Imigrantes no espaço escolar: interfaces da cidadania intercultural com os valores cívicos

Natalia Branco Lopes Krawczun, Claudio César Machado Moreno, Rita de Cássia Resquetti Tarifa Espolador

Resumo


Partindo da perspectiva da filósofa espanhola Adela Cortina ao apontar a existência de valores cívicos, cuja incorporação na ação educativa institucional é primordial, este trabalho tem como objetivo propor uma reflexão na qual valores como liberdade, igualdade, diálogo, respeito ativo, e solidariedade pode contribuir para a vivência da educação institucional em sua dimensão intercultural. A proposição deste artigo desvela-se de maneira relevante ao passo que ao se pautar na concepção contraposta à opressão de diferentes culturas, que é desvelada a partir das reflexões de referenciais teóricos como Adela Cortina e Paulo Freire, demonstra a possibilidade de que uma benéfica e salutar relação seja constituída no espaço escolar de modo a tornar o direito à educação aos imigrantes efetivamente viável. Para isso, em um primeiro momento, este trabalho apontará dados da entrada de imigrantes no Brasil e diretrizes gerais da política migratória brasileira no tocante ao acesso à educação. Na sequência, será retratado, sob a perspectiva de Adela Cortina, o conceito de cidadania intercultural e o seu liame com a ação educativa no espaço escolar. Como desfecho, por meio da abordagem pontual dos valores cívicos, será estabelecida uma reflexão a respeito da contribuição que estes valores incorporados à ação educativa institucional podem oferecer no que diz respeito à promoção de condições profícuas para o desenvolvimento da cidadania intercultural.


Palavras-chave


Educação intercultural; Imigrantes; Valores cívicos.

Texto completo:

PDF/A

Referências


ACNUR. Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados. Disponível em: https://www.acnur.org/portugues/dados-sobre-refugio/. Acesso em: out. 2019.

ARENDT, H. Entre o passado e o futuro. São Paulo: Perspectiva, 1992.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: ago. 2019.

BRASIL. Lei n. 13.445, de 24 de maio de 2017. Institui a Lei de Migração. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/l13445.htm. Acesso em: ago. 2019.

CORTINA, A. Cidadãos do mundo: para uma teoria da cidadania. São Paulo: Loyola, 2005.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 22. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GADOTTI, Moacir. Pedagogia: diálogo e conflito. São Paulo: Cortez, 1995

LUCKESI, C. C. Filosofia da educação. São Paulo: Cortez, 1994

MENDONÇA, E. P. de. A construção da liberdade. São Paulo: Convívio, 1977.

MILESI, R.; COURY, P. Refúgio, Migrações e Cidadania. Cadernos de Debates, Brasília, v. 12, n. 12, 2017. Instituto Migrações e Direitos Humanos. ISSN: 1984.2104. Disponível em: https://www.acnur.org/portugues/wp-content/uploads/2018/02/Caderno-de-Debates-12_Ref%C3%BAgio-Migra%C3%A7%C3%B5es-e-Cidadania.pdf. Acesso em: ago. 2019.

MORAES, R. de. O que é ensinar? São Paulo: EPU, 1986.

PASSARINHO, N. Brasil recebe apenas 2% dos 2,3 milhões de venezuelanos expulsos pela crise. BBC News Brasil, 21 ago. 2018. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-45251779. Acesso em: out. 2019.

PIZZI, J. O conteúdo moral do agir comunicativo. São Leopoldo: Unisinos, 2005.

UNRWA. United Nations Relief and Works Agency. Disponível em: https://www.unrwa.org/. Acesso em: set. 2019.




DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v15i4.13149



Direitos autorais 2020 Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação

 

Rev. Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1982-5587

DOI Prefix: 10.21723/riaee

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.