Desafios do trabalho de educadoras sociais em casas de acolhimento

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v15iesp3.14448

Palavras-chave:

Educador social, Sofrimento, Abrigo, Psicodinâmica

Resumo

Este estudo analisa as vivências de prazer e sofrimento no trabalho de educadoras sociais em Casas de Acolhimento no Pantanal Sul-Mato-Grossense. Baseado na teoria da Psicodinâmica do Trabalho, foi analisado o sofrimento derivado do choque entre as normatizações organizacionais e as situações laborais reais experienciadas no atendimento a crianças e adolescentes. Nove profissionais de duas instituições públicas foram entrevistadas, cujas narrativas foram ponderadas através da Análise de Sentido. Os resultados apontam para o uso constante de inteligência prática diante de condições materiais e capacitações insuficientes, relações institucionais desrespeitosas, falta de suporte emocional-afetivo e autoaceleração pela sobrecarga de trabalho imposta. A identificação com as tarefas socioeducativas e a satisfação com o desenvolvimento dos acolhidos foram os aspectos citados propulsores de realização. Conclui-se ser necessário o reconhecimento da profissão e da importância da educação social para a reintegração segura dos acolhidos na família de origem ou lar adotivo.

Biografia do Autor

Eiza Nádila Bassoli, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Corumbá – MS

Mestre em Educação pelo Programa de Pós Graduação em Educação da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Câmpus do Pantanal.

Vanessa Cartherina Neumann Figueiredo, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Corumbá – MS

Professora Associada do Curso de Psicologia, do Programa de Pós-Graduação em Educação e do Programa de Pós-Graduação em Estudos Fronteiriços na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Câmpus do Pantanal. Doutora em Saúde Coletiva pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

Referências

BRASIL. Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Brasília, DF: Diário Oficial da República Federativa do Brasil, 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L8069.htm#art266. Acesso em: 29 ago. 2020.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Secretaria Nacional de Assistência Social. Norma Operacional Básica de Recursos Humanos do SUAS (NOB-RH/SUAS). Brasília, DF. 2006. Disponível em: https://docs.google.com/ 2006.viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxjb25ncmVzc29yZWdpb25hbGRvc3NvY2lvbG9nb3N8Z3g6NzVhMTgyMzZlZWY2NjNhNg. Acesso em: 29 ago. 2020.

BRASIL. Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente. Conselho Nacional de Assistência Social. Orientações técnicas: serviços de acolhimento para crianças e adolescentes. Brasília, DF. 2009. Disponível em: http://acolhimentoemrede.org.br/site/wp-content/uploads/2014/04/Orienta%C3%A7%C3%B5es-T%C3%A9cnicas.pdf. Acesso em: 29 ago. 2020.

CAVALCANTE, Lília Iêda Chaves; CORREA, Laiane Da Silva. Perfil e trajetória de educadores em instituição de acolhimento infantil. Cad. Pesqui., São Paulo, v. 42, n. 146, p. 494-517, ago. 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-15742012000200010&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 29 ago. 2020. DOI: 10.1590/S0100-15742012000200010.

COSTA, Camila Fornelli; SANTOS, Thaís Ferreira; SANTOS, Vanessa Silva; LIMA, Luís Antônio Gomes. Entre a instituição e o lar: uma odisseia com educadores. Pesqui. prát. psicossociais, São João del-Rei, v. 13, n. 1, p. 1-15, abr. 2018. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-89082018000100004&lng=pt&nrm=iso. Acessos em: 28 ago. 2020.

CRUZ, Edson Junior Silva da; DIAS, Greicyani Brarymi; PEDROSO, Janari da Silva. Estudo do “Ages and Stages Questionnaires” com cuidadores de crianças institucionalizadas. Psico-USF, Itatiba, v. 19, n. 3, p. 411-420, dez. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-82712014000300005&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 22 ago. 2020. DOI: 10.1590/1413-82712014019003004.

DEJOURS, Christophe. A sublimação, entre sofrimento e prazer no trabalho. Revista Portuguesa de Psicanálise, v. 33, n. 2, p. 9-28, 2013. Disponível em: http://docplayer.com.br/24920304-A-sublimacao-entre-sofrimento-e-prazer-no-trabalho-1.html. Acesso em: 29 ago. 2020.

FERREIRA, Daniella Caroline Rodrigues Ribeiro Ferreira; SANTOS, Adriana Regina de Jesus. A educação não formal e sua interface com a pedagogia social: conceito, contexto e proposições da formação do sujeito cidadão. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. 4, p. 2275-2286, 2019. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/11975. Acesso em: 18 ago. 2020. DOI: 10.21723/riaee.v14i4.11975.

GOLIN, Gabriela; BENETTI, Silvia Pereira da Cruz. Acolhimento precoce e o vínculo na institucionalização. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v. 29, n. 3, p.241-248, set. 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-37722013000300001&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 28 ago. 2020. DOI: 10.1590/S0102-37722013000300001.

