Gênero, sexualidade e educação de jovens em materiais didáticos brasileiros

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v17i2.14553

Palavras-chave:

Educação, Educação sexual, Jovem, Materiais didáticos

Resumo

O estudo indaga como se traduzem os conceitos de gênero e sexualidade em projetos de educação direcionados aos jovens. Dois vídeos formaram o corpus documental da investigação: Minha vida de João e Era uma vez outra Maria, ambos produzidos por Organizações Não Governamentais. Realizamos trabalhos de descrição dos vídeos, análise de conteúdo, assim como das imagens, acompanhados de entrevistas com seus produtores. Os resultados revelaram que os materiais podem ser considerados como dispositivos de biopolítica, pois estabelecem um currículo “politicamente correto”, apresentando uma forma ideal de viver a sexualidade na juventude. Concluímos que os vídeos são prescritivos e restringem uma reflexão mais profunda acerca do tema, limitando possibilidades de mudança ou ruptura em relação aos modelos mais tradicionais de gênero e sexualidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Taluana Laiz Martins Torres, Faculdade de Educação - USP

Professora colaboradora. Pós-Doutoranda da Faculdade de Educação.

Referências

ALIANÇA, H. Série trabalhando com homens jovens. Promundo; Salud y Género; ECOS; Instituto PAPAI. Rio de Janeiro: Promundo, 2009.

ÁVILA, M. B. Direitos sexuais e reprodutivos: desafios para as políticas de saúde. Cad.Saúde Pública, v. 19, sup. 2, p. 465-469, 2003. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csp/a/q9MctdsGhp3QSKspjfPt5Rx/?lang=pt. Acesso em: 10 mar. 2021.

BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1990.

BALL, M. El esencialismo visual y el objeto de los estudios visuales. Journal of Visual Culture, v. 2, n. 1, p. 5-32, abr. 2003. DOI: 10.1177/147041290300200101. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/147041290300200101. Acesso em: 10 mar. 2021.

BONINO, L. Los varones hacia la paridad en lo doméstico: discursos sociales y prácticas masculinas. In: SÁNCHEZ-PALENCIA, C.; HIDALGO, J.C. (Ed.). Masculino plural: Construcciones de la masculinidad. Lérida: Edicions de la Universitat de Lleida, 2011.

BRAGA, K.; CAETANO, M.; RIBEIRO, A. A educação e o seu investimento heteronormativo curricular. Momento - Diálogos em Educação, Rio Grande, v. 27, n. 3, p.12-29, 2019. DOI: 10.14295/momento.v27i3.8348. Disponível em: https://periodicos.furg.br/momento/article/view/8348. Acesso em: 20 set. 2021.

BROWN, J. L. Derechos sexuales y reproductivos: teoría, política y espacio público. Buenos Aires: Teseo, 2011.

CORRÊA, S.; PETCHESKY, R. Direitos sexuais e reprodutivos: uma perspectiva feminista.Physis, Rio de Janeiro, v. 6, n. 1-2, p.147-177, 1996. Disponível em: https://www.scielo.br/j/physis/a/K7L76NSSqymrLxfsPz8y87F/abstract/?lang=pt. Acesso em: 20 out. 2021.

ERA UMA VEZ OUTRA MARIA. Produção: Jah Comunicações. Realização: Projeto M. São Paulo: Projeto M, 2008. 1 DVD (20 min.) DVD, son., color.

ESTEBAN, M.P.S. Pesquisa qualitativa em educação: fundamentos e tradições. Porto Alegre: AMGH, 2010.

GRUPO GAY DA BAHIA. Relatório mortes violentas de LGBT no Brasil. 2017. Disponível em: https://homofobiamata.files.wordpress. com/2017/12/relatorio-2081.pdf. Acesso em: 11 out. 2020.

HELLER, A.; FEHER, F. Biopolítica: la modernidad y la liberación del cuerpo. Barcelona: Península, 1995.

HERNÁNDEZ, F. Catadores da cultura visual: proposta para uma nova narrativa educacional. Porto Alegre: Mediação, 2009.

LAGO, M. C. S. et al. Difícil falar do agora. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 27, n. 2, p. 1-6, jun. 2019. DOI: 1590/1806-9584-2019v27n265596. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ref/a/hBRWhYsVjRQVDnHshFHK34v/?lang=pt. Acesso em: 10 abr. 2021.

LOURO, G. L. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec, 1999.

MINHA VIDA DE JOÃO. Produção: Jah Comunicações. Realização: Projeto H. São Paulo: Projeto H, 2006. 1 DVD (23 min.) DVD, son., color.

POLICARPO, V. M. N. M. Para lá da heteronorma: subjetivação e construção da identidade sexual. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 24, n. 2, p. 541-562, ago. 2016. DOI: 10.1590/1805-9584-2016v24n2p541. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ref/a/cdjZmNfJ7VBjRnq5ryN5Xmf/abstract/?lang=pt. Acesso em: 10 out. 2021.

RIBEIRO, P. R. M.; MONTEIRO, S. A. S. Dossiê: Avanços e retrocessos da educação sexual no Brasil: apontamentos a partir da eleição presidencial de 2018. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. esp. 2, p. 1254-1264, jul. 2019. DOI: 10.21723/riaee.v14iesp.2.12701. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/12701/8337. Acesso em: 05 out. 2021.

ROSE, D. Análise de imagens em movimento. In: BAUER, M. W.; GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. 7. ed. Tradução Pedrinho A. Guareschi. Petrópolis: Vozes, 2008.

SCOTT, J. W. Relendo a história do feminismo. In: SCOTT, J. W. A cidadã paradoxal: as feministas e os direitos do homem. Tradução Elvio A. Funck. Florianópolis: Mulheres, 2002.

SOARES, Z. P.; MONTEIRO, S. S. Formação de professores/as em gênero e sexualidade: possibilidades e desafios. Educar em Revista, Curitiba, - SP - v.35, n.73, p.287-305, fev. 2019. DOI: 10.1590/0104-4060.61432. Disponível em: https://www.scielo.br/j/er/a/KMSmJfk43rKWcRNHWHfWsfC/?lang=pt. Acesso em: 10 out. 2021.

SORJ, B. Trabalho remunerado e trabalho não remunerado. In: VENTURI, G.; RECAMAN, M.; OLIVEIRA, S. (org.). A mulher brasileira nos espaços público e privado. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2009.

TRAFÍ-PRATS, L. Para una formación del profesorado basada en el cosmopolitismo: curriculum derivativo y posibilidades de exploración indirecta de la subjetividad. In: OLIVEIRA, M.; HERNÁNDEZ, F. (org.). A formação do professor e o ensino das artes visuais. Santa Maria: UFSM, 2014.

VIANNA, A.; LACERDA, P. Direitos e políticas sociais no Brasil: mapeamento e diagnóstico. Rio de Janeiro: CEPESC, 2004.

VIANNA, C. P. Estudos sobre gênero, sexualidade e políticas públicas de educação: as ações coletivas aos planos e programas federais. 2011. 253 p. Tese (Livre Docência) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo: 2011.

Publicado

01/04/2022

Como Citar

TORRES, T. L. M. Gênero, sexualidade e educação de jovens em materiais didáticos brasileiros. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 17, n. 2, p. 1114–1128, 2022. DOI: 10.21723/riaee.v17i2.14553. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/14553. Acesso em: 19 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos