Os efeitos de práticas e discursos no processo educacional de um sujeito com suposta dificuldade de leitura e escrita

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v15iesp5.14573

Palavras-chave:

Práticas pedagógicas, Discurso, Educação, Medicalização, Fonoaudiologia

Resumo

Tem sido frequentes e cada vez mais numerosos os encaminhamentos advindos da educação direcionados a profissionais da saúde de crianças com supostas dificuldades na apropriação da leitura e da escrita. Contudo, cabe indagar, mediante tais dificuldades, quais vêm sendo as experiências educacionais vivenciadas por essas crianças nessas modalidades de linguagem, e como os discursos escolares vêm constituindo os seus modos de aprender. Por isso, este estudo objetivou discutir o efeito de práticas e discursos no processo educacional de uma criança com suposta dificuldade de leitura e escrita. Verificamos que práticas e discursos medicalizantes foram adotados para justificar o “não aprender”, isentando a equipe pedagógica de assumir um papel mais ativo no processo educacional e fortalecendo o processo de medicalização. Para tanto, o estudo aponta para a necessidade do enfrentamento de tais práticas e discursos por meio de parcerias responsivas ativas entre a Fonoaudiologia e a Educação que visem promover práticas possíveis aos diversos modos de construção de conhecimento, de apropriação da leitura e da escrita e aos diferenciados ritmos dos sujeitos, sendo a escola considerada o espaço potente para essa construção.

Biografia do Autor

Luciana Figueiredo de Oliveira, Universidade Federal da Paraíba (UFPB), João Pessoa – PB

Docente Adjunta no Departamento de Fonoaudiologia. Doutorado em Linguística Aplicada (UNICAMP).

Ivonaldo Leidson Barbosa Lima, Centro Universitário de João Pessoa (UNIPÊ), João Pessoa – PB

Professor Assistente no Departamento de Fonoaudiologia. Doutorado em Linguística (UFPB).

Kyrlian Bartira Bortolozzi, Universidade Estadual do Centro-Oeste do Paraná (UNICENTRO), Irati – PR

Docente Adjunta no Departamento de Fonoaudiologia. Doutorado em Distúrbios da Comunicação (UTP).

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BELIDO, A. P. et al. Crianças diagnosticadas com síndrome de irlen: análise de produções escritas. Revista Distúrbios da Comunicação, v. 29, p. 77-85, 2017.

BERBERIAN, A. P. Princípios norteadores da avaliação clínica fonoaudiológica de crianças consideradas portadoras de distúrbios de leitura e escrita. In: BERBERIAN, A. P.; MASSI, G. A.; GUARINELLO, A. C. (Org.). Linguagem escrita: Referenciais para a clínica fonoaudiológica. São Paulo: Plexus Editora, 2003. p. 11-38.

BORTOLOZZI, K. B. Fonoaudiologia e educação: a constituição de uma parceria responsiva ativa. 2013. 159 f. Tese (Doutorado em Distúrbios da Comunicação) –Universidade Tuiuti do Paraná, Curitiba, 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução n. 4, de 2 de outubro de 2009. Institui diretrizes operacionais para o atendimento educacional especializado na educação básica, modalidade educação especial. Brasília, DF: MEC, 2009.

DELORS, J. (Org). Educação um tesouro a descobrir: Relatório para UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI. São Paulo: Cortez Editora, 1998.

FERREIRA, M. E. C. O enigma da inclusão: das intenções às práticas pedagógicas. 2002. 330 f. Tese (Doutorado em Educação Especial) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.

FIGUEIREDO, L.C. O outro na escola: algumas representações a respeito das diferenças. 2015. Tese. (Doutorado em Linguística Aplicada). Instituto de estudos da Linguagem – UNICAMP. Campinas – SP, 2015.

FIGUEIREDO, L. C.; LIMA, I. L. B.; SILVA, H. S. E. Representations of educational professionals for speech, language and hearing sciences practice in schools. Distúrbios da Comunicação, São Paulo, v. 30, n. 1, p. 186-193, 2018.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GIROTO, C. R. M. A interface entre fonoaudiologia e educação inclusiva: implicações na formação e profissionalização do fonoaudiólogo. In: QUEIROGA, B. M.; ZORZI, J. L.; GARCIA, V. L. (Org.) Fonoaudiologia educacional: reflexões e relatos experiência. Brasília: Editora Kiron, 2015. p. 109-29.

