Medicalização e a atuação fonoaudiológica frente à queixa escolar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v15iesp5.14574

Palavras-chave:

Queixa escolar, Educação, Medicalização, Fonoaudiologia

Resumo

A queixa escolar é, em geral, caracterizada como experiências de fracasso no contexto educacional que se manifestam pela expressão de sofrimento e envolve atores como a criança, a família e a escola. São poucos os estudos que buscam compreender o processo de produção das queixas escolares e a relação deste processo com a medicalização. Deste modo, este estudo teve como objetivo analisar relatos de fonoaudiólogos sobre a sua atuação com crianças com queixas escolares e identificar o quanto essa atuação se aproxima ou se distancia de práticas que contribuem para o processo de medicalização da educação. Trata-se de estudo qualitativo e transversal, fundamentado em perspectiva teórico-metodológica sócio-histórica. Participaram seis fonoaudiólogas que atendiam crianças com queixas escolares na rede pública e privada da região de Salvador/BA. A coleta de dados foi realizada por meio de entrevistas semiestruturadas que, após transcritas, foram categorizadas e analisadas tendo por base os objetivos propostos e referencial teórico baseado em estudos sobre queixa escolar, fracasso escolar, fonoaudiologia e medicalização. Conceitos sobre enunciado e dialogia também foram importantes para a seleção e análise dos dados. A análise dos enunciados das entrevistas tornou possível observar que semelhanças, diferenças e contradições atravessaram as narrativas sobre as diversas práticas clínicas relacionadas às queixas escolares. Os enunciados das fonoaudiólogas foram marcados por práticas ora medicalizantes, ora não medicalizantes, e apontam que ainda há um longo caminho na tentativa de romper com a perspectiva ideológica da clínica biomédica e medicalizante na atuação com a queixa escolar.

Biografia do Autor

Bárbara Aparecido Botelho, Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador – BA

Doutoranda no Programa de Pós-graduação em Educação.

Elaine Cristina de Oliveira, Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador – BA

Professora do Departamento de Fonoaudiologia. Doutorado em Linguística (UNICAMP).

Referências

ANGELUCCI, C. Por uma clínica da queixa escolar que não reproduza a lógica patologizante. In: SOUZA, B. P. (Org.). Orientação à queixa escolar. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2007. p. 353-378.

AMARAL, M. I. R.; CARVALHO, N. G.; COLELLA-SANTOS, M. F. Programa online de triagem do processamento auditivo central em escolares (audBility): investigação inicial. CoDAS, São Paulo, v. 31. n. 2, 2019.

BARROS, R. C. B. Estudo do campo de conhecimento fonoaudiológico e a clarificação do seu objeto científico. Rev. Línguas e Instrumentos Linguísticos, Ed. RG. Unicamp, 2012.

BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. In: BAKHTIN, M. (Org.). Estética da criação verbal. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2003. p. 261-306.

BERBERIAN, A. P. Fonoaudiologia e educação: um encontro histórico. 1. ed. São Paulo: Plexus, 1995.

CAVALCANTE, L. A.; AQUINO, F. S. B. Análise das queixas escolares considerando o processo de triagem: um estudo em clínicas escola de psicologia. Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 24, n. 1, p. 158-174, jan. 2018.

EBERHARDT, L. D.; CARVALHO, M.; MUROFUSE, N. T. Vínculos de trabalho no setor saúde: o cenário da precarização na macrorregião Oeste do Paraná. Saúde em Debate, Rio de Janeiro, v. 39, n. 104, p. 18-29, mar. 2015.

FERRIANI, M. G.; IOSSI, M. A. Significado do fracasso escolar para os atores sociais que utilizam o programa de assistência primária de saúde escolar - PROASE no município de Ribeirão Preto. Rev. Latino-Am. Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 6, n. 5, p. 35-44, dez. 1998.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 2. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996. (Coleção Leitura)

FREITAS, M. T. A. A abordagem sócio-histórica como orientadora da pesquisa qualitativa. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 116, p. 21-39, jul. 2002.

