Evidências de validade de conteúdo da Escala de Atitudes perante as Avaliações Externas aplicadas em larga escala (EAAE)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v17i3.16191

Palavras-chave:

Escala de atitudes, Avaliações externas aplicadas em larga escala, Validade de conteúdo, Avaliação educacional, Psicometria

Resumo

Este estudo teve como objetivo desenvolver e verificar as evidências de validade de conteúdo da Escala de Atitudes perante as Avaliações Externas aplicadas em larga escala (EAAE). Esse instrumento foi construído de modo a capturar o que os professores da educação básica pensam, sentem e como se comportam mediante esse tipo de avaliação. Trata-se de um estudo com abordagem quantitativa, estruturado em duas vertentes: avaliação de juízes especialistas com base no cálculo do Coeficiente de Validade de Conteúdo (CVC); e aplicação piloto, realizada com uma amostra da população-alvo. A versão final da escala contou com 30 itens, cujo CVC geral mostrou-se em 0,92, evidenciando sua validade de conteúdo e sinalizando para a clareza de linguagem, pertinência prática e relevância teórica do instrumento. Espera-se que este trabalho abra perspectivas para novas pesquisas, com vistas a dar continuidade ao processo de validação da EAAE e, consequentemente, possibilitar seu uso em estudos sobre avaliação educacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Denilson Junio Marques Soares, Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG), Piumhi – MG – Brasil

Doutorando em Educação (UFES).

Talita Emidio Andrade Soares, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), Vitória – ES – Brasil

Doutoranda em Educação.

Wagner dos Santos, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), Vitória – ES – Brasil

Professor no Programa de Pós-Graduação em Educação. Líder do Instituto de Pesquisa em Educação e Educação Física (Proteoria/UFES). Doutorado em Educação (UFES).

Referências

AFONSO, A. J. Avaliação educacional: Regulação e emancipação para uma sociologia das políticas avaliativas contemporâneas. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2000.

BAUER, A.; ALAVARSE, O. M.; OLIVEIRA, R. P. Avaliação em larga escala: Uma sistematização do debate. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 41, n. esp., p. 1367-1382, dez. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ep/v41nspe/1517-9702-ep-41-spe-1367.pdf. Acesso em: 03 jan. 2022.

BRASIL. Portaria n. 458, de 5 de maio de 2020. Institui normas complementares necessárias ao cumprimento da Política Nacional de Avaliação da Educação Básica. Brasília, DF: Ministro de Estado da Educação, 2020. Disponível em: https://www.in.gov.br/web/dou/-/portaria-n-458-de-5-de-maio-de-2020-255378342. Acesso em: 05 jan. 2022.

CAMILO, C. C. Construção e estudos psicométricos da Escala de Atitude frente à atuação do psicólogo. 2021. Tese (Doutorado em Psicologia) – Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Psicologia, Universidade São Francisco, Campinas, 2021. Disponível em: https://www.usf.edu.br/galeria/getImage/427/4000894494237433.pdf. Acesso em: 5 jan. 2022.

CASSEPP-BORGES, V.; BALBINOTTI, M. A. A.; TEODORO, M. L. M. Tradução e validação de conteúdo: Uma proposta para a adaptação de instrumentos. In: PASQUALI, L. Instrumentação psicológica: Fundamentos e práticas. Porto Alegre: Artmed, 2010.

GLASER, B. G.; STRAUSS, A. L. Discovery of grounded theory: Strategies for qualitative research. New York: Aldine de Gruyter, 2017.

HERNÁNDEZ-NIETO, R. A. Contribuciones al análisis estatístico. Mérida, Venezuela: Universidad de Los Andes/Iesinfo, 2002.

MILITÃO, A. N.; SANTANA, A. C. M.; PERBONI, F. A expansão dos sistemas avaliativos e a teoria crítica: Um diálogo (im)pertinente. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. esp. 4, p. 2046-2056, 2019. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/12927. Acesso em: 22 dez. 2021.

ORFIELD, G.; WALD, J. Testing, testing: The high-stakes testing mania hurts poor and minority students the most. The Nation, New York, v. 270, n. 22, p. 38-40, jun. 2000. Disponível em: https://thenation.s3.amazonaws.com/pdf/testingtesting2000.pdf. Acesso em: 05 jan. 2022.

PACICO, J. C. Como é feito um teste? Produção de itens. In: HUTZ, C. S.; BANDEIRA, D. R.; TRENTINI; C. M. Psicometria. Porto Alegre: Artmed, 2015.

PASQUALI, L. Instrumentação psicológica. Brasília, DF: Editora Vetor, 2010.

POLIT, D. F.; BECK, C. T. The content validity index: Are you sure you know what's being reported? Critique and recommendations. Research in Nursing & Health, v. 29, n. 5, p. 489-497, 2006. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1002/nur.20147. Acesso em: 15 jan. 2022.

SARTI, A. G.; VENDRAMINI, C. M. M.; CAMILO, C. C. Evidências de validade da escala de atitudes de estudantes do ensino superior frente à estatística-EAEst. Ciência & Educação, Bauru, v. 27, e21042, 2021. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ciedu/a/zJ9mkwgzpzyP5zRZjhsYsfh/abstract/?lang=pt. Acesso em: 10 dez. 2021.

STADLER, J. C. Prova Brasil de Matemática do 5º ano do ensino fundamental: Resultados nas plataformas Devolutivas Pedagógicas e QEdu. Ponta Grossa, 2017. 165 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, 2017. Disponível em: http://tede2.uepg.br/jspui/handle/prefix/2394. Acesso em: 15 jan. 2022.

THOMAS, W. I.; ZNANIECKI, F. The Polish peasant in Europe and America: Monograph of an immigrant group. Chicago: University of Chicago Press, 1918.

Publicado

01/07/2022

Como Citar

SOARES, D. J. M.; SOARES, T. E. A.; SANTOS, W. dos. Evidências de validade de conteúdo da Escala de Atitudes perante as Avaliações Externas aplicadas em larga escala (EAAE). Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 17, n. 3, p. 1806–1818, 2022. DOI: 10.21723/riaee.v17i3.16191. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/16191. Acesso em: 4 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos