subtipo no âmbito da DMu que engloba as deficiências visuais ou auditivas associada a outras condições. Conclui-se que esse tema tem sido pouco estudado pelos pesquisadores da Educação Especial e que há necessidade de compartilhar uma definição comum para permitir o avanço nas pesquisas sobre a temática no Brasil. Por fim, sugere-se que esse tipo de deficiência, a partir do panorama apresentado, seja mais contemplado, especialmente em pesquisas na área da Educação Especial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Josilene Domingues Santos Pereira, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos – SP

Doutoranda no Programa de Pós-graduação em Educação Especial.

Sabrina David de Oliveira, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos – SP

Doutoranda no Programa de Pós-graduação em Educação Especial.

Maria da Piedade Resende da Costa, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos – SP

Professora no Programa de Pós-Graduação em Educação Especial. Doutora em Psicologia (USP).

Referências

ARAÓZ, S. M. Inclusão de alunos com deficiência múltipla: análise de um programa de apoio. 2009. 206 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP, 2009. Disponível em: https://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/2860. Acesso em: 15 set. 2018.

ARAÓZ, S. M.; COSTA, M. P. R. Deficiência múltipla: as técnicas, mapas e caminho no apoio à inclusão. Jundiaí: paco Editorial, 2015. 128 p.

ARAÚJO, G. A. O tratamento musicoterapêutico aplicado à comunicação verbal e não verbal em crianças com deficiências múltiplas. 2011. 90 f. Dissertação (Mestrado em Saúde) – Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/30996. Acesso em: 15 set. 2018.

ASSOCIAÇÃO AMERICANA DE PSIQUIATRIA (AMP). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais, DSM-V. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2014.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Trad. Luís Antero Reto, Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70, 2016. 279 p.

BIANCHINI, N. C. P. Abordagem fonoaudiológica do silêncio como comunicação na deficiência múltipla: estudo de casos clínicos. 2015. 69 f. Dissertação (Mestrado em Fonoaudiologia) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2015. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/250712/1/Kassar_MonicadeCarvalhoMagalhaes_D.pdf. Acesso em: 15 set. 2018.

BOAS, D. C. V. Pessoas com surdocegueira e com deficiência múltipla: análise de relações de comunicação. 2014. 188 f. Tese (Doutorado em Fonoaudiologia) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2014. Disponível em: https://tede2.pucsp.br/bitstream/handle/11979/1/Denise%20Cintra%20Villas%20Boas.pdf. Acesso em: 15 set. 2018.

BOTELHO, R. L. Percepções e condutas maternas quanto à alimentação de crianças com múltiplas deficiências e problemas alimentares. 2017. 90 f. Dissertação (Mestrado em Fonoaudiologia) – Programa de Estudos Pós-Graduados em Fonoaudiologia, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2017. Disponível em: https://sapientia.pucsp.br/bitstream/handle/19894/2/Rafael%20Lacerda%20Botelho.pdf. Acesso em: 15 set. 2018.

BRASIL. Educação infantil: saberes e práticas da inclusão: dificuldades acentuadas de aprendizagem: deficiência múltipla. 4. ed. Brasília: MEC, Secretaria de Educação Especial, 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/deficienciamultipla.pdf. Acesso em: 30 out. 2018.

BRASIL. Política Nacional da Educação Especial. Brasília: Ministério da Educação/Secretaria de Educação Especial, 1994. Disponível em: https://midia.atp.usp.br/plc/plc0604/impressos/plc0604_aula04_AVA_Politica_1994.pdf. Acesso em: 30 out. 2018.

BRASIL. Programa de capacitação de recursos humanos do ensino fundamental: deficiência múltipla. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2000. v. 1. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/def_multipla_1.pdf. Acesso em: 30 out. 2018.

BRASIL. Lei n. 13.146, de 06 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Brasília, DF, 6 jul. 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm. Acesso em: 20 out. 2019.

CARVALHO, E. N. S. Programa de capacitação de recursos humanos do Ensino Fundamental: deficiência múltipla. Brasília, DF: MEC/SEESP, 2000. v. 1. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/def_multipla_1.pdf. Acesso em: 30 out. 2018.

