A configuração subjetiva da docência de uma professora da educação especial e suas implicações na prática pedagógica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v16iesp.3.15293

Palavras-chave:

Subjetividade, Configuração subjetiva, Docência, Educação especial, Inclusão

Resumo

O presente artigo objetivou analisar a configuração subjetiva da docência de uma professora da Educação Especial e como se constitui a sua prática pedagógica junto aos alunos com deficiência. A pesquisa foi orientada pela Metodologia construtivo-interpretativa elaborada por González Rey, fundamentada nos princípios da Epistemologia Qualitativa. Participou da pesquisa uma professora da Educação Especial de uma escola pública de Ensino Fundamental. Utilizou-se como instrumentos entrevista, dinâmicas conversacionais, questionário, redação, completamento de frases e observações. A análise possibilitou compreender que a configuração subjetiva da docência da professora está constituída por sentidos subjetivos associados à relação com seus familiares, com a falta de identificação com o magistério e a baixa valoração da Educação Especial na subjetividade social da escola. Essa configuração, em articulação com o contexto de trabalho e a subjetividade social da instituição, implicou na prática pedagógica da professora, resultando em limitações relacionadas à efetivação da inclusão na escola.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Geandra Claudia Silva Santos, Universidade Estadual do Ceará (UECE)

Professora Adjunta do Centro de Educação, Ciências e Tecnologia dos Inhamuns. Doutorado em Educação (UNB).

Albertina Mitjáns Martínez, Universidade de Brasília (UNB)

Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação. Doutorado em Ciencias Psicologicas (ULH) – Cuba.

Alexandra Ayach Anache, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMT)

Professora Titular da Faculdade de Ciências Humanas. Doutorado em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano (USP).

Referências

ANACHE, A. A.; MARTINS, L. R. R. Subjetividade Social em relação à Educação Especial: contribuições da teoria da subjetividade. In: ROSSATO, M.; PERES, V. L. A. P. Formação de Educadores e psicólogos: contribuições e desafios da subjetividade na perspectiva cultural histórica. Curitiba, PR: Appris Editora. 2019, p. 107-131.

BRANDENBURG, C.; FIALHO, L. M. F.; SOUSA, F. G. A. Formação educativa de Maria de Lourdes Fernandes: memórias de superação. Debates em Educação, Maceió (AL), v. 12, p. 474-494, 2020. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/10180. Acesso em: 21 fev. 2021.

BRANDENBURG, C.; PEREIRA, A.; FIALHO, L. Práticas reflexivas do professor reflexivo: experiências metodológicas entre duas docentes do ensino superior. Práticas Educativas, Memórias e Oralidades - Rev. Pemo, Fortaleza (CE), v. 1, n. 2, 2019. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/revpemo/article/view/3527. Acesso em: 21 fev. 2021.

BRASIL. Resolução CNE/CEB 4/2009, de 02 de outubro de 2009. Institui Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial. Diário Oficial da União: Seção 1, Brasília, DF, p. 17, 5 out. 2009.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva. Brasília, DF: MEC/SEESP, 2008.

CHARLOT, B. O professor na sociedade contemporânea: um trabalhador da contradição. In: D’AVILA, C. M. (Org.). Ser professor na contemporaneidade: desafios, ludicidade e protagonismo. 2. ed. Curitiba, PR: CRV, 2012.

FIALHO, F. M. F. et al. O uso da história oral na narrativa da história da educação no Ceará. Práticas Educativas, Memórias e Oralidades - Rev. Pemo, Fortaleza (CE), v. 2, p. 1-13, 2020. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/revpemo/article/view/3505. Acesso em: 21 fev. 2021.

FRANCO, M. A. S. Pedagogia e Prática docente. São Paulo, SP: Cortez, 2012.

GATTI, B. A. et al. Professores do Brasil: novos cenários de formação. Brasília, DF: UNESCO, 2019.

GONZÁLEZ REY, F. L. A configuração subjetiva na perspectiva dos processos psíquicos: avançando na compreensão da aprendizagem como produção subjetiva. In: MITJÁNS MARTÍNES, A.; SCOZ, B. J. L.; CASTANHO, M. I. S. (Org.). Ensino e Aprendizagem em foco. Brasília, DF: Liber livros 2012, p. 21-41.

GONZÁLEZ REY, F. L. Epistemologia qualitativa y subjetividade. Habana, Cuba: Editorial Pueblo y Educación, 1997.

GONZÁLEZ REY, F. L. Pesquisa qualitativa e subjetividade: os processos de construção da informação. São Paulo, SP: Thomson, 2005.

GONZÁLEZ REY, F. L. Subjetividade e Saúde: superando a clínica da patologia. São Paulo, SP: Cortez, 2011.

GONZÁLEZ REY, F. L. Sujeito e subjetividade: uma aproximação histórico-cultural. São Paulo, SP: Pioneira Thompson Learning, 2003.