GUARÁ, Isa Maria F. R. Abrigo: comunidade de acolhida e socioeducação. In: BAPTISTA, Myrian Veras. (coord.). Abrigo: comunidade de acolhida e socioeducação. São Paulo: Instituto Camargo Corrêa, p. 63-72, 2006.

HALPERN, Elizabeth Espindola; LEITE, Ligia Maria Costa; MORAES, Mayara Cristina Muniz Bastos. Seleção, capacitação e formação da equipe de profissionais dos abrigos: o hiato entre o prescrito e o real. Trab. educ. saúde, Rio de Janeiro, v. 13, supl. 1, p. 91-113, 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-77462015000400091&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 28 ago. 2020. DOI: 10.1590/1981-7746-sip00033.

KERGOAT, Danièle. Divisão sexual do trabalho e relações sociais de sexo. In: HIRATA, Helena; LABORIE, Françoise; LE DOARÉ, Hélène; SENOTIER, Danièle. (orgs.). Dicionário crítico do feminismo. Tradução Vivian Aranha Saboia. São Paulo: Editora Unesp, p. 67-75, 2009.

LANCMAN, Selma; SZNELWAR, Laerte Idal. (orgs.). Christophe Dejours: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. 3ª ed. Brasília: Paralelo 15, 2011.

LEMOS, Adriana Guerra Abreu; MORAES, Mayara Muniz Bastos; ALVES, Daniel Gonçalves, HALPERN, Elizabeth Espindola; LEITE, Ligia Costa. Evasão nas unidades de acolhimento: discutindo seus significados. Psicol. Soc., Belo Horizonte, v. 26, n. 3, p. 594-602, dez. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822014000300008&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 29 ago. 2020. DOI: 10.1590/S0102-71822014000300008.

LHUILIER, Dominique. Introdução à psicossociologia do trabalho. Cad. psicol. soc. trab., São Paulo, v. 17, n. esp., p. 5-20, jun. 2014. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-37172014000100003&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 22 ago. 2020. DOI: 10.11606/issn.1981-0490.v17ispe1p5-19.

LIMA, Suzana Canez da Cruz. Coletivo de trabalho e reconhecimento: uma análise psicodinâmica dos cuidadores sociais. Orientadora: Ana Magnólia Mendes. 2011. 220 f. Tese (Doutorado em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações) - Universidade de Brasília, Brasília, 2011.

MANICA, Loni Elisete. A educação profissional formal e não formal das pessoas com deficiência no Brasil. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 12, n. 4, p. 1998-2023, out./dez. 2017. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/9320. Acesso em: 18 ago. 2020. DOI: 10.21723/riaee.v12.n4.out./dez.2017.9320.

MEDEIROS, Blenda Carine Dantas de; MARTINS, João Batista. O Estabelecimento de vínculos entre cuidadores e crianças no contexto das instituições de acolhimento: um estudo teórico. Psicol. cienc. prof., Brasília, v. 38, n. 1, p. 74-87, mar. 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932018000100074&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 29 ago. 2020. DOI: 10.1590/1982-3703002882017.

MENDES, Ana Magnólia. Pesquisa em psicodinâmica do trabalho: a clínica do trabalho. In: MENDES, Ana Magnólia. (org.). Psicodinâmica do trabalho: teoria, método e pesquisas. São Paulo: Casa do Psicólogo, p. 65-87, 2007.

PEREIRA, Antônio. A profissionalidade do educador social frente a regulamentação profissional da educação social: as disputas em torno do projeto de lei 5346/2009. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 11, n. 3, p. 1294-1317, 2016. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/6041. Acesso em: 18 ago. 2020. DOI: 10.21723/riaee.v11.n3.6041.

TEIXEIRA, Paulo André Sousa; VILLACHAN-LYRA, Pompéia. Sentidos de desacolhimento de mães sociais dos sistemas de casas lares. Psicol. Soc., Belo Horizonte, v. 27, n. 1, p. 199-210, abr. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822015000100199&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 29 ago. 2020. DOI: 10.1590/1807-03102015v27n1p199.

TINOCO, Valéria; FRANCO, Maria Helena Pereira. O luto em instituições de abrigamento de crianças. Estud. psicol. (Campinas), Campinas, v. 28, n. 4, p. 427-434, dez. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-166X2011000400003&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 22 ago. 2020. DOI: 10.1590/S0103-166X2011000400003.

Downloads

Publicado

30/10/2020

Como Citar

Bassoli, E. N., & Figueiredo, V. C. N. (2020). Desafios do trabalho de educadoras sociais em casas de acolhimento. Revista Ibero-Americana De Estudos Em Educação, 15(esp3), 2396–2410. https://doi.org/10.21723/riaee.v15iesp3.14448