CORDEIRO, A. M. et al. Revisão sistemática: uma revisão narrativa. Rev. Col. Bras. Cir., Rio de Janeiro, v. 34, n. 6, p. 428-431, dec. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-69912007000600012&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 12 jul. 2019.

DAMIANCE, P. R. M. Acesso da pessoa com deficiência múltipla aos serviços de saúde bucal. 2016. 194 f. Tese (Doutorado em Ciências Odontológicas Aplicadas) – Universidade de São Paulo, Bauru, 2016. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/25/25144/tde-07112016-092910/pt-br.php. Acesso em: 15 set. 2018.

FEMINELLA, A. P.; LOPES, L. F. Disposições Gerais/Da Igualdade e da não Discriminação e Cadastro-Inclusão. In: SETUBAL, J. M.; FAYAN, R. A. C. (Org.). Lei brasileira de inclusão da pessoa com deficiência- comentada. Campinas, Fundação FEAC, 2016. Disponível em: https://www.feac.org.br/wp-content/uploads/2017/05/Lei-brasileira-de-inclusao-comentada.pdf. Acesso em: 26 out. 2019.

HARDMAN, M. L.; DREW, C. J.; EGAN, M. W. Phisical disabilities and health impairments. In: HARDMAN, M. L.; DREW, C. J.; EGAN, M. W. Human exceptionality: school, community and family. 8. ed. Pearson, 2003. p. 470-511.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Sinopse estatística da Educação Básica 2018. Brasília, Inep: 2019. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/sinopses-estatisticas-da-educacao-basica. Acesso em: 2 ago. 2019.

JACOB, R. N. F. Alteridade na escola regular: uso de alternativas de comunicação e de linguagem para a inclusão de alunos com múltipla deficiência sensorial. 2012. 152 f. Dissertação (Mestrado em Educação, Arte e História) – Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2012. Disponível em: http://dspace.mackenzie.br/handle/10899/13561. Acesso em: 15 set. 2018.

JONES, A. B. Percepção da inclusão social na visão da família e educadores de crianças com deficiências múltiplas. 2013. 75 f. Dissertação (Mestrado em Distúrbios do Desenvolvimento) – Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2013. Disponível em: http://tede.mackenzie.br/jspui/handle/tede/1610. Acesso em: 15 set. 2018.

KASSAR, M. C. M. Modos de participação e constituição de sujeitos nas práticas sociais: a institucionalização de Pessoas com deficiência múltipla. 1999. 123 f. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/250712/1/Kassar_MonicadeCarvalhoMagalhaes_D.pdf. Acesso em: 15 set. 2018.

LARA, M. L. G. Diferenças conceituais sobre termos e definições e implicações na organização da linguagem documentária. Ci. Inf., Brasília, v. 33, n. 2, p. 91-96, maio/ago. 2004. Disponível em: http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/1050/1126. Acesso em: 28 out. 2018.

MOREIRA, F. D. S. Comunicação alternativa para crianças com deficiência múltipla sensorial. Benjamin Constant, Rio de janeiro, v. 1, n. 60, p. 110-129, jan./jun. 2017. Disponível em: http://www.ibc.gov.br/images/conteudo/revistas/benjamin_constant/2018/BC60_1_publi__a-27.07.pdf. Acesso em: 18 nov. 2018.

NAGY, D. G. Intervenção fonoaudiológica junto a mães de crianças com múltiplas deficiências. 2005. 103 f. Dissertação (Mestrado em Fonoaudiologia) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2005. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/dic/article/view/11838/8563. Acesso em: 15 set. 2018.

NEVES, M. H. M. Gramática de usos do português. São Paulo: Editora UNESP, 2000, 1037 p.

NOGUEIRA, S. A. Práticas pedagógicas de professoras de alunos com deficiência intelectual e/ou múltipla: trocas experienciais e vivências no núcleo de estudos e formação docente da APAE de Feira de Santana, Bahia. 2015. 198 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2015. Disponível em: http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UFBA-2_8fe6960eeff4a9835edf5bdb5f610585. Acesso em: 15 set. 2018.

