“Nossa história de vida é construída a partir do nosso corpo”: a produção do corpo viado na docência

Pedro Paulo Souza Rios, Alfrancio Ferreira Dias

Resumo


O artigo tem como objetivo analisar como são construídos os discursos de corpos viados em docentes gays que vivem no interior da Bahia. O estudo está ancorado na abordagem (auto)biográfica, que concebe a narrativa enquanto instrumento de produção de dados, uma vez que evidencia elementos da subjetividade do sujeito, sua trajetória de formação e experiências de vida. Com as narrativas selecionadas, analisa-se como o corpo viado é construído tendo como parâmetros os mecanismos instituídos pelas normas vigentes, pautadas na heteronormatividade. Assim, é possível inferir que corpos estranhos se constituem enquanto discurso e transgridem a norma. Demarcam fronteiras e se autodeclaram alforriados dos grilhões heteronormativos a que eram subjugados e, então, se impõem ao problematizarem questões considerados como não passíveis de discussão, propondo novas possibilidades de viver o gênero e as sexualidades a partir das diferenças.

Palavras-chave


(Auto)biografia; Corpo viado; Gênero; Docência.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


ALMEIDA, S. M. de; JAEHN, L.; VASCONCELLOS, M. Precisamos falar de gênero: por uma educação democrática. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v. 13, n. esp. 2, p. 1503-1517, set. 2018.

BENJAMIN, W. O narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: BENJAMIN, W. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 7. ed. Trad. Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1994. p. 213-240.

BOSI, E. Memória e Sociedade: lembranças de velhos. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

BUTLER, J. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do “sexo”. In: LOURO, G. L. (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

BUTLER, J. Corpos que ainda importam. Sapere Aude, Belo Horizonte, v. 6, n. 11, p.12-16, 2015. ISSN: 2177-6342.

CRUZ, M. H. S. A crítica feminista à ciência e contribuição à pesquisa nas ciências humanas. Revista Tempos e Espaços em Educação, v. 11, p. 15-28, 2014.

DIAS, A. F. Como as escolas educam corpos nas práticas pedagógicas? Revista Tempos e Espaços em Educação, v. 7, n. 14, p. 103-112, abr. 2014.

DIAS, A. F.; CARDOSO, H. DE M.; SANTOS, A. L. DOS; MENEZES, C. A. A.; RIOS, P. P. S. Schooling and subversions of gender. Revista Tempos e Espaços em Educação, v. 10, n. 22, p. 83-92, maio 2017.

DIAS, A. F.; MENEZES, C. A. A. Que inovação pedagógica a pedagogia queer propõe ao currículo escolar? Revista Tempos e Espaços em Educação, v. 10, n. 23, p. 37-48, out. 2017.

FINO, C. N. Inovação pedagógica e ortodoxia curricular. Revista Tempos e Espaços em Educação, v. 9, n. 18, p. 13-22, 14 abr. 2016.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Trad. Raquel Ramalhete. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

FOUCAULT, M. História da sexualidade: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1998.

FOUCAULT, M. Em defesa da sociedade. Curso no Collegè de France (1975-1976). São Paulo: Martins Fontes, 1999.

GOMES-DA-SILVA, P. N. Pedagogia da corporeidade: o decifrar e o subjetivar na educação. Revista Tempos e Espaços em Educação, v. 11, p. 15-30, 2014.

JOSSO, M. C. Experiências de vida e formação. São Paulo: Cortez, 2010.

LE BRETON, D. Adeus ao corpo: antropologia e sociedade. Campinas: Papirus, 2003.

LOURO, G. L. Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

RIOS, P. P. S; DIAS, A. F; BRAZÃO, J. P. G. “As brincadeiras denunciavam que eu era uma criança viada”: o gênero “fabricado” na infância. Revista Educação em Questão, v. 57, n. 54, 29 nov. 2019a.

RIOS, P. P. S.; DIAS, A. F.; BRAZÃO, J. P. G. “Lembro-me de querer andar durinho, como se diz que homem deve ser”: a construção do corpo gay na escola. Revista Exitus, v. 9, p. 775-804, 2019b.

RIOS, P. P. S.; DIAS, A. F. “Então me classificavam como estranho”: entre narrativas na construção do estranho no corpo de professores gays. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, v. 4, p. 539-557, 2019.

RUDD, T.; GOODSON, I. F. Refraction as a tool for understanding action and educational orthodoxy and transgression. Revista Tempos e Espaços em Educação, v. 9, n. 18, p. 99-110, 11 abr. 2016.

SCHÜTZE, F. Pesquisa biográfica e entrevista narrativa. In: WELLER, W.; PFAFF, N. Metodologias da pesquisa qualitativa em educação. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011. p. 210-222.

SOUZA, E. C. A arte de contar e trocar experiências: reflexões teórico-metodológicas sobre história de vida em formação. Revista Educação em Questão, Natal, v. 25, n. 11, p. 22-39, jan./abr. 2006.

SOUZA, E. C. Modos de narração e discursos da memória: biografização, experiências e formação. In: PASSEGGI, M. C; SOUZA, E. C. (Auto)Biografia: formação, territórios e saberes. Natal: EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2008. p. 85-101. (Coleção Pesquisa (Auto)Biográfica & Educação).

ULJENS, M. Non-affirmative curriculum theory in a cosmopolitan era? Revista Tempos e Espaços em Educação, v. 9, n. 18, p. 121-132, abr. 2016.




DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v15i3.13574



Direitos autorais 2020 Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação

 

Rev. Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1982-5587

DOI Prefix: 10.21723/riaee

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.