A dimensão da formação permanente de docentes que atuam nas escolas de fronteira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v16i4.14941

Palavras-chave:

Formação permanente de professores, Política educacional, Fronteira

Resumo

O objetivo deste artigo é apresentar alguns dos resultados das ações do programa permanente de formação denominado Pedagogia de Fronteira, desenvolvido entre os anos 2016 e 2019, pela Universidade Federal da Integração Latinoamericana (UNILA) para os professores da rede municipal de ensino da cidade de Foz de Iguaçu, Paraná, Brasil. A metodologia adotada baseia-se em uma perspectiva de pesquisa-ação participativa, a partir do conceito do sociólogo colombiano Fals Borda. Os dados obtidos ao longo da pesquisa mostraram a possibilidade em planejar programas permanentes de formação, considerando o contexto trinacional. Mostram ainda que ações articuladas entre a comunidade escolar e as universidades públicas. As ações de formação do programa nos permitiram refletir sobre o que é estar na fronteira e pensar em uma educação na e para a fronteira. Este estudo é baseado em conceitos teóricos de autores como Diniz Pereira, Hooks, Freire, Fals Borda, Walsh, entre outros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Julio Emilio Diniz-Pereira, Universidad Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte – MG

Coordinador del Programa del Doctorado Latinoamericano Políticas públicas y profesión docente, de la Facultad de Educación (FaE).

Jorgelina Ivana Tallei, Universidad Federal de la Integración Latinoamericana (UNILA), Foz do Iguaçu – PR

Docente de español como lengua adicional en el Instituto Latinoameriano de Artes, Cultura e Historia (ILAACH).

Referências

BHABHA, H. K. O local da cultura. Belo Horizonte, MG: Editora UFMG, 2014[1994].

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação nacional. Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponible: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acceso: 20 dic. 2020.

BRASIL. Lei n. 13.005, de 25 de junho de 2014. Plano Nacional de Educação. Brasília, DF, 26 jun. 2014. Disponible: http://pne.mec.gov.br/18-planos-subnacionais-de-educacao/543-plano-nacional-de-educacao-lei-n-13-005-2014. Acceso: 19 dic. 2020.

BRASIL. Decreto n. 8.752, de 9 de maio de 2016. Dispõe sobre a Política Nacional de Formação dos Professionais de Educação Básica. Brasília, 10 maio 2016. Disponible http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Decreto/D8752.htm. Acceso: 20 dic. 2020

BRASIL. Comissão SEB/MEC. Orientações para cursos de formação de professores nas áreas de didática, metodologias e práticas de ensino. Brasília, DF, fev. 2016. Disponible en: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=40811-documento-base-fevereiro-2016-pdf&category_slug=maio-2016-pdf&Itemid=30192. Acceso: 15 nov. 2020.

BRASIL. Conselho Nacional De Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a oferta de Educação Plurilíngue. Brasília, DF: CNE, 2020. Disponible: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=156861-pceb002-20&category_slug=setembro-2020-pdf&Itemid=30192. Acceso: 15 nov. 2020.

CACHAPUZ, A. F. “Do que temos, do que podemos ter e temos direito a ter na formação de professores: em defesa de uma formação em contexto”. In: BARBOSA, R. L. L. (org.). Formação de educadores: desafios e perspectivas. São Paulo: Editora UNESP, 2003. p. 451-464.

CANÁRIO, R. Educação de adultos: um campo e uma problemática. Lisboa: Educa, 2013.

DINIZ-PEREIRA, J. E. A pesquisa dos educadores como estratégia para a construção de modelos críticos de formação docente. In: DINIZ-PEREIRA, J. E.; ZEICHNER, K. (org.). A pesquisa na formação e no trabalho docente. São Paulo: Autêntica, 2011. p. 11-42.

DINIZ-PEREIRA, J. E. Formação continuada de professores (verbete). In: Dicionário: trabalho, profissão e condição docente. Belo Horizonte: UFMG/Faculdade de Educação, 2010. CDROM.

FALS BORDA, O. Reflexiones sobre democracia y participación. Revista Mexicana de Sociología, v. 48, n. 3, p. 7-14, 1986.

FOZ DO IGUAÇU. Lei n. 4.341, de 22 de junho de 2015. Plano de Educação Municipal de Foz do Iguaçu. Foz do Iguaçu, PR: Secretaria de Educação Municipal, 2015.

FOZ DO IGUAÇU. Secretaria Municipal de Educação, Grupo de Pesquisa Língua (GEM), Política e Cidadania, da Universidade Federal da Integração Latinoamericana (UNILA). Protocolo de acolhimento de estudantes imigrantes na rede municipal de ensino. Foz do Iguaçu, PR: SEMD, 2020. Disponible: https://dspace.unila.edu.br/bitstream/handle/123456789/5879/DOCUMENTO%20ORIENTADOR%20E%20PROTOCOLO%20DE%20ACOLHIMENTO.pdf?sequence=3&isAllowed=y. Acceso: 20 dic. 2020

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 24. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

GATTI, B. A. Análise das políticas públicas para formação continuada no Brasil, na última década. Revista Brasileira de Educação, v. 13, n. 37, p. 57-70, jan./abr. 2008.

GIROUX, H. A. La pedagogía de frontera y la política del posmodernismo. Revista Intringulis, n. 6, p. 37-42, sep./dic. 1992.

GUILHERME, M. Qual o papel da pedagogia crítica nos estudos da língua e a cultura? Revista Crítica de Ciências Sociais, v. 73, p. 131-143, 2005.

HOOKS, B. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. Trad. Marcelo Brandão Cipolla. São Paulo: Martins Fontes, 2013.

MERCOSUR. Escuelas de Frontera. Documento Marco Referencial de Desarrollo Curricular. 2012.

NÓVOA, A. A formação tem de passar por aqui: as histórias de vida no projecto Prosalus. In: NÓVOA, A.; FINGER, M. (org.). O método (auto)biográfico e a formação. Lisboa: Ministério de Saúde, 1988.

NÓVOA, A. “Os professores e a história da sua vida”. In: NÓVOA, A. (org.). Vidas de professores. Porto: Porto Editora, 1992.

PAIVA, A. C. Políticas educacionais para a diversidade e escolas na fronteira: o caso de Foz de Iguaçu com a Argentina e o Paraguai. 2016. 142 f. Dissertação (Mestrado em Sociedade, Cultura e Fronteiras) – Universidade Estadual do Oeste de Paraná, Foz do Iguaçu, 2016.

RODRIGUES DE ARAUJO, V. Saber quem se é: uma proposta pedagógica decolonial e sentipensante. Revista SURES, n. 9, p. 71-84, feb. 2017. Disponible: https://ojs.unila.edu.br/ojs/index.php/sures. Acceso: 15 dic. 2020.

TARDIF, M. Apresentação. Revista: Educação e Sociedade, Campinas, v. 22, n. 74, p. 11-26, abr. 2001.

WALSH, C. Interculturalidad, conocimiento y decolonialidad. Rev.Signo y pensamiento, v. 46, v. 24, p. 39-50, ene./jun. 2005.

Publicado

21/10/2021

Como Citar

DINIZ-PEREIRA, J. E.; TALLEI, J. I. A dimensão da formação permanente de docentes que atuam nas escolas de fronteira. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 16, n. 4, p. 2263–2278, 2021. DOI: 10.21723/riaee.v16i4.14941. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/14941. Acesso em: 28 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos