Novas abordagens em psiquiatria no século XXI: a escola como lócus de prevenção e promoção em saúde mental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v15iesp5.14560

Palavras-chave:

Psiquiatria do desenvolvimento, Medicalização da educação, Prevenção de transtornos mentais, Promoção de saúde mental, Governo da infância

Resumo

Este trabalho analisou a emergência de um novo ramo da psiquiatria biológica no Brasil do século XXI, designada psiquiatria do desenvolvimento, e as estratégias para legitimar-se e disseminar seus saberes especializados na sociedade, sobretudo no campo educacional. Por meio de pesquisa bibliográfica e documental, observou-se que os discursos e práticas deste ramo da psiquiatria colocam a escola como lócus privilegiado para intervenções preventivas e de promoção de saúde mental de crianças e adolescentes. A partir de diversas iniciativas, tais como a mobilização de sistema de inteligência artificial para rastreio de transtornos mentais na escola, a psiquiatria do desenvolvimento orienta e instrumentaliza educadores na identificação e manejo de problemas de saúde mental, conforme sua perspectiva, e assim também, no encaminhamento de alunos “suspeitos” ou “em risco” para avaliação em unidades de saúde. Trata-se de uma nova investida da psiquiatria no universo escolar que concorre fortemente para a ampliação do processo de medicalização da infância no país.

Biografia do Autor

Letícia Hummel Amaral, Universidade Federal de Santa Catarina – (UFSC), Florianópolis – SC

Doutoranda no Programa de Pós-graduação em Sociologia Política.

Sandra Caponi, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis – SC

Professora Titular no Departamento de Sociologia e Ciência Política e no Departamento Interdisciplinar em Ciências Humanas. Doutorado em Lógica e Filosofia da Ciência (UNICAMP).

Referências

APA. Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders. 5. ed. Arlington: American Psychiatric Association, 2013. (DSM-5)

APA. Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders. 4. ed. Arlington, VA: American Psychiatric Association, 1994. (DSM-IV-TR)

BRZOZOWSKI, F. S.; CAPONI, S. Medicalización de los desvíos de comportamiento en la infancia: aspectos positivos y negativos. Psicol. cienc. prof., Brasília, v. 33, n. 1, p. 208-221, 2013. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932013000100016

CAPONI, S. Da herança biológica à localização cerebral: sobre o determinismo biológico de condutas indesejadas. Physis, Rio de Janeiroo, v. 17, n. 2, p. 343-352, 2007. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312007000200008

CONRAD, P.; SCHNEIDER, J. W. Deviance and medicalization: from badness to sickness (Exp. ed.). Temple University Press, 1992.

ESTANISLAU, G. M.; BRESSAN, R. A. (Org.). Saúde mental na escola: o que os educadores devem saber. Porto Alegre: Artmed, 2014.

FOUCAULT, M. O poder psiquiátrico: curso no Collège de France (1973-1974). São Paulo: Martins Fontes, 2006.

FOUCAULT, M. Os anormais. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010.

FOUCAULT, M. Segurança, territorio e população. São Paulo: Martin Fontes, 2008.

FRANCES, A. Opening Pandoras Box: The 19 Worst Suggestions For DSM5. Rev.Psychiatric Times, v. 1, n. 1, 2010. Disponível em: https://pdfs.semanticscholar.org/5178/fabd81da7ff4528cb65e2b93c9a91648f719.pdf. Acesso em: 18 out. 2015.

FRANCES, A. Saving normal: an insider’s revolt against out-of-control psychiatric diagnosis, DSM-V, Big pharma, and the medicalization of ordinary life. New York: Harper Collins Publisher, 2013.

INSTITUTO Nacional de Ciência e Tecnologia de Psiquiatria do Desenvolvimento para a Infância e Adolescência. Relatório FAPESP ano II. Jun 2019. Disponível em: http://inpd.org.br/wpcontent/uploads/2019/07/Relatorio_INPD_FAPESP2019.pdf . Acesso em: 5 jul. 2019.

KAMERS, M. A fabricação da loucura na infância: psiquiatrização do discurso e medicalização da criança. Estilos Clín, v. 18, n. 1, p. 153-165, 2013. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?pid=S141571282013000100010&script=sci_abstract&tlng=es. Acesso em: 6 jun. 2019.

MARTINHAGO, F. Contágio social de transtornos mentais: análise das estratégias biopolíticas de medicalização da infância. Orientadores: Sandra Noemi Cucurulo Caponi e Àngel Martínez Hernáez. 2017. 300 f. Tese (Doutorado em Ciências humanas) - Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2017.

MONCRIEFF, J. The myth of the chemical cure. London: Palgrave MacMillan, 2008.

MORAES, C. et al. Força-tarefa brasileira de psiquiatras da infância e adolescência. Rev. Bras. Psiquiatr, São Paulo, v. 30, n. 3, p. 294-295, 2008. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44462008000300021

OLIVEIRA, S. Política, psiquiatria do desenvolvimento e resiliência: novos arranjos epidemiológicos primeiras anotações. In: ENCONTRO ESTADUAL DE HISTÓRIA, 21., 2012, Campinas. Anais [...]. Campinas, SP: ANPUH SP, set. 2012. Disponível em: http://encontro2012.sp.anpuh.org/resources/anais/17/1342405101_ARQUIVO_SaleteOliveira ANPUH2012.pdf. Acesso em: 13 jan. 2019.

POLANCZYCK, G. Em busca das origens desenvolvimentais dos transtornos mentais. Rev. Psiq. RS., v. 31, p. 1, p. 6-12, 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-81082009000100005

TOLEDO, K. Consórcio busca avançar na prevenção da esquizofrenia. Agência Fapesp, 22 maio 2015. Disponível em: http://agencia.fapesp.br/consorcio_busca_avancar_na_prevencao_da_esquizofrenia/21201/. Acesso em: 6 out. 2018.

VIEIRA, M. A.; GADELHA, A. A; MORIYAMA, T. S; BRESSAN, R. A; BORDIN, I. A. Evaluating the effectiveness of a training program that builds teachers’ capability to identify and appropriately refer middle and high school students with mental health problems in Brazil: an exploratory study. BMC Public Health, 2014; 14:210. Disponível em: https://bmcpublichealth.biomedcentral.com/articles/10.1186/1471-2458-14-210. Acesso em: 28/10/2019

WHITAKER, R. Anatomia de uma epidemia. Medicamentos psiquiátricos y el asombroso aumento de las enfermedades mentales. Madrid: Ed. Capitan Swing, 2015.

Downloads

Publicado

01/12/2020

Como Citar

Amaral, L. H., & Caponi, S. (2020). Novas abordagens em psiquiatria no século XXI: a escola como lócus de prevenção e promoção em saúde mental. Revista Ibero-Americana De Estudos Em Educação, 15(esp5), 2820–2836. https://doi.org/10.21723/riaee.v15iesp5.14560