Discurso patologizante: o sujeito-aluno como origem e causa do fracasso escolar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v15iesp5.14563

Palavras-chave:

Escrita, Discurso pedagógico, Patologização, Medicalização da educação, Alfabetização

Resumo

Este estudo, ancorado na Análise de Discurso de filiação pêcheuxtiana, reflete acerca da produção de sentidos sobre a escrita e o sujeito escolar a partir do olhar do discurso pedagógico. Resultado de pesquisa de doutorado desenvolvida junto a professores da rede pública municipal de Curitiba (PR), este artigo objetiva discutir como a discursividade médica, especialmente aspectos relacionados à patologização, produz sentidos sobre o campo do discurso pedagógico e, assim, concorre para o fracasso escolar. A partir da análise de sequências discursivas, discute-se que, no discurso pedagógico, o fracasso escolar está relacionado a processos de patologização do aluno.

Biografia do Autor

Rosyane Mayre Pimenta Natal, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba – PR

Doutorado em Letras pelo Programa de Pós-Graduação em Letras.

Gesualda de Lourdes dos Santos Rasia, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba – PR

Professora Associada no Departamento de Literatura e Linguística e no Programa de Pós-graduação em Letras. Doutorado em Letras (UFRGS).

Rafaela Kessler, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba – PR

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Letras.

Referências

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM V. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2014.

CANGUILHEM, G. O normal e o patológico (1966). 6. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

DUNKER, C. I. L. Mal-estar, sofrimento e sintoma: uma psicopatologia do Brasil entre muros. 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2015.

NATAL, R. M. P. Escrita e sujeito na escola: processos de significação a partir do discurso pedagógico. Orientadora: Gesualda de Lourdes dos Santos Rasia. 2020. 169 f. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2020.

OLIVEIRA, I. B. “Fora da higiene não há salvação”: a disciplinarização do corpo pelo discurso médico no Brasil Republicano. Mneme Revista de Humanidades, Caicó (RN), v. 4, n. 7, 2003. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/mneme/article/view/161/151. Acesso em: 20 abr. 2020.

ORLANDI, E. P. A linguagem e seu funcionamento: as formas do discurso. Campinas: Pontes, 2006.

PÊCHEUX, M. O discurso: estrutura ou acontecimento. Trad. Eni. P. Orlandi. 3. ed. Campinas, SP: Pontes, 2002.

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: Uma crítica à afirmação do óbvio. Trad. Eni. P. Orlandi et al. 4. ed. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2014.

PÊCHEUX, M.; FUCHS, C. A propósito da análise automática do discurso: atualização e perspectivas (1975). In: GADET, F.; HAK, T. (Org.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Trad. Betânia S. Mariani et al. 4. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2010. p. 159-250.

SILVA, M. V da. História da alfabetização no Brasil: sentidos e sujeito da escolarização. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2015.

Downloads

Publicado

01/12/2020

Como Citar

Natal, R. M. P., Rasia, G. de L. dos S., & Kessler, R. (2020). Discurso patologizante: o sujeito-aluno como origem e causa do fracasso escolar. Revista Ibero-Americana De Estudos Em Educação, 15(esp5), 2869–2882. https://doi.org/10.21723/riaee.v15iesp5.14563