GONZÁLEZ REY, F. L.; GOULART, D. M. Teoria da Subjetividade e educação: Obutchénie: Revista de Didática e Psicologia Pedagógica, Uberlândia (MG), v. 3, n. 1, p. 13-33, 2019. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/Obutchenie/article/view/50573. Acesso em: 21 fev. 2021.

HUBERMAN, M. O Ciclo de vida profissional dos professores. In: NÓVOA, A. Vida de Professores. Porto, Portugal: Porto Editora, 2000.

MENDES, E. G.; CIA, F.; TANNUS-VALADÃO, G. Inclusão escolar e os desafios para a formação de professores em educação especial. Série: Observatório Nacional de Educação Especial. São Carlos, SP: Marquezine e Manzini, ABPEE, 2015. v. 2.

MITJÁNS MARTÍNES, A.; GONZÁLEZ REY, F. A preparação para o exercício da profissão docente: Contribuições da teoria da subjetividade. In: ROSSATO, M.; PERES, V. L. A. P. Formação de Educadores e psicólogos: contribuições e desafios da subjetividade na perspectiva cultural histórica. Curitiba, PR: Appris Editora. 2019. p. 13-45.

MITJÁNS MARTÍNEZ, A. El profesor como sujeto: elemento esencial de la formación de profesores para la educación inclusiva. Movimento, Niterói, v. 7, p. 137-149, maio 2003.

MITJÁNS MARTÍNEZ, A; GONZÁLEZ REY, F. L. Psicologia, Educação e Aprendizagem escolar: avançando na contribuição da leitura cultural-histórica. São Paulo, SP: Cortez, 2017.

MONTEIRO, A. R. Profissão docente: personalidade e autoregulação. São Paulo, SP, 2015.

MOTA, B. O. S. Professoras supervisoras e as expressões de suas experiências formativas no PIBID de Educação Especial inclusiva na configuração subjetiva da profissão docente. 2020. 206 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, CE, 2020.

OLIVEIRA, L. S. Constituição subjetiva de professores: caminhos alternativos para a formação continuada. Curitiba, PR: CRV, 2016.

OZÓRIO, F. J. et al. Políticas públicas para o atendimento educacional especializado em Fortaleza durante a pandemia. Práticas Educativas, Memórias e Oralidades - Rev. Pemo, Fortaleza (CE), v. 3, n. 1, e313864, 2020. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/revpemo/article/view/3864. Acesso em: 01 mar. 2021.

ROSSATO; M. ASSUNÇÃO, R. O desenvolvimento subjetivo no processo de formação docente. In: ROSSATO, M.; PERES, V. L. A. P. Formação de Educadores e psicólogos: contribuições e desafios da subjetividade na perspectiva cultural histórica. Curitiba, PR: Appris Editora. 2019. p. 47-67.

SANTOS, G. C. S. As implicações da subjetividade do professor do Atendimento Educacional Especializado no seu trabalho pedagógico. Educação em Foco, Belo Horizonte (MG), v. 21, n. 34, p. 283-299, maio/ago. 2018. Disponível em: https://revista.uemg.br/index.php/educacaoemfoco/article/view/1287. 10 mar. 2020.

SANTOS, G. C. S.; MITJÁNS MARTÍNEZ, A. Changes in teacher subjectivity in the context of inclusive education. In: GONZÁLEZ REY, F.; MITJANS MARTINEZ, A.; GOULART, D. M. (Org.). Subjectivity within cultural-historical approach: theory, methodology and research. 1. ed. Singapura: Springer, 2019. v. 01, p. 220-235.

SOARES, M. Formação permanente de professores: um estudo inspirado em Paulo Freire com docentes dos anos iniciais do ensino fundamental. Educação & Formação, Fortaleza (CE), v. 5, n. 1, p. 151-171, 2019. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/1271. Acesso em: 1 de mar. de 2021.

THERRIEN, J.; AZEVEDO, M. R.; LACERDA, C. A racionalidade pedagógica nos processos de mediação à produção de sentidos e de aprendizagem aos saberes. Educação & Formação, Fortaleza (CE), v. 2, n. 3, p. 186-199, 2017. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/166. Acesso em: 10 fev. 2021.

UNESCO. Declaração de Incheon e ODS 4: marco de ação da educação 2030. Coreia do Sul, 2015. Disponível em: https://inee.org/system/files/resources/245656por.pdf. Acesso em: 10 fev. 2021.

VICTOR, S. L.; PILOTO-HERNANDEZ, S. S. F. Formação do professor no contexto do Observatório Nacional de Educação Especial. In: VICTOR, S. L.; OLIVEIRA, I. M. Educação Especial: políticas e formação de professores. Marília, SP: ABPEE, 2016. p. 159-178.

Publicado

01/06/2021

Como Citar

SANTOS, G. C. S. .; MITJÁNS MARTÍNEZ, A. .; ANACHE, A. A. . A configuração subjetiva da docência de uma professora da educação especial e suas implicações na prática pedagógica. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 16, n. esp.3, p. 1473–1492, 2021. DOI: 10.21723/riaee.v16iesp.3.15293. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/15293. Acesso em: 17 set. 2021.