NUNES, I. M. Política de escolarização de sujeitos com diagnóstico de deficiência múltipla: tensões e desafios. 2016. 240 f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2016. Disponível em: http://repositorio.ufes.br/bitstream/10/8547/1/tese_9408_tese%20-%20%20final.pdf. Acesso: em: 15 set. 2018.

OTONI, C. D. F. Uso de tecnologias assistivas no ensino de geometria: uma experiência em aluno com múltiplas deficiências. 2016. 98 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciência e Tecnologia) – Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Ponta Grossa, 2016. Disponível em: http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UTFPR-12_1ab4c9d4ce665e5b106e814287f15e55. Aceso em: 15 set. 2018.

POLLI, M. T. Expectativas de aprendizagem e estratégias pedagógicas: o olhar de professoras que atuam com alunos com deficiência múltipla. 2012. 158 f. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP. Disponível em: http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/312317. Acesso em: 15 set. 2018.

PRESTES, D. B. Comportamento motor da criança com deficiência múltipla nos contextos vivenciais: um estudo de caso. 2013. 151 f. Dissertação (Mestrado em Ciência do Movimento Humano) – Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, 2013. Disponível em: http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UDSC_96e90d7d5108b8e02c9415ea51128ea5. Acesso em: 15 set. 2018.

WHO. World Health Organization. Relatório Mundial Sobre a Deficiência. Trad. Lexicus Serviços Linguísticos. São Paulo: SEDPcD, 2012. 334 f. Disponível em: http://www.pessoacomdeficiencia.sp.gov.br/usr/share/documents/RELATORIO_MUNDIAL_COMPLETO.pdf. Acesso em: 28 de out. 2018.

RIBAS, C. G. Tecnologia assistiva: construção de um artefato para a adequação da postura em criança com paralisia cerebral e com múltipla deficiência. 2006. 139 f. Dissertação (Mestrado em Tecnologia em Saúde) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2006. Disponível em: http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/P_PR_91c2bafa7b2a99901689d9f66a589c23#details. Acesso em: 15 set. 2018.

ROCHA, M. G. S.; PLETSCH, M. D. Deficiência múltipla: disputas conceituais e políticas educacionais no Brasil. Cad. Pes., São Luís, v. 22, n. 1, p. 112-125, jan./abr. 2015. Disponível em: http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/cadernosdepesquisa/article/view/3077/1447. Acesso em 30 out. 2018.

SMITH, D. D. Deficiências de baixa incidência: deficiência múltipla grave, surdocegueira e traumatismo cranioencefálico. In: SMITH, D. D. Introdução à educação especial: ensinar em tempos de inclusão. Trad. Sandra Moreira de Carvalho. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2008. p. 379-404.

SOUZA, M. M. Surdocegueira e Deficiência Múltipla Sensorial: análise do programa atendimento domiciliar & famílias apoiadas. 2010. 183 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2010. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-22062010-121150/pt-br.php. Acesso em: 15 set. 2018.

TURNBULL, A. et al. Exceptional lives: special education in today´s school. 8. ed. United States: Pearson, 2016.

VILLELA, T. C. R. Uma criança com deficiência visual e múltipla: análise da comunicação e interação social. 2012. 161 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Humanas) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2012. Disponível em: https://repositorio.ufscar.br/bitstream/handle/ufscar/3106/4499.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 15 set. 2018.

WERTS, M. G.; CULATTA, R. A.; TOMPKINS, J. R. Students with severe or multiple disabilities. In: WERTS, M. G.; CULATTA, R. A.; TOMPKINS, J. R. Fundamentals of Special Education: what every teacher needs to know. 3. ed. New Jersey: Pearson, 2007. p. 344-368.

Publicado

02/01/2021

Como Citar

PEREIRA, J. D. S.; OLIVEIRA, S. D. de; COSTA, M. da P. R. da. Definições dos termos deficiência múltipla e deficiência múltipla sensorial: uma revisão sistemática em teses e dissertações brasileiras. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 16, n. 1, p. 153–175, 2021. DOI: 10.21723/riaee.v16i1.12883. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/12883. Acesso em: 12 maio. 2021.

Edição

Seção

Artigos