A relação de alunos de fonoaudiologia com a leitura e escrita a partir de uma oficina de letramento

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v15iesp5.14570

Palavras-chave:

Letramento, Letramento acadêmico, Ensino superior, Atividades grupais

Resumo

Pesquisas atuais apontam que atividades de letramento na universidade podem ampliar as possibilidades de relação dos sujeitos frente ao uso da leitura e escrita no ambiente acadêmico. Frente a tal compromisso, este estudo objetivou compreender a relação que discentes de uma IES estabelecem com a linguagem escrita após sua participação em uma oficina de letramento. Seis alunas de um curso de graduação em Fonoaudiologia que fizeram parte de uma oficina de promoção do letramento participaram deste estudo. Os resultados estão organizados em 2 eixos que retratam as “Dificuldades de leitura e escrita apresentadas pelos estudantes na universidade” e os “Efeitos da oficina de letramento na posição subjetiva dos mesmos”. O espaço de oficina do letramento pode permitir que seus participantes assumam outras posições frente as suas supostas dificuldades, possibilitando a ampliação de sua autonomia, autoria e uma diminuição de suas angústias e sofrimentos frente à linguagem escrita.

Biografia do Autor

Thiago Mathias Pôrto, Universidade Tuiuti do Paraná (UTP), Curitiba – PR

Doutorando no Programa de Pós-graduação em Distúrbios da Comunicação.

Giselle Athayde Massi, Universidade Tuiuti do Paraná (UTP), Curitiba – PR

Professora Adjunta no Programa de Pós-graduação em Distúrbios da Comunicação. Doutorado em Linguística (UFPR).

Ana Cristina Guarinello, Universidade Tuiuti do Paraná (UTP), Curitiba – PR

Professora Adjunta no Programa de Pós-graduação em Distúrbios da Comunicação. Doutorado em Estudos Linguísticos (UFPR).

Referências

ALMEIDA, A. B.; PAN, M. A. G. S. Contribuições bakhtinianas para o estudo das práticas de leitura e escrita na universidade: autoria, gêneros científicos e identidade profissional. In: PAN, M. A. G. S.; ALBANESE, L.; FERRARINI, N. L. (Org.). Psicologia e educação superior: formação e (m) prática. Curitiba: Juruá, 2017. p. 75-98.

BAKHTIN, M. M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins & fontes, 2003. 512 p.

BAKHTIN, M. M. Marxismo e Filosofia da Linguagem. São Paulo: HUCITEC, 2006. 193 p.

BRASIL. Ministério da Educação. Censo de educação superior: novas notas estatísticas. Brasília: MEC, 2018.

CANGUILHEM, G. O normal e o patológico. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000.

DONIDA, L. O.; SANTANA A. P. Apoio pedagógico como proposta de educação para todos. Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 45, e.192527, p. 1-19, 2019.

FIORIN, J. L. Introdução ao pensamento de Bakhtin. São Paulo: Contexto, 2016. 160 p.

FRANCO, A. S.; MOLINARI, C. A leitura e a escrita na universidade. Revista Eletrônica Pesquisa educação, Santos, v. 5, n. 10, p. 276-294, 2013.

FUZA, A. F.; FIAD, R. S.; GOMES, L. N. Letramento de acadêmicos do curso de letras: apropriação de gêneros e implicações para a formação do professor. Interface, v. 6, n. 1, p. 37-45, 2015.

GERALDI, J. W. Portos de passagem. São Paulo: Martins & Fontes, 2013. 288 p.

GIROTO, C. R. M.; ARAUJO, L. A.; VITTA, F. C. F. Discursivização sobre “doenças do não aprender” no contexto educacional inclusivo: o que dizem os professores de Educação Infantil? Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. esp. 1, p. 807-825, 2019.

INSTITUTO ABRAMUNDO. ILC - Indicador de Letramento Científico: sumário executivo de resultados. São Paulo: Fundação Carlos Chagas em Parceria com Instituto Paulo Montenegro; Ação Educativa, 2014.

INSTITUTO PAULO MONTENEGRO. Indicador de Alfabetismo funcional: estudo especial sobre alfabetismo e mundo do trabalho. 2016.

KERSCH, D. F.; SANTOS, F. C. Escrita acadêmica e desenvolvimento de autoria na formação de professores via EaD: As universidades estão preparadas. Revista Raído. Dourados, v. 11, n. 25, p. 89-106, 2017.

MARQUESIN, D. F. B.; BENEVIDES, C. R. Leitura e Escrita no ensino superior. Revista Brasileira de educação, Rio de Janeiro, v. 14, n. 1, p. 9-28, 2011.

MARTINS, M. S. C. Letramento acadêmico e oralidade: repensando termos à luz da presença Indígena nas universidades brasileiras. Revista Scripta, Belo Horizonte, v. 21, n. 43, p. 127-147, 2017.

MASSI, G. et al. Active aging: an intervention-research report. Rev CEFAC, v. 20, n. 1, p. 5-12, 2018.

MORETTO, M. Tentativas de apropriação da linguagem acadêmica por estudantes universitários: A produção escrita na universidade. Comunicações, Piracicaba, v. 24, n. 1, p. 171-186, jan./abr. 2017.

MOYSÉS, M. A. A.; COLLARES, C. A. L. Medicalização: o obscurantismo reinventado. In: COLLARES, C.; MOYSÉS, M. A.; RIBEIRO, M. C. (Org.). Novas capturas, antigos diagnósticos na era dos transtornos: memórias do II Seminário internacional educação medicalizada: dislexia, TDAH e outros supostos transtornos. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2013. p. 41-64.

PAN, M. A. G. S.; LITENSKI, A. C. L. Letramento e identidade profissional: reflexões sobre a leitura, escrita e subjetividade na universidade. Revista Psicologia escolar e educacional, São Paulo, v. 22, n. 3, p.527-534, 2018.

SIGNOR, R. Os gêneros do discurso como proposta de ação fonoaudiológica voltada para sujeitos com queixas de dificuldades de leitura e escrita. Bakhtiniana, São Paulo, v. 1, n. 5, p. 54-71, 2011.

SIGNOR, R. C. F.; BERBERIAN, A. P.; SANTANA, A. P. A Medicalização da Educação: Implicações para a constituição do sujeito/aprendiz. Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 43, n. 3, p. 743-763, 2017.

SOUZA, M. G.; BASSETTO, L. M. T. Processo de apropriação de gêneros acadêmicos por graduandos em letras e as possíveis implicações para formação de professores/pesquisadores. RBLA, Belo Horizonte, v. 14, n. 1, p. 83-110, 2014.

WINIARSKI, L. R. S. Gêneros acadêmicos e a formação no ensino superior: visão de um grupo de discentes de fonoaudiologia. 2018. 42 f. Monografia (Trabalho de Conclusão do Curso de Fonoaudiologia) – Faculdade de Ciências Biológicas e de Saúde, Universidade Tuiuti do Paraná, Curitiba, 2018.

Downloads

Publicado

01/12/2020

Como Citar

Pôrto, T. M., Massi, G. A., & Guarinello, A. C. (2020). A relação de alunos de fonoaudiologia com a leitura e escrita a partir de uma oficina de letramento. Revista Ibero-Americana De Estudos Em Educação, 15(esp5), 2985–3000. https://doi.org/10.21723/riaee.v15iesp5.14570