GENTIL, M. A. O. Contribuição à crítica do trabalho da fonoaudiologia educacional à luz da concepção histórico-cultural da linguagem: Diante do crescente processo de medicalização e patologização da educação, que fazer? 2016. 260 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2016.

GOMES, L.; BRITO, J. Desafios e possibilidades ao trabalho docente e à sua relação com a saúde. Estudos e Pesquisas em Psicologia, Rio de Janeiro, ano 6, n. 1, 2006. Disponível em: http://www.revispsi.uerj.br/v6n1/artigos/PDF/v6n1a05.pdf. Acesso em: 23 abr. 2020.

GUARINELLO, A. C.; MASSI, G.; BERBERIAN, A. P. A clínica fonoaudiológica e a linguagem escrita: estudo de caso. Revista CEFAC, São Paulo, v. 10, n. 1, p. 38-44, mar. 2008.

MACHADO, A. M. Avaliação e fracasso: a produção coletiva da queixa escolar. In: AQUINO, J. G. (Org.). Erro e fracasso na escola: alternativas e práticas. São Paulo: Summus, 1997. p. 73-79.

OLIVEIRA, E. C.; HARAYAMA, R. M.; VIÉGAS, L. S. Drogas e medicalização na escola: reflexões sobre um debate necessário. Revista Teias, v. 17, n. 45, p. 99-118, maio 2016.

OLIVEIRA, E.C.; TEIXEIRA, V.R.V.; SANTOS, J.G.R. Fonoaudiologia – Reflexões e Propostas de Superação do Discurso Medicalizante. In: MARCHESAN, I. Q. JUSTINO, H. TOMÉ, M. C. (Org) Tratado de Especialidades em Fonoaudiologia. São Paulo: Ed. Guanabara Koogan, 2014. p. 793-798.

PATTO, M. H. S. O papel social do psicólogo educacional. Revista Marco Eventos, São Paulo, Instituto de Ciências São Marcos, n. 1, p. 5-9, 1985.

PATTO, M. H. S. O fracasso escolar como objeto de estudo: anotações sobre as características de um discurso. Cadernos de Pesquisa (Fundação Carlos Chagas), São Paulo, p. 72-77, 1988.

PATTO, M.H.S. A produção do fracasso escolar: histórias de submissão e rebeldia. 4. ed. São Paulo: T.A. Queiroz, 2015.

RODRIGUES, M. C.; CAMPOS, A. P. S.; FERNANDES, I. A. Caracterização da queixa escolar no Centro de Psicologia Aplicada da Universidade Federal de Juiz de Fora. Estudos de Psicologia, Campinas, v. 29, n. 2, p. 241-252, jun. 2012.

SANTANA, A. P. A linguagem na clínica fonoaudiológica: implicações de uma abordagem discursiva. Distúrbios da Comunicação, São Paulo, v. 13, n. 1, p. 161-74, dez. 2001.

SIGNOR, R. C. F.; BERBERIAN, A. P.; SANTANA, A. P. A medicalização da educação: implicações para a constituição do sujeito/aprendiz. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 43, n. 3, p. 743-763, set. 2016.

SOUSA, M. F. S.; NASCIMENTO, C. M. B.; SOUSA, F. O. S.; LIMA, M. L. L. T.; SILVA, V. L.; RODRIGUES, M. Evolução da oferta de fonoaudiólogos no Sistema Único de Saúde (SUS) e na atenção básica à saúde no Brasil. Rev. CEFAC, São Paulo, v. 19, n. 2, p. 213-220, mar. 2017.

VIÉGAS, L. S. O atendimento à queixa escolar na educação pública baiana. Revista Entreideias: educação, cultura e sociedade, Salvador, v. 5, p. 57-72, 2016.

Downloads

Publicado

01/12/2020

Como Citar

Botelho, B. A., & Oliveira, E. C. de. (2020). Medicalização e a atuação fonoaudiológica frente à queixa escolar. Revista Ibero-Americana De Estudos Em Educação, 15(esp5), 3056–3074. https://doi.org/10.21723/riaee.v15iesp5.14574