GIROTO, C. R. M.; ARAUJO, L. A.; VITTA, F. C. F. Discursivização sobre “doenças do não aprender” no contexto educacional inclusivo: o que dizem os professores de educação infantil? Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, p. 807-825, maio 2019. DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v14iesp.1.12208

GIROTO, C. R. M.; BERBERIAN, A. P.; SANTANA, A. P. Saúde, Educação e Educação Especial: princípios e paradigmas norteadores das práticas em saúde no contexto educacional inclusivo. In: GIROTO, C. R. M. et al. (Org.). Serviços de apoio em educação especial: um olhar para diferentes realidades. Alcalá de Henares: Servicio de Publicaciones de la UAH, 2013. p. 101-24.

LIMA, I. L. B.; DELGADO, I. C.; LUCENA, B. T. L.; FIGUEIREDO, L. C. Contributions of the institutional diagnosis for speech language pathology and audiology practice in schools. Distúrbios da Comunicação, São Paulo, v. 27, n. 2, p. 213-224, 2015.

MARQUES, J. B. Os sentidos do não aprender na perspectiva de alunos do ensino fundamental I, professores e familiares. 2018. 158 f. Dissertação (Mestrado em Educação escolar) – Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2018.

MASINI, L. H. O diálogo e seus sentidos na clínica fonoaudiológica. 2004. 304 f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem) – Faculdade de Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2004.

MASSI, G. A. A.; GREGOLIN, R. Reflexões sobre o processo da aquisição de escrita e a dislexia. Revista Letras, Curitiba, v. 65, p. 153-171, 2005.

MOYSÉS, M. A. A. A institucionalização invisível: crianças que não-aprendem-na-escola. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2001.

MOYSÉS, M. A. A.; COLLARES, C. A. L. Inteligência Abstraída, Crianças Silenciadas: as Avaliações de Inteligência. Psicologia USP, São Paulo, v. 8, p. 63, 1997.

MOYSÉS, M. A.; COLLARES, C. A. L. Medicalização: o obscurantismo reinventado. In: COLLARES, C. A. L.; MOYSÉS, M. A.; RIBEIRO, M. (Org.): Novas capturas, antigos diagnósticos na era dos transtornos. São Paulo: Mercado de Letras, 2013. p.41- 64.

MOYSÉS, M. A.; COLLARES, C. A. L. Dislexia e TDAH: uma análise a partir da ciência médica. In: Medicalização de crianças e adolescentes: conflitos silenciados pela redução de questões sociais a doença de indivíduos. Conselho Regional de Psicologia de São Paulo. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2010. p. 125-156.

NOGUEIRA, J. F. A. Discursos de psiquiatrização na educação e o governo dos infames da escola: entre cifras de resiliência e acordes de resistência. 2015. 202 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2015.

PERROTA, C.; MÄRTZ, L. W.; MASINI, L. H. Histórias de ler e de contar: a linguagem no cotidiano. São Paulo: Summus, 1995.

SIGNOR, R. C. F. et al. Distúrbio de processamento auditivo x dificuldade de leitura e escrita: há uma relação? Revista Brasileira de Linguística Aplicada, Belo Horizonte, v. 18, p. 581-607, 2018.

ULLASTRES, A.M. El fracaso escolar em España. Madrid: Fundación Alternativas, 2003.

ZAGO, N. Fracasso e sucesso escolar no contexto das relações família e escola: questionamentos e tendências em sociologia da educação. Revista Luso‐Brasileira, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 57‐83, 2011.

Downloads

Publicado

01/12/2020

Como Citar

Oliveira, L. F. de, Lima, I. L. B., & Bortolozzi, K. B. (2020). Os efeitos de práticas e discursos no processo educacional de um sujeito com suposta dificuldade de leitura e escrita . Revista Ibero-Americana De Estudos Em Educação, 15(esp5), 3038–3055. https://doi.org/10.21723/riaee.v15iesp5.14573